Política

Juíza condena Lula a 12 anos e 11 meses de prisão em ação sobre sítio de Atibaia

O petista foi sentenciado por supostamente receber R$ 1 milhão em propinas referentes às reformas do imóvel.
06/02/2019, 17h06

A juíza federal Gabriela Hardt condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na ação penal que envolve o sítio Santa Bárbara, em Atibaia. O petista foi sentenciado por supostamente receber R$ 1 milhão em propinas referentes às reformas do imóvel, que está em nome de Fernando Bittar, filho do amigo de Lula e ex-prefeito de Campinas, Jacó Bittar. Segundo a sentença, as obras foram custeadas pelas empreiteiras OAS, Odebrecht e Schahin.

A Lava Jato afirma que o sítio passou por três reformas: uma sob comando do pecuarista José Carlos Bumlai, no valor de R$ 150 mil, outra da Odebrecht, de R$ 700 mil e uma terceira reforma na cozinha, pela OAS, de R$ 170 mil, em um total de R$ 1,02 milhão.

Em interrogatório, Bumlai declarou não ter pago “nem um real” nas obras. O sítio de Atibaia está em nome do empresário Fernando Bittar, filho de Jacó Bittar, amigo de longa data do ex-presidente.

Em depoimento, Fernando Bittar negou que tenha pago a obra. “Eu não sei dizer se eles (Lula e Marisa) pagaram. Mas na minha cabeça…”

Apontado por delatores como o homem de confiança do ex-presidente que tocou a obra do sítio, o ex-segurança de Lula Rogério Aurélio Pimentel afirmou ter sido o “capataz” das reformas no imóvel e confirmou os pagamentos da Odebrecht.

Em alegações finais, a defesa do ex-assessor da Presidência da República afirmou que se ele “não sabia sequer as quantias que continham nos envelopes, tampouco possa se esperar que soubesse de eventual origem ilícita dos valores”.

Ação

O sítio Santa Bárbara é pivô da terceira ação penal da Lava Jato, no Paraná, contra o ex-presidente – além de sua segunda condenação. O petista ainda é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro por supostas propinas da Odebrecht – um terreno que abrigaria o Instituto Lula e um apartamento vizinho ao que morava o ex-presidente em São Bernardo do Campo. O processo também já teve a entrega de alegações finais e aguarda sentença.

Prisão

O ex-presidente já cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão no caso triplex, em “sala especial”, na sede da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba, desde 7 abril de 2018, por ordem do então juiz federal Sérgio Moro.

Lula foi sentenciado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro envolvendo suposta propina de R$ 2,2 milhões da OAS referente às reformas do imóvel.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

10 bares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia

O Setor Marista é um dos grandes responsáveis por agitar a vida noturna de Goiânia, contando com bares para todos os gostos e estilos.
06/02/2019, 18h14

Para quem está sempre em busca de algo diferente e detesta cair na rotina, o Setor Marista, em Goiânia, pode ser uma das melhores escolhas, principalmente para os adeptos da vida noturna. O setor é um dos grandes responsáveis por movimentar as noites goianienses, contando com bares e pubs que funcionam até altas horas.

No entanto, é sempre bom lembrar que o setor é um dos mais nobres da capital, portanto, os ambientes ali presentes costumam ter um custo mais alto que o convencional. No entanto, vale a pena a experiência! Com certeza você encontrará um lugarzinho que faz seu estilo, com boas músicas, comidas e bebidas! Dá uma olhada!

Melhores bares no Setor Marista, em Goiânia, para conhecer

1 – Velvet36 Rock’n Roll Bar

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia / bares
Foto: Reprodução

Localizado no Setor Marista, o Velvet36 não é apenas um dos melhores bares da cidade, mas também de Goiânia! Com um ambiente bastante diferente do que estamos acostumados a ver por aí, o local conta com as melhores cervejas artesanais vindas de diversos países, sem contar que o som da casa é recheado com o melhor do rock dos anos 60 e 70.

O cardápio é variado e conta com petiscos e porções para todos os gostos! Vale muito a pena conhecer!

