Goiás

Justiça determina suspensão das atividade do cinema Lumière no Shopping Bouganville, em Goiânia

Juiz deu prazo de 30 dias para que as adequações sejam feitas nas salas do cinema.
13/02/2019, 19h49

Uma decisão do juiz William Costa Mello da 30ª Vara Cível de Goiânia, determinou nesta quarta-feira (13/2) que o cinema Lumière, do Shopping Bouganville suspenda imediatamente suas atividades, por problemas estruturais, que colocam em risco a segurança dos clientes do cinema.

Conforme a publicação de um Jornal local, o Shopping afirmou que fez um acordo de locação com período de 10 anos ao cinema Lumière, em julho de 2005.  No dia 8 de dezembro de 2016 o acordo entre o cinema e o Bouganville foi renovado com o término marcado para o dia 31 de dezembro de 2026.

O novo contrato foi assinado entre as partes, com a promessa de que a rede de cinema faria as reformas e investiria na revitalização da estrutura física das salas de cinema no shopping, o que não ocorreu.

Shopping Bouganville entrou com ação de despejo contra cinema

A suspensão das atividades determinadas pelo magistrados, foram durante a análise de uma ação do Bouganville movida contra o cinema Lumière que pedia o despejo da empresa do centro comercial.

Ao analisar o ação movida pelo shopping de despejo, o magistrado postergou essa análise, e lembrou que as instalações das salas de cinema no Bouganville estão em condições precárias podendo colocar em risco a vida e integridade física das pessoas que utilizam o cinema.

Além da suspensão imediata das atividades do cinema Lumière no Shopping Bouganville, até que o mesmo tenha os laudos técnicos do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO) que comprove que não há risco na segurança dos frequentadores, o magistrado estabeleceu o prazo de 30 dias para as adequações e multa de R$ 10 mil diária em caso do descumprimento da medida.

Com a decisão proferida pelo magistrado para suspensão das atividades imediatas do cinema Lumière, a administração do cinema se pronunciou por meio de nota e afirmou que os problemas nas salas de cinema foram causadas pela administração do Shopping Bouganville. Na nota, o cinema Lumière afirmou que vai tomar todas as medidas necessárias judiciais e extrajudiciais e acatar a suspensão do magistrado pelo respeito e compromisso com os clientes.

Confira a nota 

Justiça determina suspensão das atividade do cinema Lumière no Shopping Bouganville, em Goiânia
Foto: Reprodução

“A Empresa de Cinemas Majestic – Cinema Lumière, vem esclarecer, a respeito de notícias veiculadas na imprensa e em redes sociais de interdição do cinema, o seguinte:

Sempre zelou pela segurança e conforto de suas instalações, observando rigidamente as normas técnicas, de modo a afastar qualquer risco aos seus clientes e colaboradores; Os problemas hoje verificados nas salas de cinema foram causados, única e exclusivamente, pela administração do Shopping Bouganville, que, ao iniciar as obras no telhado do empreendimento, de forma imprudente e irresponsável, danificou a estrutura das salas de cinema, causando o seu fechamento parcial.

Que o Cine Lumière desde o ano passado vem insistindo junto à administração do Shopping para correção dos inúmeros problemas pore la causados, sem que qualquer solução fosse dada até o momento.

Que, embora ainda não notificado ou intimado da decisão, o Cine Lumière adotará as providências que lhe competem, judiciais ou extrajudiciais, inclusive, em respeito à decisão judicial, irá proceder com a paralisação das atividades, prezando sempre pelo respeito e compromisso com nossos clientes.”

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Suspeito de matar e roubar idoso é preso pela polícia no interior de Goiás

Ivanildo saiu de casa para cuidar do gado em uma chácara quando foi assassinado a pauladas.
13/02/2019, 20h26

O suspeito de matar a pauladas e roubar o celular e a caminhonete do idoso, Ivanildo Luiz da Cruz, de 68 anos, no Jardim Fonte Nova, em Goiânia, no dia 4 de deste mês, foi preso na tarde desta quarta-feira (13/2) por polícias civis do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GARRA/DEIC).

O suspeito foi identificado como Jackson Rodrigues de Andrade e foi encontrado em uma fazenda na cidade de Diorama, em Goiás. Conforme da polícia, Jackson ele confessou ser o autor do crime.

A polícia aprendeu com Jackson o aparelho celular da vítima. Outros detalhes e a apresentação do preso vão ser divulgados durante uma coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira (14/2) na sede da DEIC, no complexo de delegacias na cidade Jardim em Goiânia.

