Goiás

Manutenção deixa mais de 190 bairros de Goiânia e Aparecida sem água no domingo

Veja lista de bairros afetados e programe-se!
14/02/2019, 11h18

Uma manutenção na adutora de água tratada do Sistema João Leite, no Setor Negrão de Lima, deixará 196 bairros de Goiânia e Aparecida de Goiânia, Região Metropolitana da capital, sem água no próximo domingo (17/2). O serviço terá início na madrugada de sábado para domingo e deve ser concluído por volta das 12h. O abastecimento de água ocorrerá ao longo da noite de domingo.

A Saneago pede a compreensão da população e o consumo moderado das reservas domiciliares de água tratada durante o período de manutenção, para que não haja desabastecimento. De acordo com a companhia, os imóveis que possuem caixas d’água bem dimensionadas não sofrerão os impactos do serviço.

E atenção, durante o retorno do abastecimento, pode haver alterações na coloração da água. A empresa reforça que, em caso de alteração nas características da água ou dúvidas, os moradores podem entrar em contato com a companhia pelo número 0800 645 0115.

Confira abaixo os bairros de Goiânia e Aparecida de Goiânia, atendidos pelo Sistema João Leite, que serão afetados pelo desabastecimento de água:

Bairros que ficarão sem água em Goiânia

  • Alphaville Flamboyant
  • Bairro Água Branca
  • Bairro Alto da GlóriaBairro Feliz
  • Bairro Nova Suíça
  • Bairro Santo Antônio
  • Bairro Santo Hilário
  • Chácara Alto da Glória
  • Chácara Bela Vista
  • Chácara do Governador
  • Chácara Santa Bárbara
  • Chácaras Elisio Campos
  • Chácaras Botafogo
  • Colônia Santa Marta
  • Condomínio Girassóis Privê
  • Condomínio Housing Flamboyant
  • Condomínio Jardins Athenas
  • Condomínio Jardins Milão
  • Condomínio Jardins Munique
  • Condomínio Jardins Paris
  • Condomínio Jardins Valência
  • Condomínio Jardins Verona
  • Condomínio Vila Isabel
  • Condomínio Portal do Sol
  • Conjunto Anhanguera
  • Conjunto Aruanã I, II e III
  • Conjunto Caiçara
  • Conjunto Fabiana
  • Conjunto Residencial Palmares
  • Conjunto Riviera
  • Conjunto Vila Izabel
  • Fazenda Retiro
  • Jardim Abaporu
  • Jardim América
  • Jardim Aroeiras
  • Jardim Atlântico
  • Jardim Bela Vista
  • Jardim Brasil
  • Jardim Califórnia
  • Jardim Califórnia Industrial
  • Jardim Conquista
  • Jardim da Luz
  • Jardim Dom Fernando
  • Jardim Esmeralda
  • Jardim GoiásJardim Lageado
  • Jardim Maria Helena
  • Jardim Mariliza
  • Jardim Nova Suíça
  • Jardim Novo Mundo
  • Jardim Olímpico
  • Jardim Tupinambá dos Reis
  • Jardim Vitória
  • Loteamento Grande Retiro
  • Loteamento Areião I e II
  • Park Aruanã
  • Parque Acalanto
  • Parque Amazônia
  • Parque Amendoeiras
  • Parque Atheneu (PARCIAL)
  • Parque Flamboyant
  • Parque Industrial
  • Parque das Laranjeiras
  • Parque Louzandes
  • Parque Santa Cruz
  • Parque São JorgeRecreio
  • Praças Residenciais
  • Residencial Arco Verde
  • Residencial Aruanã
  • Residencial Belo Horizonte
  • Residencial Brisas do Cerrado
  • Residencial Cândido Queiroz
  • Residencial Clea Borges
  • Residencial Costa Paranhos
  • Residencial dos Ipês
  • Residencial Havaí
  • Residencial Lucy Pinheiro
  • Residencial Mar del Plata
  • Residencial Olinda
  • Residencial Parque Ateneu
  • Residencial Paulo Estrela Leste
  • Residencial Recanto dos Buritis Leste
  • Residencial Rio Jordão
  • Residencial São Leopoldo
  • Residencial Senador Paranhos
  • Residencial Sonho Dourado
  • Residencial Sonho Verde
  • Residencial Vale das Brisas
  • Residencial Vale do Araguaia
  • Residencial Ville de France
  • Setor Aeroporto
  • Setor dos Afonsos
  • Setor Bela Vista
  • Setor Bueno
  • Setor Central
  • Setor Coimbra
  • Setor Colemar Natal e Silva
  • Setor dos Funcionários
  • Setor Leste Universitário
  • Setor Leste Vila Nova
  • Setor Marista
  • Setor Minas Gerais (PARCIAL)
  • Setor Morais
  • Setor Oeste
  • Setor Pedro Ludovico
  • Setor Privê dos Girassóis
  • Setor Recanto das Minas Gerais (PARCIAL)
  • Setor Serrinha
  • Setor Sol Nascente
  • Setor Sul
  • Setor Universitário
  • Vila Aguiar
  • Vila Alto da Glória
  • Vila Americano do Brasil
  • Vila Bandeirantes
  • Vila Boa Sorte
  • Vila Bonanza
  • Vila Brasil
  • Vila Concórdia
  • Vila Coronel Cosme
  • Vila Legionárias
  • Vila Maria
  • Vila Maria José
  • Vila Maria Luíza
  • Vila Martins
  • Vila Martins – Extensão
  • Vila Matilde
  • Vila Moraes
  • Vila Nova
  • Vila Oswaldo Rosa
  • Vila Parque Santa Maria
  • Vila Pedroso
  • Vila Redenção
  • Vila Romana
  • Vila Santa Efigênia
  • Vila Santa Isabel
  • Vila Santa Maria
  • Vila São João
  • Vila Teófilo Neto
  • Vila Viana