Horário de atendimento: terça a domingo, das 17h30 às 23h30

Telefone: (62) 3941-8549

Endereço: R. 36, 378 – St. Marista, Goiânia – GO, 74150-240

2 – Rocket 07 Pub e Restaurante

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia / bares
Foto: Reprodução

E o Rocket 07 também não fica atrás! Considerado como um dos melhores bares do Setor Marista e de toda Goiânia, o ambiente é destinado para um público mais alternativo, que curte um ambiente descontraído.

No cardápio da casa é possível encontrar pratos fartos e petiscos para todos os gostos e fomes, sem contar as cervejas e os drinks, que são simplesmente deliciosos. Por ali ainda é possível encontrar showzinhos de rock ao vivo, eventualmente.

Horário de atendimento: segunda a quinta, das 17h30 à 1h / sexta, das 17h30 às 3h / sábado, das 11h30 às 3h / domingo, das 15h às 00h

Telefone: (62) 9 8117-5575

Endereço: Av. Portugal, 1010 – St. Marista, Goiânia – GO, 74150-030

3 – Saccaria

10 bares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia
Foto: Reprodução

O Saccaria é um dos lugares mais amados de Goiânia. Com uma unidade no Jardim Goiás e outra no Setor Marista, é um restaurante brasileiro mas também é bastante conhecido por seus deliciosos chopes.

Seu cardápio conta com pratos e bebidas diversas, representando também um excelente ambiente para toda a família e para um bom happy hour com os amigos!

Horário de atendimento: segunda a quinta, das 16h à 1h / sexta e sábado, das 11h às 2h / domingo, das 11h às 19h

Telefone: (62) 3945-4505

Endereço: Rua 139, Quadra 58, Lote 16, 194 – St. Marista, Goiânia – GO, 74170-150

4 – Rodeo Rock Bar

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia / bares
Foto: Reprodução

O Rodeo Rock Bar é uma das casas mais agitadas do Setor Marista, contando sempre com muita música para agitar o publico. Apenas para que você tenha ideia, o som por ali é diverso e vai desde o sertanejo até o tão querido rock.

O ambiente ainda conta com palco e pista, para que bandas e cantores solo possam se apresentar, enquanto o público pode aproveitar e curtir a pista de dança.

E é claro que a casa ainda conta com excelentes opções em seu cardápio, oferecendo petiscos e porções fartas, bem como aquela cervejinha gelada e os drinques que todo mundo ama!

Horário de atendimento: sexta e sábado, das 21h às 5h

Telefone: (62) 3954-0466

Endereço: R. 146, 488 – St. Marista, Goiânia – GO, 74170-090

5 – Bahrem Bar

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia / bares
Foto: Reprodução

Para quem procura pelos melhores bares no Setor Marista, em Goiânia, esta é sem dúvida uma excelente escolha! O Bahrem é um dos lugares mais frequentados da região por quem pretende beber com os amigos e ainda desfrutar dos melhores pratos.

Em um ambiente aconchegante e com decoração contemporânea, ainda é perfeito para ir com as crianças, já que elas podem brincar no espaço kids do ambiente. Clique aqui e confira o cardápio!

Telefone: (62) 3645-0136

Endereço: R. 144, 716 – St. Marista, Goiânia – GO, 74170-130

6 – Tabú Cervejas Especiais

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia / bares
Foto: Reprodução

O Tabú é um lugarzinho bem diferente e acolhedor na região, sendo um dos bares preferidos por quem é adepto da vida noturna do Marista. Caracterizado como um “búrguerbar”, é estilizado e ainda possui ambientes grafitados, dando ao local uma pegada de balada.

Por ali é sempre possível curtir muita música boa e ainda se esbaldar com deliciosos petiscos e cervejas seletas. Ideal para reunir os amigos!

Horário de atendimento: quarta e quinta, das 18h30 às 2h / sexta e sábado, das 18h30 às 3h / domingo, das 18h às 2h30

Telefone: (62) 99649-0494

Endereço: R. 140, 127 – St. Marista, Goiânia – GO, 74170-060

7 – Alabama Chopperia e Restaurante

10 bares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia
Foto: Reprodução

O Alabama é um boteco bastante descontraído que serve o melhor da comida brasileira seleta em porções, sem contar que ainda oferece para seus clientes espetinhos inesperados. Com ambiente acolhedor, sempre há showzinhos sertanejos por ali. Vale a pena conhecer!