Idoso saiu para cuidar dos animais e foi vítima de latrocínio

Ivanildo saiu na segunda-feira (4/2) com sua caminhonete para ir até uma chácara próxima cuidar de alguns animais que ele mantinha, e não deu mais notícias à família. O corpo do idoso foi encontrado em uma mata um dia depois de seu desaparecimento, no Jardim Fonte Nova, em Goiânia. Conforme as informações divulgadas pela polícia, no dia do crime, Ivanildo foi perseguido e morto a pauladas pelo suspeito.

Em entrevista ao Dia Online, a filha do idoso afirmou que ele era aposentado e aproveitava o tempo livre para cuidar dos animais, no entanto no dia que ele não voltou mais para casa, eles estranharam a demora e começaram a procurá-lo e a pedir ajuda através das redes sociais.

Durante as investigações a polícia levantou que o principal seria Jackson, um ex-funcionário da chácara onde Ivanildo cuidava dos animais, e que trabalhou por quatro meses no local. A filha de Ivanildo afirmou que o pai contou que Jackson o teria procurado dias antes atrás de dinheiro, cerca de R$ 70 para fugir da cidade.

Conforme os levantamentos da polícia o idoso foi perseguido e morto a pauladas pelo suspeito, após o crime o autor do homicídio levou o celular e a caminhonete da vítima, o que configura o crime de latrocínio – roubo seguido de morte.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Técnicos da Aneel vistoriam serviço prestado pela Enel em Goiás 

Solicitação foi feita pelo governador Ronaldo Caiado (DEM).
14/02/2019, 07h52

Técnicos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estarão em Goiânia, nesta quinta-feira (14/2), para avaliar o serviço prestado pela Enel Distribuição Goiás, antiga Central de Energia Elétrica do Estado de Goiás (CELG D). A solicitação foi feita pelo governador Ronaldo Caiado (DEM), após denúncia de ‘apagão’. Em reunião com representantes, Caiado afirmou que o “Estado está com desenvolvimento comprometido por falta de investimentos no setor enérgico.”

Para o governador, o setor de energia em Goiás passa por uma situação calamitosa depois da privatização. “A Enel levou o Estado de Goiás a um total apagão. Não estão atendendo a demanda da parte urbana, rural e industrial. Quem quer seja está diariamente penalizado pela péssima qualidade na distribuição da energia, bem como pela falta dela”, declarou.

Ainda de acordo com Caiado, a precária situação no setor de energia elétrica tem comprometido o crescimento econômico do Estado, uma vez que a transferência da Celg para Enel resultou em endividamento para os goianos. “Hoje, mais de um quarto da dívida de Goiás é provocada pela transferência da Celg, já que as dívidas da antiga estatal, de cerca de R$ 5,6 bilhões, foram transferidas para Goiás”, afirmou.

Perdas e protesto contra a Enel Goiás

Durante reunião com o presidente do BNDES, Joaquim Levy, representantes dos ministérios da Economia, Minas e Energia, e com a secretária da Economia, Cristiane Schmidt, o governador ressaltou ainda que algumas cidades goianas estão há três dias sem fornecimento de energia.

“Tem produtor de leite perdendo o produto; mercearias no interior que não têm condições de comprar um gerador e perdem todas as mercadorias; medicamentos que precisam de refrigeração, como a de vacinas, tudo isso perdendo”, destacou Caiado.

Nesta sexta-feira (15/2), às 10h, produtores rurais irão se reunir para um protesto pacífico em frente a sede da Enel, em Iporá. A iniciativa é do Sindicato Rural de Iporá, Diorama e Israelândia, cidades do interior de Goiás. De acordo com Adailton Leite, presidente do Sindicato Rural, a manifestação ocorre devido ao descontentamento com os serviços prestados pela companhia, principalmente com os prejuízos na produção de leite e com sistema de resfriamento.

Imagens: DOL 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Produtores distribuem 10 mil litros de leite em protesto contra Enel, em Iporá

Eles cobram melhorias na prestação do fornecimento de energia nas regiões rurais de Goiás.
14/02/2019, 08h44

Produtores de leite distribuirão aos moradores 10 mil litros do alimento durante um protesto por melhorias na prestação de serviço por parte da Enel Distribuição Goiás. A manifestação está marcada para esta sexta-feira (15/2), em frente ao escritório da companhia, em Iporá, região Central de Goiás.

