Goiás

MPGO bloqueia bens do ex-secretário de saúde de Goiás

Antônio Faleiros Filho transferiu hospitais públicos para organizações sociais sem estudo prévio.
15/03/2019, 17h06

O ex-secretário de saúde de Goiás, Antônio Faleiros Filho, teve bloqueados R$ 935.488,60 pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), por danos causados aos cofre públicos, por irregularidades na gestão de hospitais por organizações sociais (Os). Conforme o MPGO, o secretário passou a gestão de algumas unidades públicas sem critério e um estudo prévio para a transferência.

O MPGO afirmou que além disso, o ex-secretário permitiu que uma grande quantidade de medicamentos essenciais fossem incinerados, sem o repasse à rede pública de saúde ou para as organizações, gerando um grande prejuízo ao cofres do Estado.

Na ação movida pela promotora de Justiça, Fabiana Zamalloa, destacou que a Lei Federal nº 9.637/98 e a Lei Estadual nº 15.503/2005 sobre as entidades como organizações sociais, Faleiros transferiu a gestão do Hospital Geral de Goiânia (HGG), do Hospital de Doenças Tropicais dr. Anuar Auad (HDT) e do Hospital Materno Infantil (HMI) para OS, com contratos de gestão, mas sem seguir as regras estabelecidas pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS) e sem consultar o Conselho Estadual de Saúde.

Conforme o MPGO, as transferências foram feitas com processos sem muita orientação aos usuários, com as organizações tendo uma estrutura organizacional pouco voltada para gestão de resultados e por excesso de etapas no trâmite processual. Além das irregularidades encontradas, a promotora levantou também a falta de qualificação profissional para atuar na gerência e administração das unidades de saúde.

O MPGO afirmou também que não foram feitos estudos sobre o custo dos serviços prestados nos hospitais, para mostrar o rumo a ser seguido para as contratações, com o critério do valor de gastos estabelecidos pelo Estado, em 2010.

Durante a gestão do ex-secretário medicamentos foram incinerados

Segundo o Ministério em 2013 as unidades hospitalares haviam sido transferidas para as organizações e uma grande quantidade de medicamentos foi incinerada, ou seja, queimada pois estava com o prazo de validade vencido.

A promotora na ação alegou que os medicamento estocados em 2011 não foram usados pelas unidades de saúde, pois o ex-secretário não tomou as providências necessárias para que as organizações sociais recebessem os remédios e o valor nos contratos fosse abatido, pela falta de negociações.

Diante da situação encontrada, a promotora mostrou uma grave falha na gestão de Faleiros, pela assinatura de contratos que não poderia ser feita sem um mapeamento da situação naquele momento, dos medicamentos e insumos estocados e um planejamento do tempo estimado para concluir o repasse e as providências para manter os hospitais funcionado até que a gestão fosse transferida para as organizações sociais.

A promotora afirmou que essas falhas causaram grandes prejuízos ao erário público, o que caracteriza ato de improbidade administrativa.

Via: MPGO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Bebê nasce dentro de viatura da Polícia Militar do Estado de Goiás

"Foi o prazo de colocar ela dentro da viatura e a bolsa estourou. Ali mesmo o Sargento Leandro fez o parto da criança e eu auxiliei", narra o soldado.
15/03/2019, 19h01

Um patrulhamento pelo Residencial Canadá, em Goiânia, na tarde desta sexta-feira (15/3) de uma equipe do 42º Batalhão da Polícia Militar do Estado de Goiás (BPM-GO), acabou com o nascimento de um bebê dentro da viatura no momento que os policiais encaminhavam a mãe da criança para o hospital.

A equipe era composta pelo Sargento Leandro e pelo Soldado Johnathan, que receberam uma ligação durante o patrulhamento, onde o pai da grávida afirmou que a filha estava com dores e solicitou o apoio dos policiais.

“Nós estávamos fazendo o patrulhamento pela aérea quando esse senhor ligou e pediu o apoio, pois sua filha estava sentido fortes dores, fomos até o local e colocamos a moça dentro da viatura”, conta o soldado.

Mãe da bebê entrou em trabalho de parto assim que entrou na viatura

Bebê nasce dentro de viatura da Polícia Militar do Estado de Goiás
FOTO: Divulgação

Conforme as informações da polícia, o local onde a família da criança mora é uma região de chácaras e de difícil acesso. O soldado que atendeu a ocorrência afirmou que não deu tempo nem mesmo de chegar ao hospital, pois assim que colocaram a mãe da bebê na viatura ela entrou em trabalho de parto.

