Trânsito

Acidente na BR-153, em Porangatu, deixa caminhões destruídos mas sem feridos graves

Por incrível que pareça, devido ao estado amorfo que ficaram os caminhões após o acidente, nenhum dos dois motoristas sofreu ferimentos graves.

Por Ton Paulo
26/03/2019, 15h58

Um acidente envolvendo dois caminhões deixou um trecho da BR-153 em Porangatu, a 410 quilômetros de Goiânia, interditado durante quase todo o período da manhã de hoje (26/3), além de ter espalhado combustível por toda a pista. Por incrível que pareça, devido ao estado amorfo que ficaram os caminhões após o acidente, nenhum dos dois motoristas sofreu ferimentos graves.

De acordo com o Tenente André, do Corpo de Bombeiros, a corporação foi acionada por volta das 9h de hoje para atender a uma ocorrência de acidente com vítimas no Km 55 da BR-153, em Porangatu. Segundo ele, ao chegarem no local, os bombeiros constataram que um dos motoristas já havia sido levado por terceiros para o hospital. Testemunhas contaram à corporação que o motorista seguiu consciente para o hospital e até ajudando na locomoção.

Já o outro motorista, segundo o Tenente, nem sequer foi atendido e recusou ir para o hospital.

No local, as equipes do Corpo de Bombeiros realizaram a interdição da pista e a contenção do vazamento dos tanques de combustível dos caminhões, desligamento das baterias e limpeza de pista. A pista foi liberada no início da tarde.

Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), chovia muito no momento do acidente, o que pode ter contribuído. Entretanto, as causas específicas ainda são ignoradas.

Ao contrário do acidente na BR-153, em Porangatu, acidente na BR-060 terminou resultou em duas mortes

No início deste mês, um acidente envolvendo uma moto e um caminhão de carga no km 250 da BR-060 em Indiara, na tarde de quinta-feira (7/3) terminou com a morte de duas pessoas. O registro foi o primeiro após o feriado de Carnaval nas rodovias federais que cortam Goiás.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) esteve no local na ocasião, pois devido ao acidente, a via chegou a ser interditada, sendo liberada logo depois.

Conforme as informações repassadas pela PRF na época, um casal estava em um motocicleta no acostamento e estaria indo pescar em um rio próximo. Em um momento de desatenção, acabaram colidindo com o caminhão e indo a óbito.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Reunião para reajuste do preço da passagem em Goiânia é adiada novamente pela CDTC

Enquanto uma nova data não é marcada, uma proposta para reestruturar a gestão da RMTC e um plano de melhorias deverão ser elaborados.
26/03/2019, 16h15

A reunião da Câmara Deliberativa de Transporte Coletivo (CDTC) marcada para a tarde desta terça-feira (26/3) para discutir e definir o novo valor da tarifa da passagem em Goiânia e na região metropolitana da capital, foi adiada mais uma vez. A informação foi divulgada por meio de nota enviada à imprensa, porém a nova data não foi informada.

O encontro da CDTC que deveria ter ocorrido na última quinta-feira (21/3) também foi cancelado após o presidente da Câmara e prefeito de Trindade, Jânio Darrot (PSDB), receber uma comitiva dos vereadores de Goiânia pedindo um prazo maior para que o reajuste pudesse ser votado.

A reunião foi marcada após a aprovação dos cálculos da Agência Goiana de Regulação (AGR) no início da semana passada, feitos pela Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC), com uma variação entre 7,2% a 7,5%. A CDTC vai determinar o valor final que pode chegar a R$ 4,30 e a partir de quando a nova tarifa entra em vigor na capital e região metropolitana, caso seja aprovado.

Com o adiamento da reunião na semana passada, o encontro foi marcado para a tarde de hoje, a partir das 16h. No entanto a conferência para discutir o aumento da passagem do transporte coletivo, também foi cancelada após um encontro de Jânio Darrot com o prefeito de Goiânia Iris Rezende (MDB) na manhã desta quarta-feira e com a participação da promotora do Leila Maria Oliveira.

Deputados apresentam requerimento para impedir aumento da passagem

Na última segunda-feira (25/3) deputados estaduais estiveram no Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) e se reuniram com a promotora Leila Maria, no encontro os parlamentares apresentaram um requerimento para que o aumento da tarifa fosse impedido.

Durante o encontro a promotora pediu que as prefeituras da região metropolitana e as empresas de ônibus, apresentem na próxima quarta-feira (27/3) o que cada um tem feito conforme estabelecido no contrato firmado para a melhoria no transporte coletivo de Goiânia.

Conforme a nota divulgada pela CDTC, uma nova data vai ser convocada para debater o assunto, e nesse período uma proposta para reestruturar a gestão da Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC) e um plano de melhorias deverão ser elaborados.