A iniciativa é do Sindicato Rural do Oeste goiano. De acordo com Adailton Leite, presidente do sindicato, a manifestação ocorre devido ao descontentamento com os serviços prestados pela Enel, principalmente com os prejuízos na produção de leite e com sistema de resfriamento.

Segundo o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), José Mário Schreiner, os relatos de quem mora no interior, seja no campo ou cidade, são graves. “Em todo o Estado, produtores de leite e de frango estão perdendo suas produções. Pequenos comerciantes estão com seus produtos estragando, famílias tendo prejuízos”, afirma.

A manifestação dos produtores rurais de cidades de Iporá será às 10h desta sexta-feira (15/2), em frente ao escritório da Enel, localizado na Av. Rio Claro, Quadra 27, Lote 575, no Centro da cidade.

Aneel vistoria serviços da Enel Goiás

Técnicos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estarão em Goiânia, nesta quarta-feira (14/2), para avaliar o serviço prestado pela Enel Distribuição Goiás, antiga Central de Energia Elétrica do Estado de Goiás (CELG D). A solicitação foi feita pelo governador Ronaldo Caiado (DEM), após denúncia de ‘apagão’. Em reunião com representantes, Caiado afirmou que o “Estado está com desenvolvimento comprometido por falta de investimentos no setor enérgico.”

Para o governador, o setor de energia em Goiás passa por uma situação calamitosa depois da privatização. “A Enel levou o Estado de Goiás a um total apagão. Não estão atendendo a demanda da parte urbana, rural e industrial. Quem quer seja está diariamente penalizado pela péssima qualidade na distribuição da energia, bem como pela falta dela”, declarou.

Caiado também destacou os problemas enfrentados pelos produtores rurais do estado. “Tem produtor de leite perdendo o produto; mercearias no interior que não têm condições de comprar um gerador e perdem todas as mercadorias; medicamentos que precisam de refrigeração, como a de vacinas, tudo isso perdendo.”

Em nota enviada ao Portal Dia Online a Enel afirmou que investiu R$ 124 milhões na região de Iporá para garantir a qualidade e confiabilidade do fornecimento de energia elétrica na região. Conforme a nota, a empresa reforçou que está fazendo frequentes manutenções na rede elétrica da cidade.

Confira a nota da Enel

“A Enel Distribuição Goiás informa que já investiu cerca de R$ 124 milhões, na região de Iporá, para garantir a qualidade e a confiabilidade do fornecimento de energia elétrica. O volume de recursos, focado na infraestrutura e modernização da rede elétrica, inclui os investimentos feitos desde que a Enel assumiu o controle da distribuidora, em fevereiro de 2017. A empresa reforça que está realizando frequentes manutenções na rede elétrica da região, como podas preventivas de árvores e inspeções aéreas e termográficas nas redes de média e baixa tensão. Além disso, a companhia vem acelerando as novas conexões rurais e as ações para a automação da rede, por exemplo, com a instalação de religadores automáticos, equipamentos que permitem a identificação e a correção de falhas na rede de distribuição à distância, otimizando o tempo do serviço em casos de quedas de energia, reduzindo os impactos sentidos pelos clientes. A Enel acrescenta, ainda, que desde outubro do ano passado, tem reforçado o número de equipes de atendimento emergencial para atender o aumento de demandas do período chuvoso que se estende até abril.

A Enel Distribuição Goiás informa que desde que assumiu o controle da distribuidora de energia de Goiás, em fevereiro de 2017, tem investido cerca de R$ 800 milhões ao ano, volume de recursos que representa bem mais que o dobro dos R$ 300 milhões anuais que a antiga CELG D investiu em 2015 e 2016, antes da privatização. Os investimentos, divulgados anualmente nas demonstrações financeiras da companhia, têm como foco a automação da rede de distribuição, além de iniciativas para ampliar a capacidade da rede de distribuição e acelerar a conexão de novos clientes. Os índices de qualidade, por sua vez, já apresentam melhoria, tendo a duração média das interrupções do fornecimento de energia (DEC) reduzido em cerca de 6 horas em dezembro de 2018 em relação a dezembro de 2017 – a melhor duração desde dezembro de 2011.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Fiscal de empresa contratada da Enel é preso por fraude e furto de energia elétrica, em Goiás

A Operação Energia Negativa cumpriu, até agora, quatro mandados de prisão contra suspeitos de fraude e furto de energia elétrica. Um deles é fiscal ligado à Enel.