Bairros que ficarão sem água em Aparecida de Goiânia

  • American Park
  • Bairro Nossa Senhora de Lourdes
  • Cândido de Queiroz
  • Chácara São Pedro
  • Cidade Satélite São Luiz
  • Conjunto Bela Morada
  • Conjunto Cruzeiro Do Sul
  • Conjunto Liberdade
  • Conjunto Residencial Brasília Sul
  • Conjunto Storil
  • Granjas Reunidas N.S.Loudes
  • Jardim Bela Vista
  • Jardim Bonanza
  • Jardim dos Buritis
  • Jardim dos Pomares
  • Jardim Esmeralda
  • Jardim Imperial
  • Jardim da Luz
  • Jardim Maria Inês
  • Jardim Mont Serrat
  • Jardim Nova Era
  • Jardim Olímpico
  • Jardim Palácio
  • Jardim Paraíso
  • Jardim Progresso
  • Jardim Santo Antônio
  • Jardim Transbrasiliana
  • Mansões Paraíso
  • Morada dos Pássaros
  • Papillon Park
  • Parque Flamboyant
  • Parque Floresta
  • Parque Primavera
  • Parque Real
  • Parque Santa Cecília
  • Parque São Jorge
  • Parque Trindade I, II e III
  • Parque Veiga Jardim I, II, III e IV
  • Recantos das Emboabas
  • Residencial Alvaluz
  • Residencial Santa Luzia
  • Setor dos Afonsos
  • Setor Industrial Santo Antônio
  • Setor Terra Prometida
  • Setor Tocantins
  • Sítios Santa Luzia
  • Vila Alzira
  • Vila Brasília
  • Vila Maria
  • Vila Mariana
  • Vila Oliveira
  • Vila Real
  • Vila Rosa
  • Vila Santa
  • Vila Santos Dumont
  • Vila São Joaquim
  • Vila São Tomás
  • Vila Sul
Imagens: Onda Livre 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Aneel limita dividendos da Enel Goiás por descumprimento de indicador de qualidade

Companhia atende 3 milhões de unidades consumidoras em 237 municípios do Estado.
14/02/2019, 11h53

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou em nota que decidiu restringir a distribuição de dividendos da Enel Goiás por descumprimento de indicadores de qualidade. Segundo a agência, a empresa compensou em mais de R$ 126 milhões os consumidores afetados no biênio 2017 e 2018.

A Enel Goiás atende 3 milhões de unidades consumidoras em 237 municípios do Estado e o serviço de distribuição de energia elétrica prestado pela empresa tem gerado reclamações. Além da Aneel, o assunto também está no radar do Ministério de Minas e Energia (MME).

Na quarta-feira a Pasta participou de reunião com o Ministério da Economia, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, para discutir a segurança e a qualidade do serviço entregue pela empresa.

A distribuidora goiana faz parte do grupo de concessões contempladas no Plano de Resultados da Aneel, que prevê ações para reversão das deficiências na qualidade do serviço, com foco nos critérios de continuidade do serviço, investimentos, atendimento comercial e satisfação do consumidor.

De acordo com a agência, o diretor Rodrigo Limp participou ontem de reunião no MME para avaliar a situação da distribuidora. Além disso, a Aneel realizará encontro em Brasília com a presidência do grupo Enel para discutir medidas emergenciais para melhoria da qualidade do serviço prestado.