“Foi o prazo de colocar ela dentro da viatura, ela começou a entrar em trabalho de parto e a bolsa estourou. Ali mesmo o Sargento Leandro fez o parto da criança e eu auxiliei”, narra o soldado.

Conforme as informações da polícia, a criança é uma menina e após o nascimento do bebê, os policiais encaminharam a mãe e a recém-nascida para o Hospital Materno Infantil (HMI) para receber os primeiros atendimentos.

“Foi uma ocorrência bem diferenciada, pois não é costume da corporação atender esse tipo de demanda, mas foi algo gratificante”, afirmou o sargento Leandro responsável pelo parto da menina.

Portal Dia Online entrou em contado com o HMI em busca de mais informações sobre as duas pacientes e foi informado que a mãe passou por uma sutura, pelo parto normal e que é um procedimento padrão e que a menina está bem.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Carrefour vai pagar R$ 1 milhão pela morte do 'Manchinha' em loja de Osasco

R$ 500 mil serão destinados exclusivamente à esterilização de cães e gatos.
15/03/2019, 19h27

O Carrefour vai pagar R$ 1 milhão por conta dos maus-tratos cometidos por um segurança que resultaram na morte do cachorro ‘Manchinha’, numa loja da rede, no final de novembro do ano passado, em Osasco, na Região Metropolitana de São Paulo.

A quantia foi estipulada em termo de compromisso firmado com o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e a prefeitura do município. Pelo acordo, divulgado nesta sexta-feira, 15, o supermercado assumiu a obrigação de depositar o dinheiro em um fundo a ser criado pela cidade.

Conforme o promotor de Justiça Gustavo Albano Dias da Silva, desse montante, R$ 500 mil serão destinados exclusivamente à esterilização de cães e gatos, R$ 350 mil para a compra de medicamentos para animais do Hospital Veterinário municipal ou que estejam no canil do município, e R$ 150 mil para aquisição e entrega de rações para associações, ONGs e demais entidades destinadas ao cuidado de animais na cidade de Osasco.

Segundo MP, caso o Carrefour descumpra o acordo, pagará multa de R$ 1 mil por dia de atraso. Já o município será alvo de investigação por ato de improbidade administrativa na hipótese de não atender ao que foi estabelecido no termo. A fiscalização quanto à utilização e destinação do dinheiro ficará a cargo da Promotoria de Justiça. A prefeitura de Osasco confirmou os termos do acordo e lembrou ter dado o nome do cachorro ‘Manchinha’ ao Hospital Veterinário.

O Carrefour informou que o acordo será remetido ao Conselho Superior do Ministério Público para homologação, mas já implementa um “extenso plano de ação em prol da causa animal, estruturado com apoio de diversas ONGs e entidades, com ações em curso na cidade de Osasco e no país”.

O ‘Manchinha’ morreu no dia 28 de novembro, após ser agredido com uma barra de metal por um segurança terceirizado do Carrefour de Osasco. O animal vivia no estacionamento da loja e era alimentado pelos frequentadores. Vídeos registrando a agressão circularam em redes sociais, gerando revolta e mobilizando os defensores da causa animal. O Carrefour passou a ser alvo de protestos. Denunciado à Justiça pelo crime de abuso e maus tratos aos animais, o segurança admitiu a agressão, mas negou a intenção de matar o animal. O processo ainda tramita na Justiça.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Pesquisa com empresas campeãs em reclamações é divulgada pelo Procon Goiás

Empresas como Ponto Frio, Caixa Econômica e Vivo estão no cadastro com o maior número de reclamações.
15/03/2019, 20h45

Em comemoração ao Dia Mundial do Consumidor, o Procon Goiás divulgou na tarde desta sexta-feira (15/3) uma lista com as empresas campeãs no número de reclamações, em Goiás, durante o ano de 2018.

O Cadastro Estadual de Reclamações Fundamentadas de 2018, levantou o número das empresas que tiveram o maior número de processos instaurados durante o ano passado, como base nos dados registrados em Goiás pelo Procon Goiás.