Por Ton Paulo
14/02/2019, 08h49

A Polícia Civil, através da  Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor do Estado de Goiás (Decon), deflagrou na manhã desta quinta-feira (14/2) uma operação que tem como objetivo desarticular uma quadrilha especializada em vários tipos de fraudes cometidas para furto de energia elétrica. Entre os presos na operação está um funcionário terceirizado da Enel que atuava justamente no setor de fiscalização.

Conforme informações do delegado adjunto da Decon e responsável pela operação, Rodrigo Godinho, a Operação Energia Negativa cumpriu, até agora, quatro mandados de prisão. Mandados de busca e apreensão, de quantidade ainda não informada, estão sendo cumpridos em residências e estabelecimentos comerciais.

O delegado Rodrigo Godinho conta que os suspeitos trabalhavam em conjunto no esquema que roubava energia elétrica em Goiás. Segundo Godinho, Paulo Ricardo Alves Pinheiro Duarte, um dos presos, é funcionário de uma empresa terceirizada da Enel Distribuição, empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica em Goiás, e atuava no setor de fiscalizações.

Os outros três presos, Murillo Marques de Moraes Barra, Fabiano Pereira da Costa e Gustavo Furtado Paiva, são eletricistas que realizavam as fraudes em equipamentos específicos para furtar energia elétrica.

Investigações da Operação para apurar roubo de energia elétrica em Goiás vinha desde agosto do ano passado

Ainda segundo o delegado responsável pelo caso, as investigações para apurar o esquema de fraudes e roubo de energia elétrica vinham desde agosto do ano passado. Godinho conta que a investigação ainda está em curso para apurar a extensão do esquema, que pode abarcar além da grande Goiânia, várias cidades do interior.

A operação conta com o apoio da Polícia Técnico-Científica.

Detalhes do caso serão apresentados em coletiva de imprensa na manhã de hoje, na Decon, com os delegados Rodrigo Godinho e Gylson Ferreira, titular da delegacia.

A reportagem do Dia Online entrou em contato com a Enel para obter um posicionamento a respeito do caso e da prisão do funcionário ligado à empresa, e aguarda um retorno.

Procon Goiás recebeu 80 reclamações por cobrança indevida da Enel nos primeiros 21 dias do ano

De acordo com dados divulgados pelo Procon Goiás na última semana, somente nos primeiros 21 dias de 2019, o órgão recebeu 184 reclamações contra a Enel Distribuição. Desse número, um total de 80 pesam contra a empresa por cobranças indevidas ao consumidor.

Entre os dias 16 a 18 de janeiro deste ano, fiscais do Procon Goiás estiveram em diversos estabelecimentos comerciais e residências da capital.  Foi constatada a má prestação do serviço nos setores Cidade Jardim, Estrela Dalva e Parque Eldorado Oeste. Sendo que, neste último os usuários narraram que ficaram sem energia por aproximadamente quatro dias.

À época, por meio de nota, a Enel Distribuição Goiás minimizou as ocorrências de cobranças indevidas e disse que esses casos correspondem “a menos de 1% dos atendimentos”.

Enel se manifestou sobre operação da Polícia Civil

Por meio de nota, a Enel Distribuição se posicionou e informou que atuou juntamente com a Decon na operação que prendeu um funcionário terceirizado da empresa.

Disse também que a empresa “adota rigorosos padrões éticos em suas operações e reprova qualquer tipo de desvio de conduta”. Veja a nota na íntegra a seguir:

“A Enel Distribuição Goiás informa que atuou em parceria com a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor do Estado de Goiás (Decon) na operação que levou à prisão de 4 pessoas, entre os quais um funcionário terceirizado da empresa.

A distribuidora ressalta que adota rigorosos padrões éticos em suas operações e reprova qualquer tipo de desvio de conduta. A ação teve início a partir de denúncias nos canais de atendimento da Enel, que mantém controles de segurança para garantir a transparência de todos os seus processos. Em caso de desvios de conduta, a empresa monitora e trabalha em parceria com a polícia para identificar os autores.

A companhia reforça, ainda, que além de ser crime, o furto de energia afeta diretamente a qualidade do serviço prestado pela empresa, coloca em risco a segurança das pessoas e impacta na tarifa de energia.

A Enel Distribuição Goiás orienta que os clientes procurem a empresa caso seja necessário solicitar serviços ou em caso de dúvidas pelos seguintes canais de atendimento: agência virtual no site da distribuidora (www.enel.com.br), pela Central de Atendimento (0800-62-0196), ou pelos perfis nas redes sociais Facebook (www.facebook.com/EnelClientesBR) e Twitter (@EnelClientesBR).”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.