Confira a nota

“A Câmara Deliberativa de Transporte de Coletivo (CDTC) informa que a reunião que seria realizada nesta terça-feira (26/03), às 16h, foi adiada e sem data definida para nova convocação. A meta é elaborar um projeto que visa reestruturar a gestão da Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC) e um plano que proporcione melhorias em todo o sistema. As decisões foram tomadas na manhã desta terça-feira (26/03) durante encontro preparatório que contou com as presenças do presidente CDTC e prefeito de Trindade, Jânio Darrot, prefeito de Goiânia, Iris Rezende, e representante do Ministério Público, promotora Leila Maria de Oliveira.

Câmara Deliberativa de Transporte de Coletivo (CDTC)”.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Caiado cobra Plano de Recuperação Fiscal para Goiás do ministro da Economia

Caiado cobrou celeridade na tramitação da proposta, e disse ainda que "já existe uma certa ansiedade por parte dos governadores".

Por Ton Paulo
26/03/2019, 16h28

Em reunião com o titular do Ministério da Economia, Paulo Guedes, nesta terça-feira (26/3) em Brasília, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), disse que a prioridade, por “questões de sobrevivência dos Estados, deve ser o Plano de Recuperação Fiscal que será anunciado nas próximas semanas pelo governo federal”. Caiado cobrou celeridade na tramitação da proposta, e disse ainda que “já existe uma certa ansiedade por parte dos governadores”.

As declarações foram dadas por Caiado durante encontro do Fórum de Governadores, no Palácio do Buriti, em Brasília. Caiado explicou que os governadores precisam de um tratamento imediato antes das demais propostas que estão em discussão. “Precisamos de imediato de um plano emergencial”, disse, ao se referir a outros projetos. “Se vai desvincular, se vai ter Pacto Federativo, se vai ter o dinheiro do pré-sal, aí são outras situações que nós precisamos, mas antes é necessário garantir essa sobrevivência”, asseverou.

A proposta de recuperação será enviada à Câmara dos Deputado em forma de projeto de lei complementar, com tramitação mais rápida.

Ministro da Economia disse que Plano de Recuperação Fiscal será “balão de oxigênio” para Estados

Diante da crise, o governador Ronaldo Caiado disse também que já existe uma certa ansiedade por parte dos governadores quanto ao projeto que pretende recuperar as finanças dos Estados, um vez que a proposta em questão já deveria ter sido enviada. “A informação que tínhamos era que o Mansueto [Almeida, secretário do Tesouro] enviaria semana passada. É preciso garantir essa celeridade. Acreditamos que nos próximos dias ela será enviada para a Câmara”, reforçou.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que “governos anteriores pelo País fizeram coisas imperdoáveis”. Ele afirmou também que é a favor de uma ajuda imediata como defende Caiado, corroborando da posição do democrata. “Esse movimento [Plano de Recuperação Fiscal] é um balão de oxigênio. Ajuda governadores comprometidos com os ajustes”, salientou Guedes.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem morre ao sofrer descarga elétrica em cima do telhado da casa do irmão, em Goiânia

Vítima apresentava lesões no tórax e na mão.
26/03/2019, 16h52

Um homem identificado como Paulo Sérgio Inácio de Sousa, de 43 anos, morreu no início da tarde desta terça-feira (26/3), após receber uma descarga elétrica em cima do telhado da casa do irmão, no Residencial Petropólis, em Goiânia.

De acordo com o Relatório de Atendimento Integrado (RAI) das forças policias de Goiás, Paulo estava na casa do irmão e foi encontrado por uma vizinha após levar o choque. Conforme as informações da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO), a vítima caiu por cima da cerca elétrica, que estava molhada no momento.

A Polícia afirmou também que Paulo além de cair sobre a cerca elétrica estava com material metálico de zinco. Segundo as informações da PC, a vizinha chamou o Corpo de Bombeiro Militar do Estado de Goiás (CBMGO) para atender a ocorrência.

Conforme os bombeiros, a equipe constatou o óbito de Paulo no local, e que a vítima apresentava lesões no tórax, na mão e rigidez cadavérica. Após constar a morte da vítima, os bombeiros deixaram a cena em que a vítima foi encontrada ao cuidados da Polícia Técnico Científica.

Jovem morre após sofrer descarga elétrica ao fazer emenda de extensão em Catalão

Na última quarta-feira (20/3) o jovem Ademir Aparecido Ferreira Júnior, de 23 anos, morreu após receber uma descarga elétrica de uma extensão ao fazer uma emenda em uma extensão que estava ligada a uma betoneira, no setor Aeroporto, em Catalão.

O caso foi registrado como acidente de trabalho pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO). No relato de testemunhas que trabalhavam com o rapaz na obra, elas contaram a polícia não entenderem o motivo de Ademir fazer a emenda sem desligar o equipamento da tomada.

