Política

De porrada a assassinato: relembre tumultos históricos dentro do Senado

Xingamentos, investidas e pancadaria.
02/02/2019, 16h20

Os xingamentos de Renan Calheiros contra Tasso Jereissati e a investida de Katia Abreu contra a presença de Davi Alcolumbre na mesa executiva do Senado na sexta, 1, estão longe de ser os primeiros ou mesmo os mais pesados tumultos na Casa.

Nesta sexta, o senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) relatou que Renan passou por Tasso no corredor do plenário e disparou: “O responsável por isso é você, coronel, cangaceiro”. Em seguida, segundo Randolfe, o diálogo ficou ainda mais agressivo.

Tasso, que estava sentado, rebateu: “Você vai para a cadeia”. Ao que Renan emendou: “Seu merda, venha para a porrada”. Já Kátia Abreu (PDT-TO), aliada de Renan, surpreendeu os colegas ao tomar uma pasta de procedimentos de votação que estava na mesa e trocar pequenos esbarrões com Alcolumbre.

Relembre confusões históricas ocorridas no Senado

‘Crápula!’: Senador assassinado em 1964

Em 4 de dezembro de 1963, o senador Arnon de Mello (PDC-AL), pai do atual senador Fernando Collor, atirou contra Silvestre Péricles (PTB-AL). O segundo disparo acertou o abdome do senador José Kairala (PSD-AC), um comerciante de Brasiléia, que morreria horas depois no Hospital Distrital de Brasília.

Tudo foi causado por uma acirrada rixa regional. Péricles, que andava armado, prometeu matar Arnon, que pôs um Smith Wesson .38 na cintura e marcou discurso para desafiá-lo. Péricles conversava com o senador Arthur Virgílio Filho (PTB-AM), pai do atual líder do PSDB, Arthur Virgílio Neto. Arnon provocou e Péricles partiu para cima, gritando “crápula!”.

Arnon não deixou o rival se aproximar: sacou o revólver, mas antes que atirasse, Péricles, mais rápido, apesar dos 67 anos, jogou-se ao chão, enquanto sacava sua arma. O senador João Agripino (UDN-PB), tio do atual líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), atracou-se com Péricles para tirar-lhe a arma. Kairala tentou ajudar, mas foi atingido pelo segundo disparo de Arnon.

‘Engula essas palavras e as digira’: Collor versus Simon

O ex-presidente da República e senador por Alagoas Fernando Collor reagiu de forma exaltada em agosto de 2009 ao discurso do colega Pedro Simon (PMDB-RS), quando o parlamentar gaúcho mencionou um episódio da trajetória política do alagoano.

“São palavras em relação a mim e as minhas relações políticas, são palavras que eu não aceito. E são palavras que eu quero que o senhor as engula e as digira como julgar conveniente”, disse Collor, ameaçando, ofegante e irritado, em seguida, relembrar “fatos extremamente incômodos” para Simon.

“A próxima vez que tiver que pronunciar o nome de Vossa Excelência, eu gostaria de relembrar alguns fatos, alguns momentos, talvez extremamente incômodos a Vossa Excelência”, disse o ex-presidente.

‘Vou te pegar lá fora, vagabundo!’: Randolfe versus Ataídes

Em 2017, os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Ataídes Oliveira (PSDB-TO) tiveram de ser contidos e quase partiram para as vias de fato durante a sessão para leitura do parecer da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Um recurso de Randolfe que poderia atrasar os trabalhos havia acabado de ser rejeitado por parlamentares por 13 votos a 11.

Os ânimos estavam exaltados na primeira discussão no Congresso após a crise política deflagrada pelas delações de executivos da JBS. Relator da proposta, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) se preparava para ler seu parecer quando a confusão começou. O documento, porém, foi publicado na internet durante a confusão e Ferraço o deu como lido.

A confusão começou quando Randolfe virou-se para o colega Ataídes e gritou: “Vocês estão sustentando um governo corrupto, mas nós não vamos aceitar isso.” Visivelmente irritado, Ataídes partiu para o ataque. “Você é bandido e vagabundo”, respondeu o tucano. Randolfe reagiu, usando os mesmos termos. “Bandido é você! Vagabundo é você! Me respeite!”, bradou. “Vou te pegar lá fora, moleque, vagabundo!”, devolveu Ataídes.

Deputados chegaram a subir na mesa durante a discussão. No fundo da sala, manifestantes gritavam “Fora, Temer!”, “Golpistas” e “Jucá na cadeia”. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), mostrava-se impassível. “O próximo passo é queimarem pneus aqui dentro!”, afirmou Jucá. “A oposição está desesperada.”