Horário de atendimento: terça a sexta, das 18h às 3h / sábado, das 12h às 3h / domingo, das 12h às 00h

Telefone: (62) 3999-0222

Endereço: Alameda Dom Emanuel Gomes, 150 – St. Marista, Goiânia – GO, 74175-040

8 – Oklahoma Snooker Bar

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia
Foto: Reprodução

Este é um lugarzinho à parte no Setor Marista em Goiânia. Entre os bares da região, este é o único que oferece uma espécie de salão de jogos em seu ambiente, os clientes podem pedir seus pratos e cervejas preferidas, ainda aproveitando a noite toda para jogar sinuca.

É possível encontrar boa quantidade de mesas de bilhar, fazendo com que todos tenham a oportunidade de se divertir um pouco. Vale a pena conhecer!

Horário de atendimento: segunda a sábado, das 10h às 6h / domingo, das 17h às 6h

Telefone: (62) 3637-5888

Endereço: Av. 85, 2010 – St. Marista, Goiânia – GO, 74160-010

9 – Butchery BBQ & Drinks

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia / bares
Foto: Reprodução

Barzinho descontraído, com excelente variedade de cervejas e drinques, sem falar que os pratos da casa também são excepcionais, sempre preparados com ingredientes frescos e de alta qualidade.

Com um ambiente bem decorado, ainda é possível contar com música sertaneja ao vivo e apresentação de DJs de vez em quando.

Horário de atendimento: terça a sábado, das 18h às 3h / domingo, das 15h às 2h

Telefone: (62) 99802-3020

Endereço: R. 147, 649 – Qd. 55 Lt. 5 – St. Marista, Goiânia – GO, 74170-100

10 – Boteco Posto 15

lugares para conhecer no Setor Marista, em Goiânia / bares
Foto: Reprodução

O Boteco Posto 15 já está há quase 10 anos no mercado goianiense, sempre mantendo qualidade e seu cardápio, atendimento e, é claro, no chopp gelado! É um lugar perfeito para brindar com os amigos e dividir petiscos com a família, ouvindo um bom rock and roll em um ambiente bem agradável.

De domingo a sexta édia de happy hour, já no sábado, dia da feijoada da casa!

Horário de atendimento: segunda a quinta, das 17h à 1h / sexta a domingo, das 11h30 à 1h

Telefone: (62) 3931-0909

Endereço: R. 15, 1896 – St. Marista, Goiânia – GO, 74150-150

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Suspeito oferecia desconto no combustível e usava aplicativo da empresa para cometer o crime, em Goiânia

O golpe deu um prejuízo de R$ 10 mil reais ao posto de gasolina.
06/02/2019, 19h08

Um homem foi preso em flagrante nesta quarta-feira (6/2) por policiais civis da 9ª Delegacia de Polícia (9ª DP) de Goiânia por estelionato. O indivíduo identificado como Dioni Alves Leonel, prometia a taxistas e motoristas de aplicativos de transporte veicular, desconto de 30% para abastecer o veículo no posto indicado por ele. Para cometer os crime, o suspeito usava uma aplicativo da empresa feito para clientes, mas a conta ia para terceiros.

Portal Dia Online conversou com o delegado Washington da Conceição responsável pela prisão do suspeito. “Ele oferecia a taxistas e motoristas de aplicativos, um desconto para abastecer no posto, e pagava por meio de um aplicativo no celular”, conta o delegado.

Suspeito efetuava o pagamento no cartão de terceiros através de aplicativo da empresa

O aplicativo foi criado pela empresa, para que os consumidores pudesse abastecer nas unidades da marca e ter o desconto. Conforme o delegado, Dioni usava o aplicativo, oferecia o desconto e outras vantagens para os motoristas que abastecessem no posto.

Suspeito oferecia desconto no combustível e usava aplicativo da empresa para cometer o crime, em Goiânia
Foto: Divulgação

“Os taxistas e motoristas iam lá e abasteciam, tinham o desconto de 30% e o Dioni ia lá e pagava a conta com aplicativo. Até ai ele fazia tudo certinho, no entanto o pagamento era feito no cartão de crédito de terceiros”, explica o delegado.