Conforme os informações da polícia, Ademir ao levar o choque caiu com os fios da extensão nas mãos e junto ao peito, o que pode ter ocasionado a descarga elétrica ter sido maior.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Parceiros recomendam renúncia de reitor da UEG

Reitor da UEG, Haroldo Reimer perdeu credibilidade da comunidade acadêmica por conta de inúmeras irregularidades em sua gestão.
26/03/2019, 18h35

O reitor da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Haroldo Reimer, está prestes a renunciar ao cargo e abrir espaço para uma eleição extemporânea. Aliados dele recomendaram que ele construa uma saída honrosa com o discurso de que está se imolando para pacificar a comunidade acadêmica e abrandar as investigações de inúmeras irregularidades que pesam contra ele. A credibilidade do reitor ficou seriamente abalada depois que o sita Dia OnLine divulgou em primeira mão a lista de pagamentos feitos pelo Pronatec para o próprio reitor e seus apaniguados.

A intenção inicial era que Haroldo Reimer se licenciasse para responder as investigações com tranquilidade e enquanto isso uma pessoa do seu staff continuaria no comando da UEG. Todavia, isso foi encarado pela comunidade acadêmica como uma manobra para afastar o calor dos inquéritos, deixar tudo esfriar e ele poderia pretender voltar dizendo que nada fora apurado.

Um técnico da administração central contou em um grupo das redes sociais que a administração passou os últimos finais de semana tirando o site da UEG do ar para poderem apagar vestígios de irregularidades e encobrirem as pistas que o Ministério Público recebeu sobre desmandos na gestão de Haroldo Reimer.

Para esse afastamento temporário uma carta chegou a ser preparada por diretores de campi do interior, alguns bem próximos do reitor. O principal ponto de convergência é a ligação de todos eles com as forças políticas do PSDB que foram derrotadas nas eleições de 2018. A exemplo de Marcília Romano, diretora do campus de Morrinhos, que pedia votos abertamente para Giuseppe Vechi e Carla Conti, de Inhumas, que é ligada ao ex-deputado federal Roberto Balestra, igualmente derrotado. Alguns deles interessados mesmo em encobrir mutretas incontáveis em suas próprias administrações.

Pronatec

A manobra foi descoberta e denunciada e o grupo começou a abandonar Haroldo Reimmer na chapada, não vendo chance para sua sobrevivência. As denúncias – principalmente do recebimento indevido das verbas do Pronatec – serão seriamente apuradas pelo MP e deverão render devolução de numerário, ações de improbidade e punições mais severas para os envolvidos.

A exemplo da ex-chefe de gabinete do reitor Haroldo Reimmer, Juliana Almada. Ela mesma se deu uma sinecura de R$ 7.000,00, arrumou outra no mesmo valor para o marido Antônio Sérgio Fidélis de Souza e para a cunhada, Serjana Fidélis de Souza. Só para o grupo próximo ao reitor a gastança em 2018 foi de mais de R$ 465 mil, mas a gastança do dinheiro do Pronatec em 2018 foi a bagatela de R$ 4,8 milhões.

Parceiros recomendam renúncia de reitor da UEG

Alguns professores e diretores que tentavam dar sobrevida ao reitor foram ouvidos pela reportagem. Uma diretora confidenciou – com o compromisso de não ser identificada – que pediu o afastamento para o reitor, mas teve receio de falar abertamente para que ele renuncie. “Sabemos que não há clima, que ele não unifica mais a UEG e que são muito graves as denúncias que precisam ser apuradas e quem dever precisa pagar”, expõe essa diretora com receio de represálias do reitor e de sua catrevagem aliada. Aliás, se referem a ele como “feitor”, em contraposição a “reitor”. Altíssimo já deixou de ser um epíteto para Haroldo Reimer. Juliana Almada, também acoimada de “desalmada” sumiu do mapa e prepara o samba para se explicar para o Ministério Público.

Parceiros recomendam renúncia de reitor da UEG

O governo não vai decretar intervenção para não assumir o ônus de chutar um moribundo. A estratégia é deixá-lo sangrando, exposto ao sol e lambuzar sua biografia de mestre com toda a sujeira produzida nesses anos de sua “magnífica” gestão. A reitoria da UEG parece uma maldição: os antecessores de Haroldo Reimer foram afastados, processados e condenados pelas peraltices que fizeram com dinheiro público.

CGE

A Controladoria Geral do Estado enviou para Haroldo Reimer um minucioso relatório expondo o que pesa contra sua gestão e as medidas já tomadas. De locação de veículos que nunca circularam pra cima, existiu. Passando por seguros pagos e nunca contratados e diárias pagas sem comprovação. Um primor de administração.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.