A lista-negra como foi caracterizada pelo órgão de defesa do consumidor, mostra as empresas que tiveram o maior número de reclamações, que foram classificadas como atendidas e não atendidas no ano passado, e que pode ou não ter tido acordo entre os consumidores e fornecedores, ao constatar a quebra de normas do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Cadastro foi divulgado com o ranking das 200 empresas com o maior número de processos instaurados

O índice de resolubidade, ou seja, das questões que foram resolvidas, o total de audiências feitas, o ranking das empresas com maior número de reclamações por área,  os assuntos e problemas mais reclamados, os fornecedores que menos atendem e os que mais atendem os consumidores e por fim o ranking com as 200 empresas com o maior número de processos instaurados compõe o Cadastro.

Como o cadastro separa por áreas, o ranking começa pelas instituições financeiras que registraram o maior número de reclamações no ano passado. A primeira colocada nesse quesito foi a Caixa Econômica Federal, segunda pelo Banco Pan e logo atrás o Banco do Brasil.

Dos assuntos financeiros, a lista passa para o quesito produtos com o Ponto Frio e as Casas Bahia liderando o ranking, em seguida a Samsung e a Motorola Mobility completam os três primeiros colocados.

Serviços essenciais como internet e telefonia móvel também estão na lista negra, nessa categoria as campeãs de reclamações do ano passado foram: Oi (fixo, móvel e TV), Claro (NET, móvel e Embratel) e Vivo (GVT – Telecom Brasil). O cadastro permite ao Procon Goiás servem para melhorar as relações de consumo e fazer com que os fornecedores trabalhem para melhorar a qualidade os produtos e serviços oferecidos.

Via: Procon Goiás 
Imagens: Procon Goiás 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Chuva em Goiânia não deve dar trégua no fim de semana

Segundo dados de institutos especializados, deve cair água sobre Goiânia ainda durante todo o fim de semana.

Por Ton Paulo
16/03/2019, 09h22

A chuva em Goiânia que caiu na última sexta-feira (15/3) pegou a todos de surpresa pelo volume e intensidade. Mas quem pensou que a chuva só se limitou a ontem, engana-se. Segundo dados de institutos especializados, deve cair água sobre Goiânia ainda durante todo o fim de semana.

Conforme os dados divulgados pelo Sistema de Meteorologia e Hidrologia de Goiás (Simehgo), as pancadas de chuva devem continuar por todo o fim de semana em Goiânia, com mínima de 20ºC e máxima de 32ºC.

Já o Instituto Nacional de Meteorologia, o Inmet, também traz um quadro parecido. De acordo com a previsão do instituto, a mínima deve ser de 20ºC e máxima de 32ºC, e hoje à tarde o tempo deve ficar nublado com pancadas de chuva e trovoadas isoladas. Já à noite, o Inmet alerta para tempo nublado com chuva isolada.

Ainda conforme o Inmet, a possibilidade de chuva para amanhã (17/3) é menor, mas ela ainda existe. Com mínima de 23ºC e máxima de 31ºC, o dia amanhã em Goiânia deve ficar encoberto com sol entre nuvens e chuvisco.

Instituto de meteorologia divulgou dados sobre o “pé d’água” de ontem

A Defesa Civil divulgou nesta manhã números do Simehgo, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação (Sedi), sobre o temporal que se abateu sobre Goiânia ontem, de acordo com cada região.

De acordo com o instituto, em algumas regiões, como região metropolitana, os ventos chegaram a 80 km/h. Confira abaixo:

Precipitações ocorridas no dia 15/03/2019:

Região Centro – Praça Cívica – Goiânia: 29,6mm – Rajadas de vento: 57,96 km/h

Região Noroeste – Aeródromo – Goiânia: 24,8mm – Rajadas de vento: 60,48 km/h

Região Leste – Autódromo- Goiânia: 0,0 mm – Rajadas de vento: 33,12 km/h

Região Norte – Goiânia 2- Goiânia: 8,2mm – Rajadas de vento: 47,88 km/h

Região Santa Genoveva – Goiânia: 1,8mm – Rajadas de vento: 41,04 km/h

Jardim Curitiba – Goiânia: 47,8mm

Parque Veiga Jardim – Aparecida de Goiânia: 30,0mm

Vera Cruz – Aparecida de Goiânia: 19,6mm

Residencial Solar Central Park – Aparecida de Goiânia: 12,4mm

Obs: A rajadas de ventos podem ter chegado a 80km/h.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.