Segundo o delegado, em uma oportunidade Dioni chegou a levar 15 carros para abastecer no posto. Nessa ocasião, a gerente da unidade e um operador desconfiaram da atitude e acionaram a polícia.

Os policiais por sua vez montaram guarda no posto e efetuaram a prisão em flagrante do suspeito. “Nesse posto por exemplo o prejuízo calculado até o momento é equivalente a R$10 mil reais”, explica o delegado. O celular do suspeito foi apreendido e com ele os policiais encontraram dinheiro e recibos do pagamento do combustível.

Conforme o delegado, durante a prisão do suspeito, um frentista e um motorista foram ouvidos sobre o caso. A prisão de Dioni que foi em flagrante pelo crime de estelionato, foi convertida em prisão preventiva pelo poder judiciário. Além de ser  indiciado por estelionato, Dioni pode ser indiciado também pro crime organizado, segundo o delegado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Barragem tinha margem de segurança muito baixa em caso de liquefação

O relatório também aponta problemas nos sistemas de drenagem da barragem que podem ter levado a algum tipo de infiltração.
06/02/2019, 19h34

O relatório da consultoria alemã Tüv Süd, que atestou a estabilidade da barragem que se rompeu em Brumadinho (MG), revela que a estrutura trabalhava com uma margem de segurança muito baixa para a hipótese da liquefação dos rejeitos – fenômeno apontado como a provável causa do colapso. Além disso, o relatório chama a atenção para a presença de um pedregulho de extensão indeterminada no pé da barragem, cujo eventual deslocamento poderia servir de gatilho para a liquefação.

Os rejeitos de uma barragem de minérios são compostos, basicamente, de ferro em partículas muito finas, areia e água. Essa combinação é propensa ao fenômeno da liquefação. Ou seja, quando o volume e a pressão da água aumentam por algum motivo, o solo tende a se liquefazer. Fatores externos, como tremores de terra, também podem servir de gatilho para a liquefação.

No entanto, a margem de segurança da barragem do Córrego do Feijão para a hipótese da liquefação era bem baixa, segundo o relatório. Ela foi estimada em três pontos diferentes em 1,2; 1,18 e 1,09. As normas vigentes para o setor preconizam uma margem de segurança mínima de 1,50 (ou de 50%).

O relatório entende, no entanto, que a barragem atende a norma na condição drenada (ou seja, em condições ideais, quando não há infiltração de água), registrando fatores de segurança de 1,93; 1,76 e 1,60. A norma NBR-13028, de fato, não preconiza um fator de segurança mínimo para o modo de falha liquefação (quando há infiltração de água), mas apenas em condições ideais.

“As obras de engenharia em geral deixam uma margem de segurança extra, em geral de 1,50 ou 50% a mais de resistência”, explicou o professor Mario Riccio, da Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora. “Algumas obras admitem fatores de segurança um pouco menores, dependendo da situação, quando não há riscos de vidas humanas, por exemplo.”

No entanto, o próprio relatório explica que “as análises de estabilidade sob condições não-drenadas (com água) têm o intuito de avaliar o potencial de ruptura da barragem por liquefação”. Além disso, o relatório também aponta problemas nos sistemas de drenagem da barragem que podem ter levado a algum tipo de infiltração.

“Para que o fenômeno da liquefação ocorra, além da presença dos materiais suscetíveis, há também a necessidade de ocorrência de um gatilho”, ressalta o relatório. Os gatilhos, segundo o documento, podem estar associados a eventos estáticos ou dinâmicos, como o alteamento rápido da barragem, a elevação do nível do reservatório, excesso de equipamentos, detonações, remoção de materiais, movimentação da fundação da barragem, entre outros.

O próprio relatório chama a atenção para um potencial gatilho: “Já no pé da barragem, deve-se atentar ao grande bloco abaixo da estrada. Para determinar com precisão sua extensão, recomenda-se a limpeza da área e a realização do mapeamento geológico de superfície. Esta última deve ser complementada por investigação geofísica para determinação das dimensões não expostas”. E recomenda: “Uma vez realizadas tais investigações, a estabilidade do bloco e seu potencial de comprometimento da estrutura devem ser avaliados. Especialmente, deve-se atentar à possibilidade de que as movimentações deste bloco constituam gatilhos para a liquefação”.

