Goiás

Adolescente é encontrada morta, em Águas Lindas

Segundo o delegado do caso, Ana Clara pode ter sido morta por asfixia ou por disparo de arma de fogo, mas apenas o laudo cadavérico vai poder confirmar as causa da morte da adolescente.
11/03/2019, 21h00

Uma adolescente, de 13 anos, identificada como Ana Clara Santana da Silva, foi encontrada morta em uma mata fechada, na manhã desta segunda-feira (11/3), em Águas Lindas, no Entorno do Distrito Federal (DF).

A Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) foi acionada por vizinho da região, devido ao mau cheiro no local e encontraram o corpo da menina. A PM afirmou que um irmãos de Ana Clara estiveram no local e reconheceram o corpo da adolescente. Conforme as informações da polícia, foi feito o isolamento da área até que o cadáver fosse retirado do local pelo Instituto Médico Legal de Águas Lindas.

O Portal Dia Online entrou em contato com o delegado do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Águas Lindas, Cleber Junio Martins, para confirmar a informação de que Ana Clara teria sido decapitada.

Adolescente saiu de casa na terça-feira de Carnaval

O delegado negou que a adolescente foi encontrada decapitada. “A vítima não foi decapitada, não foi encontrada nenhuma fratura nela, nem afundamento de crânio, nenhuma fratura em nenhum dos ossos”,  afirmou o delegado. Cleber Junio Martins afirmou que o corpo de Ana Clara foi encontrado em estado avançado de decomposição, inclusive na fase gasosa para esqueletização.

O delegado afirmou que pelo estado em que o corpo foi encontrado não possível determinar se a adolescente foi vítima de violência sexual. ” Foram colhidos materiais para análise para ver se tem algum vestígio de material biológico masculino nela para evidenciar algum estupro, mas no momento não há condições de falar que houve”, explica Cleber Junio Martins.

Cleber Junio Martins afirmou que trabalha com duas suspeitas para o assassinato da adolescente que saiu de casa pela última vez na terça-feira de Carnaval. “Suspeita a princípio é que ela tenha sido morta por asfixia ou por disparo de arma de fogo, em locais que não tenha atingido ossos, pois não houve nenhuma fratura em ossos. Então pode ter havido essas duas formas que será vista pelo laudo cadavérico”, afirma o delegado.

O caso é investigado pelo GIH de Águas Lindas que busca identificar o suspeito e a motivação para o assassinato da adolescente.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.