Imagens: Senado 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Motociclista dorme em ponto de ônibus na BR-020 e tem veículo com R$ 12 mil em multas apreendido

Motocicleta tinha 56 multas pendentes, além do licenciamento atrasado.
02/02/2019, 17h45

Um motociclista que dormia em um ponto de ônibus na BR-020, em Sobradinho, no Distrito Federal, teve o veículo, com mais de R$ 12 mil em multas, apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). A apreensão foi feita no fim da manhã deste sábado (2/2), durante fiscalização na rodovia. De acordo com informações da corporação, a motocicleta apreendida tinha 56 multas pendentes, além do licenciamento atrasado.

A abordagem foi feita enquanto o motociclista, de 36 anos, que não teve o nome revelado, tirava um cochilo em um ponto de ônibus da BR-020. O homem, que já cumpriu dois anos de prisão por roubo, alegou ser motoboy de uma oficina mecânica, e disse aos policiais que parou no local por estar com sono.

Segundo a PRF, o veículo possui 56 multas registradas, totalizando mais de R$ R$ 12.622, 64 em débitos. A motocicleta foi apreendida no pátio credenciado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) para regularização.

Veículo recordista em multas é apreendido em Goiás

Na última quinta-feira (31/1), um ônibus, recordista em multas, também foi apreendido pela PRF, mas desta vez na BR-040, em Cristalina. De acordo com a corporação, o veículo também estava com licenciamento atrasado, além de 52 multas, a maioria por excesso de velocidade e evasão de pedágio.

O ônibus havia saído de Itaguaí no interior do Rio de Janeiro e seguia para São Luiz, capital do Maranhão. Segundo a corporação, a empresa pagou o licenciamento do veículo pela última vez em 2017. Para retirar o ônibus do pátio da PRF, o dono terá de pagar o valor de R$ 7.377,22.

Dois dias antes, um outro ônibus havia sido apreendido também com multas em atraso, na BR-050; no momento da abordagem, 22 passageiros seguiam viagem no veículo. Haviam 37 multas em aberto, sendo a maioria também por excesso de velocidade. O veículo saiu de São Paulo com destino a São Raimundo Nonato no Piauí.

Imagens: MTE 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Menino de 2 anos morre afogado em piscina, em Goiânia

A mãe de Alejandro tirou ele de dentro da água e buscou por ajuda, mas infelizmente o pequeno morreu.
03/02/2019, 13h45

O pequeno Alejandro Sousa Azevedo, de 2 anos, morreu afogado em uma piscina na noite do último sábado (2/2), em um condomínio de Goiânia.

As informações foram confirmadas pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBGMO) ao Portal Dia Online.

Conforme a corporação, a equipe foi chamada para atender a ocorrência de afogamento por volta das 19h25 do último sábado.

Segundo os Bombeiros, a mãe da criança percebeu que Alejandro tinha caído na piscina e o retirou da água em seguida com ele nos braços buscou por ajuda.

O CBMGO afirmou que no momento que a equipe chegou ao local, uma médica tentava reanimar a crianças, a equipe de socorristas dos Bombeiros assumiu o procedimento, mas infelizmente o menino morreu no local.

Á reportagem entrou em contato com o Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia, para saber se o corpo do pequeno Alejandro já havia sido retirado pela família para o velório, e fomos informados que o corpo do menino não estava mais na unidade.

Em menos de uma semana este é o segundo caso, em que um menino de 2 anos morre afogado no Estado

Na última segunda-feira (28/1) o menino português Guilherme Mourtinho da Silva, de 2 anos, morreu afogado em uma represa na fazenda dos avós, no distrito de Souzânia, em Anápolis, a 55 quilômetros de Goiânia.

Guilherme veio com o pai de Portugal para conhecer os familiares que moram na cidade. Os dois chegaram no dia 15 de janeiro de 2019 e planejavam voltar para o país ibérico no dia (18/2).

Entretanto mesmo com o cronograma de retorno marcado, na última segunda-feira, o pai da criança foi preparar o almoço, e quando se deu conta Guilherme havia caído na represa da propriedade rural.

O pai de Guilherme retirou ele da água e o levou para o Hospital de Urgências de Anápolis (Huana), mas infelizmente o menino não resistiu e morreu na unidade de saúde.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Morre Sabrina Bittencourt, ativista que liderou denúncias contra João de Deus

"Ela não queria ser morta pelas quadrilhas nem pelo câncer. Minha mãe lutou até o final. Ela não desistiu. Ela só se libertou do inferno que estava vivendo", disse Gabriel Baum.
03/02/2019, 14h09

A ativista Sabrina Bittencourt, que coletou denúncias contra o médium João de Deus e criou o movimento Combate ao Abuso no Meio Espiritual (Coame), morreu por volta das 21 horas deste sábado, 2, em Barcelona, na Espanha. Ativistas dizem que causa da morte foi suicídio.

A morte foi confirmada pelo filho Gabriel Baum e por Maria do Carmo Santos, presidente do grupo Vítimas Unidas, criado por mulheres abusadas pelo ex-médico Roger Abdelmassih, com quem Sabrina lutava para coletar provas e reunir vítimas para denunciar crimes sexuais.

