Goiás

Polícia de Goiás prende criminosos de alta periculosidade acusados de "novo cangaço", em São Paulo

O homens foram acusados de ações criminosas contra instituições financeiras, na modalidade "novo cangaço" e "sapatinho".

Por Ton Paulo
14/03/2019, 08h53

A Polícia Civil de Goiás (PC), através de ação do Grupo Antirroubo a Banco da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GAB/Deic), conseguiram localizar dois indivíduos de alta periculosidade na última quarta-feira (13/3), acusados de ações criminosas contra instituições financeiras, na modalidade “novo cangaço” e “sapatinho”. Polícias do Tocantins e São Paulo

De acordo com informações da PC, participaram da ação que prendeu os criminosos a Polícia Militar (PM) e Polícia Federal (PF) de Araguaína, no Tocantins. Com conjunto, os policiais conseguiram localizar os dois indivíduos considerados pelas autoridades como sendo de alta periculosidade. Eles foram encontrados em uma comunidade na cidade de Carapicuíba, em São Paulo.

Ainda conforme a PC, foram presos Eduardo Nonato da Silva, vulgo Dudu, e Fábio da Silva, ambos foragidos dos estados de Goiás, Tocantins e Pará, por ações criminosas contra instituições financeiras, na modalidade “novo cangaço” e “sapatinho”. Dudu, além de ser apontado como um dos ladrões de banco mais atuantes das regiões Centro-Oeste e Norte do país, foi responsável por uma tentativa de feminicídio contra sua ex-companheira, com vários disparos de arma de fogo, no último dia 8 de março desse ano (Dia Internacional da Mulher), em Anápolis, região metropolitana de Goiânia.

Foram cumpridos os quatro mandados de prisão em desfavor de Eduardo e os dois mandados de prisão em desfavor de Fábio, além da apreensão de arma de fogo, tipo pistola, semiautomática e RGs falsos dos investigados.

Polícia de Goiás vai apresentar o caso formalmente

A ação policial que prendeu Eduardo Nonato da Silva e Fábio da Silva em São Paulo, acusados de “novo cangaço”foi conduzida pelo delegado Samuel Moura, e, conforme a PC, será apresentada formalmente na manhã desta quinta-feira (14/3), na Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC).

A operação policial também contou com apoio da Polícia Civil de São Paulo e Polícia Militar de São Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.