Nesta quinta-feira, a situação do fornecimento de energia pela Enel Goiás também será tratada em audiência pública na Federação das Indústrias de Goiás, que contará com a participação da diretoria da Aneel.

Imagens: ABDIB 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Justiça determina interdição de GOs e intima Estado de Goiás a fazer reparos emergenciais

Segundo a decisão judicial, a Goinfra tem 24h para efetuar um diagnóstico das condições de tráfego no Km 207 da Rodovia GO-060, sob pena de multa.

Por Ton Paulo
14/02/2019, 12h20

A Justiça deferiu, na última quarta-feira (13/2), uma ação tutelada pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) para interditar parcialmente trechos das rodovias GO-060 e a GO-173 e obrigar a Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes, a Goinfra, a fazer reparos em regime de urgência nos trechos estabelecidos. Segundo a decisão do juiz do município de Israelândia, a pasta tem ainda 24h para efetuar um diagnóstico das condições de tráfego no Km 207 da Rodovia GO-060, sob pena de multa e manutenção da interdição de GOs.

A decisão veio do juiz Marcos Boechat, da Comarca de Israelândia, após ação do MP-GO. Nela, o magistrado determina a interdição parcial das rodovias GO-173, no trecho entre as cidades goianas de Israelândia e Jaupaci, e GO-060, no trecho entre a cidade de Iporá e o trevo para a cidade de Moiporá.

O magistrado alega na decisão, proferida ontem, quarta-feira, que é “fato notório a precária condição de trafegabilidade dos referidos trechos rodoviários, os quais apresentam inúmeros buracos, depressões, trincas, deformações e falta de sinalização adequada, como faixas centrais que delimitam o fluxo das vias e separam o acostamento do leito”. Boechat ainda diz que “a precariedade e degradação da pavimentação asfáltica colocam em sério risco a segurança dos usuários, que ainda estão expostos a graves acidentes de trânsito e prejuízos à integridade física e materiais por danos aos veículos”.

De acordo com o juiz, a péssima qualidade do asfalto somada a ausência de manutenção periódica e ao fluxo intenso de veículos pesados culminaram, no seu entendimento, na “caótica situação que se vê nos dias correntes”.

Efeitos da interdição das GOs e determinações para a Goinfra

Com a interdição parcial determinada pelo juiz dos trechos mencionados , fica proibido temporariamente o tráfego de veículos pesados, sendo permitido apenas o fluxo de motocicletas, carros de passeio, ônibus de transporte de passageiros e caminhões de até dois eixos, ficando proibido o trânsito de caminhões com mais de dois eixos, ainda que descarregados, com exceção daqueles que comprovarem o transporte de gêneros de primeira necessidade (alimentos, medicamentos, insumos hospitalares e combustíveis).

Entretanto, além da interdição, o juiz teceu as seguintes determinações para a Goinfra, que deve cumpri-las em regime de urgência. Os reparos emergenciais, segundo o magistrado, devem ser realizados no prazo de cinco dias. Enquanto os reparos definitivos devem ser feitos em, no máximo, 30 dias. O não cumprimento da decisão acarretará em multa individual no valor de R$ 100.000,00, acrescida de igual valor a cada período de 10 dias de atraso ou desobediência.

Confira abaixo as determinações que devem ser cumpridas pela Goinfra:

– Realização de diagnóstico emergencial das Rodovias GO-173 e GO-060 para indicar se há condições de tráfego, risco iminente de novo dano necessidade de interdição total ou outra medida, no prazo de 24h;

– Providência de medidas emergenciais para garantir a segurança de trafegabilidade no Km 207 da Rodovia GO-060, entre as cidades de Israelândia e Iporá, tais como desvios, se necessário, e sinalização adequada do local do dano, a fim de evitar acidentes;

– Providência, no prazo de cinco dias úteis, ações emergenciais e provisórias para a recuperação da Rodovia GO-060, no trecho do Km 207, entre as cidades de Israelândia e Iporá;

– Realização no prazo de 30 dias úteis, de serviços de reparos definitivos nos problemas identificadas ao longo das Rodovias GO-173 e GO-060, nos trechos, respectivamente, entre as cidades de Israelândia e Jaupaci, assim como entre Iporá e o trevo para a cidade de Moiporá

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Taxista chama presidente da Câmara Municipal de Goiânia de "urubu" e "macaco" durante sessão

A ofensa racista contra o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Romário Policarpo, teria partido de um taxista presente na galeria do plenário.

Por Ton Paulo
14/02/2019, 12h54

O presidente da Câmara Municipal de Goiânia, vereador Romário Policarpo (Pros), precisou suspender uma sessão que corria no plenário da Casa na manhã desta quinta-feira (14/2), que pautava a regulamentação dos transportes de aplicativo na capital, depois de ser vítima de racismo por parte de um visitante. Um taxista, presente na galeria, teria xingado o vereador de “urubu” e “macaco”.