O relatório, de agosto do ano passado, tinha validade de um ano. O documento foi assinado pelo engenheiro Makoto Namba e o consultor em geotécnica André Jum, que chegaram a ser presos, mas foram soltos ontem. O documento, de 265 páginas, foi elaborado com base em informações fornecidas pela Vale, análises técnicas e vistorias de campo.

A Vale informou que a barragem “possuía fator de segurança de acordo com as boas práticas mundiais e acima da referência da norma brasileira”. A mineradora disse ainda que “a barragem passava por inspeções de campo quinzenais, todas reportadas à Agência Nacional de Mineração. Todas essas inspeções não detectaram nenhuma alteração no estado de conservação da estrutura.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Barragens em Goiás não tem normas estabelecidas e nem fiscalização

"No Estado nós temos atualmente 230 barragens licenciadas, outras 1300 outorgadas, mas sem nenhuma fiscalização", conta a secretária.
06/02/2019, 20h31

Durante uma reunião pública na tarde desta quarta-feira (6/2) na sede da Secretaria do Meio Ambiente de Goiás (Secima) a secretária Andréa Vulcanis, apresentou o plano de ação para evitar tragédias como as de Marina e Brumadinho, em Minas Gerais. Além de apresentar o plano de ação, a titular da pasta afirmou que não existe nenhuma norma estabelecida para as barragens que o governo do Estado gerencia.

Entre as propostas do Plano de Ação para o Controle de Barragens (PACSB) estão o cadastramento de todas as barragens de Goiás, a classificação de cada uma delas, o dano que elas podem causar em caso de rompimento, documentações em dias, inspeções e vistorias, além de planos de emergências e outros critérios para que as barragens no Estado possam ser regularizadas.

Conforme a secretária, as barragens que estão sob a gestão do Estado, não tem possuí nenhuma norma para fiscalização delas. “Isso mostra que não há controle ou fiscalização. Por isso, esse plano é importantíssimo para o controle e fiscalização das barragens”, explicou Vulcanis.

Entre outras ações, Andréa Vulcanis informou sobre a importância dos processos de licenciamento ambiental para as mineradora em atividade, que tem barragens de rejeito. “Nós precisamos observar como as atividades estão sendo feitas por eles. Pois, o objetivo é melhorar o controle e fiscalização não apenas dos barramentos, mas também do licenciamento ambiental e da instalação das barragens”, informa a secretária.

Cadastro das Barragens no PACSB

A titular da Secima, afirmou que até a próxima sexta-feira (8/2) vão ser elaboradas normas de discussão com as entidades e empresas envolvidas para o cadastro de todas as barragens do Estado, no PACSB, e possa entrar em vigência o mais rápido possível.

“Não existe até o momento nenhuma estrutura dentro da secretaria para fazer o controle efetivo e oficializar as barragens no Estado, que serão classificadas conforme o grau de risco e pelo potencial de dando”, reforça Andréa Vulcanis.

Conforme a secretária, a Secima é órgão com competência para emitir o licenciamento ambiental para construção das barragens e outras atividades como irrigação, saneamento e mineração. Além de ser responsável por fazer o licenciamento, a Secima também é quem tem o poder de fiscalizar a segurança dos barramentos e da população próxima a elas. “No Estado nós temos atualmente 230 barragens licenciadas, outras 1300 outorgadas, mas sem nenhuma fiscalização”, conta a secretária.

Andréa Vulcanis afirmou ao fim da reunião acreditar que até o fim de 2019, todas as barragens do Estado estejam contabilizadas. A titular da Secima encerrou a reunião ao afirmar que precisa da ajuda de todos os envolvidos e que ações individualizadas e sem controle enfraquecem o propósito. Para isso, além do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO), a Defesa Civil, a Polícia Militar Ambiental, CREA, Agência Nacional de Mineração e o Instituto Mauro Borges assinaram um Termo de Cooperação Técnica a parte do Plano.

Além de apresentar o PACSB, a Secima pede também que outras contribuições sejam remetidas a entidade para promover a segurança das barragens em Goiás. A secretária vai receber as contribuições por meio do WhatsApp (62) 982686992 ou pelo e-mail pacsb@secima.go.gov.br.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.