No início da tarde deste sábado, o Estado falou por WhatsApp com a ativista, que disse, enquanto dava detalhes sobre as denúncias em curso: “Estou tratando um linfoma e não vejo meus filhos para poder ajudar todo mundo”. Na conversa, ela disse ainda que estaria sendo perseguida.

Em nota, assinada pela presidente Maria do Carmo, o grupo Vítimas Unidas disse: “A ativista cometeu suicídio e deixou uma carta de despedida relatando os porquês de tirar sua própria vida. Pedimos a todos que não tentem entrar em contato com nenhum integrante da família, preservando-os de perguntas que sejam dolorosas neste momento tão difícil. Dois dos três filhos de Sabrina ainda não sabem do ocorrido e o pai, Rafael Velasco, está tentando protegê-los. Ainda não temos informações sobre o local do velório, nem mesmo onde ela será enterrada”.

“A luta de Sabrina jamais será esquecida e continuaremos, com a mesma garra, defendendo as minorias, principalmente as mulheres que são vítimas diárias do machismo”, informou o movimento.

O filho Gabriel Baum confirmou a morte da mãe em uma rede social. “Ela não queria ser morta pelas quadrilhas nem pelo câncer. Minha mãe lutou até o final. Ela não desistiu. Ela só se libertou do inferno que estava vivendo”, disse.

Denúncias

Sabrina esteve envolvida na coleta de denúncias de vítimas de João Teixeira de Faria, acusado de abusos sexuais e preso desde de dezembro. Na manhã deste sábado, Sabrina chegou a se manifestar sobre a prisão do filho do médium, Sandro Teixeira de Faria. A Justiça recebeu denúncia do Ministério Público de Goiás (MP-GO) contra ele por coação no curso do processo e corrupção ativa e determinou sua prisão.

“Confirmo que Sandro Teixeira tem ameaçado nossas testemunhas, coagido, entrado na casa das pessoas, proíbe que falem comigo, Maria do Carmos Santos e Vana Lopes, do Grupo Vítimas Unidas. Estamos protegendo várias destas vítimas e testemunhas”, disse ela.

Durante a repercussão do caso João de Deus, Sabrina disse ter recebido ao menos 185 denúncias contra 13 líderes espirituais brasileiros desde setembro. Sabrina começou a reunir os relatos após mulheres relatarem supostos abusos cometidos pelo guru Sri Prem Baba.

Em contato com supostas vítimas do guru, Sabrina teria percebido que as mulheres estariam sofrendo ameaças, o que a motivou a criar um movimento organizado de denúncias. Em um mês, foram 103 relatos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Suspeito invade casa de vizinha e estupra primas de 13 e 15 anos, em Brasília

O rapaz pegou carona com a tia das meninas, fingiu entrar em casa e esperou elas ficarem sozinhas para cometer o crime.
03/02/2019, 15h40

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) prendeu neste domingo (3/2) um homem de 27 anos, suspeito de invadir a casa vizinha e estuprar duas primas de 13 e 15 anos, em Brasília.

Conforme as informações da PMDF ao portal de notícias G1, o suspeito identificado como Gleison Braga Botelho, e o mesmo foi encontrado trancado dentro de casa, armado com um facão e pedras, temendo ser linchado pela população, após o crime.

A publicação traz ainda que o irmão de uma das vítimas precisou ser controlado para não agredir o suspeito.

Vizinho pegou carona com a tia das meninas, antes de estuprar as vítimas

As duas meninas estavam em um bar que pertence ao padrasto da garota de 13 anos, e por volta das 4h da manhã, a tia delas as levou para casa da família, onde esperariam até os pais voltarem do estabelecimento comercial.

O vizinho que é suspeito do crime, aproveitou para pegar uma carona com a tia das meninas e ir para casa. Após chegar ao destino, o suspeito fingiu entrar em sua residência e aguardou a vizinha sair e deixar as garotas sozinhas em casa.

O rapaz então voltou e bateu a porta, como as duas meninas não abriram, ele arrombou e invadiu a casa vizinha. Segundo a publicação, o suspeito armado com facas e ameaçou as vítimas, e durante a ação, ele chegou a rasgar as roupas delas.

O crime foi registrado na área rural conhecida como Café Sem Troco e encaminhado para a 6ª Delegacia de Polícia, em Paranóa, onde o rapaz foi autuado por estupro. De acordo com a polícia, o suspeito não possuí passagens pela polícia.

A delegada da 6ª DP, Jane Klebia, afirmou que o suspeito é vizinho das vítimas e que ele alegou estar arrependido do crime. Além de ser autuado por dois estupros de vulneráveis, Gleison também foi enquadro pelos crimes de roubo e invasão de domicílio.

Via: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.