De acordo com a assessoria do presidente da Casa, uma sessão que pautava a regulamentação dos transportes de aplicativo em Goiânia era realizada na manhã de hoje, por volta das 10h40, quando o caso aconteceu. Durante ânimos exaltados na galeria da Câmara, que estava lotada, um homem teria imitado um macaco e xingado Romário Policarpo de “urubu” e “macaco”.

A galeria estava lotada com motoristas de aplicativo (Uber e 99Pop) e taxistas. O autor das ofensas racistas foi identificado como sendo um taxista e, segundo o assessor do presidente da Câmara, imagens das câmeras do Plenário registraram o momento em que o crime foi cometido.

Ao ouvir a ofensa, Policarpo decidiu suspender a sessão por 15 minutos, encerrando-a definitivamente depois.

Imagens obtidas do taxista que cometeu racismo contra o presidente da Câmara Municipal de Goiânia ajudarão na punição

Conforme contou o assessor do presidente da Câmara de Goiânia, as imagens obtidas pelas câmeras, que flagraram o momento em que o taxista comete o ato, já foram coletadas e serão enviadas para o departamento jurídico da Câmara.

A um jornal local, Romário Policarpo afirmou que “racismo é crime, e que vai apurar o caso”. Ele também pediu ajuda da imprensa para identificar o taxista que cometeu a ofensa. “Que também nos ajude nessa apuração que eu irei punir criminalmente essa pessoa”, disse.

O vereador Romário Policarpo foi eleito presidente da Câmara Municipal de Goiânia no ano passado, no dia 4/12, com 24 votos, contra 11 de Paulinho Graus (PDT).

Policarpo é conhecido por sua defesa da Segurança Pública, em especial da classe da Guarda Civil Metropolitana (GCM.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Construção dos Credeqs de Caldas Novas, Morrinhos e Aparecida de Goiânia foram superfaturadas

No contrato de construção do Credeq de Aparecida de Goiânia, a auditoria encontrou um superfaturamento acima de R$ 3,7 milhões.
14/02/2019, 14h52

As obras para construção dos Centros de Referência e Excelência em Dependência Química (Credeq), nas cidades de Aparecida de Goiânia, Caldas Novas e Morrinhos, tiveram um superfaturamento de mais de dois milhões de reais em alguns itens ou serviços. A informação foi confirmada na última quarta-feira (13/2) após o Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO) divulgar os resultados da auditoria feita nos contratos de construção dos Credeqs.

Conforme as informações do TCE-GO, a construção dos três centros foi orçada em R$ 52.904,704,85. O relatório apresentado da auditoria pelo Conselheiro Saulo Mesquista teve a aprovação para converter o processo em Tomada de Contas Especial. Além de fazer a Tomada de Contas Especial dos contratos de construção dos Credeqs, o TCE vai responsabilizar os diretores da então Agência Goiana de Obras e Transporte (Agetop) e a empresa Sobrado Construções LTDA, responsável pela construção dos Centros.

Com os dados do relatório da auditoria apresentados, o TCE determinou que o Presidente da Agência Goiana de Infraestrutura (Goinfra), antiga Agetop, tome as medidas necessárias para diminuir os pagamentos feito pelo Estado, nos maiores valores levantados durante o estudo.

Preços praticados no contrato de construção dos Credeqs estão acima dos valores de mercado

Os números divulgados TCE mostraram que os preços contratados estão acima dos praticados no mercado, além de erros quantitativos na contratação dos serviços. De acordo com o tribunal, o levantamento mostra as falhas dos mecanismos de controle interno da Agetop.

No contrato de construção do Credeq de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital, a auditoria encontrou um superfaturamento acima de R$ 3,7 milhões. Em Caldas Novas o superfaturamento encontrado foi de R$ 1.135.573,90, em Morrinhos a situação é semelhante ao município das águas quentes, com um superfaturamento de R$ 1.717.426,51.

Com as justificativas apresentadas durante a divulgacão do relatório da auditoria nos centros, a Unidade Técnica do Tribunal determinou pela Tomada de Contas Especial para dano ao erário público e aplicação de sanções aos responsáveis.

O TCE estabeleceu o prazo de 30 dias para que o presidente da Goinfra apresente um laudo técnico devidamente registrado, para comprovar a justificativa apresentada em relação às irregularidades encontradas no Credeq de Aparecida de Goiânia, e redução dos valores superfaturados nas unidades de Caldas Novas e Morrinhos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.