Goiás

Caiado anuncia quitação de mais de 50% da folha de dezembro na próxima sexta-feira

O anúncio do governador, que foi feito via Twitter, deu esperança para muitos servidores públicos do Estado que esperam receber o salário atrasado do mês de dezembro/2018, que ainda não foi quitado.

Por Ton Paulo
26/03/2019, 10h22

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), anunciou no início da noite de ontem (25/3) que na próxima sexta-feira (29/3) estará realizando a quitação de 55,63% da folha de dezembro do funcionalismo público. Caiado ainda disse que, caso seja aprovado pela Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) o pedido de crédito especial do governo, “boa parte dos servidores que ganham até R$ 5.100 será contemplada”.

O anúncio do governador, que foi feito via Twitter, deu esperança para muitos servidores públicos do Estado que esperam receber o salário atrasado do mês de dezembro/2018, que ainda não foi quitado. Entretanto, alguns ainda podem ficar sem receber mesmo estando dentro da faixa salarial anunciada pelo democrata.

Isso porque no comunicado via Twitter, Caiado diz que “boa parte dos servidores que ganham até R$ 5.100 será contemplada”, dando margem ao entendimento que nem todos que têm o salário nesse valor vão ter o dinheiro na conta na próxima sexta-feira.

Caiado tuitou que “as idas a Brasília em busca de recursos” têm sido constantes

Caiado, através de seus tweets, também quis passar a mensagem de esforço por parte do governo para o equilíbrio das contas públicas, o que incluiria solicitação de auxílio do governo federal. No dos tweets, o governador diz que o “exercício para cortar despesas da máquina é constante, assim como as idas a Brasília em busca de recursos para quitar o restante da folha”.

Confira abaixo a íntegra das postagens:

“A Alego aprovando nosso pedido de crédito especial amanhã, na sexta cumpriremos o compromisso de iniciar o pagamento escalonado dos salários de dezembro! Começaremos, é claro, por quem ganha menos e precisa mais. Boa parte dos servidores que ganham até R$ 5.100 será contemplada.”

“Com o que já conseguimos adiantar no último mês, 6a estaremos quitando 55,63% da folha de dezembro. Creiam que o esforço tem sido grande. O exercício para cortar despesas da máquina é constante, assim como as idas a Brasília em busca de recursos para quitar o restante da folha.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Petrobras anuncia 'cartão caminhoneiro' que permite comprar diesel com preço fixo

"Cartão Caminhoneiro" será destinado aos autônomos e proprietários de frotas de caminhões.
26/03/2019, 10h25

A Petrobras e a BR Distribuidora desenvolvem uma nova forma de pagamento para os caminhoneiros que deve reduzir a volatilidade dos preços dos combustíveis. Em fato relevante, as empresas anunciaram que trabalham na criação de um cartão de pagamentos “que viabilizará a compra por caminhoneiros de litros de diesel a preço fixo nos postos com a bandeira BR”. O chamado “Cartão Caminhoneiro” será destinado aos autônomos e proprietários de frotas de caminhões.

“O diferencial que se busca é oferecer uma opção aos diversos públicos, que poderá auxiliar na gestão do risco da flutuação de preços ao consumidor”, cita o fato relevante da BR Distribuidora. O cartão ainda está em desenvolvimento e as empresas acreditam que a conclusão deverá ocorrer nos próximos 90 dias.

A nova forma de pagamento para proteger caminhoneiros das oscilações de preço foi anunciada ao mesmo tempo em que a diretoria executiva da Petrobras divulgou, na manhã desta terça-feira, 26, a alteração na periodicidade de reajuste nos preços do diesel nas refinarias, que, a partir de agora, serão atualizados por períodos não inferiores a 15 dias.

Imagens: Portal T5 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Projeto determina treinamento para situações de risco em escolas de Goiânia 

Objetivo, de acordo com a proposta, é "minimizar danos".
26/03/2019, 11h22

Nesta segunda-feira (25/3), foi apresentado, na Câmara Municipal de Goiânia, um projeto de lei (n° 2019/00099) que prevê a obrigatoriedade de treinamento para situações de risco na escolas públicas e privadas de Goiânia. Além disso, de acordo com a proposta, deve ser elaborado ainda um plano de emergência com uma série de ações que devem ser tomadas nessas situações.

Segundo a matéria, caracterizam-se como situações de risco nas escolas qualquer ocorrência que ponha em risco a permanência de alunos, funcionários e frequentadores das instituições. “Vemos como é necessário preparar professores e alunos a reagir perante situações de emergência, como incêndios, desabamentos, alagamentos e invasão de atiradores, buscando, dessa forma, minimizar os danos”, explica o vereador Anderson Sales-Bokão (DC), autor da proposta.

Plano emergencial para situações de risco em escolas de Goiânia

Conforme a matéria apresentada, o plano emergencial deve conter ações como sinal de alarme, planta da instituição com detalhamento de portas, janelas, extintores de incêndio e indicação de locais seguros, além de procedimentos para evacuação. O documento poderá ser feito pela Defesa Civil Municipal. o vereador pondera ainda que a medida “trata-se de uma espécie de dever de segurança ao aluno.”

Além das ações de emergência, palestras educacionais devem ser adicionadas ao calendário escolar, a instalação de alarmes sonoros, o treinamento envolvendo práticas e atividades relacionadas a procedimentos e instruções repassadas em palestras e anexadas ao plano emergencial. Caso o projeto seja aprovado, a Secretaria Municipal de Educação será a responsável por tomar as providências necessárias para que sejam exercidas as recomendações.

O projeto de lei segue em tramitação na Casa.

Ataques em escolas de Goiânia

Medida foi apresentada na Câmara após ameaças de ataques, planejados por alunos, em escolas da capital. Nos últimos dez dias, dois casos foram registrados em Goiânia. Por meio das redes sociais, adolescentes divulgaram imagens e mensagens com teor de ameaça; um deles foi apreendido.

Em 2017, um adolescente de 14 anos, usando a arma da mãe, que é policial militar de Goiás, entrou na escola em que estudava e matou dois colegas de turma e deixou outros quatro feridos. Tiroteio ocorreu no Colégio Goyases, em Goiânia. Uma da jovens ficou paraplégica. O menor está apreendido no Centro de Internação de Adolescentes, em Anápolis, e pode ser liberado em setembro de 2020.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Policiais civis de Goiás acusados de integrar esquema criminoso com advogados são afastados

Os policiais civis, segundo a denúncia, realizavam falsas prisões para extorquir os presos. Já os advogados tinham a função de fingir defendê-los. Justiça determinou afastamento dos acusados de suas funções.

Por Ton Paulo
26/03/2019, 11h40

Três advogados, dois escrivães e cinco policiais civis de Goiás tiveram as funções suspensas recentemente após decisão de uma juíza da 6ª Vara Criminal de Goiânia. Tanto os advogados quanto os membros da Polícia Civil (PC) são acusados de integrarem uma organização criminosa que arquitetava e cumpria falsas prisões para depois extorquir os presos em troca de liberdade.

De acordo com informações do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), o esquema foi descoberto na Operação Arapuca, deflagrada pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO). O grupo denunciado, composto por policiais civis, escrivães e advogados, sempre atuava da mesma forma: detinha pessoas suspeitas em atividades como venda de diplomas falsos de conclusão de cursos, medicamentos controlados, drogas e cheques falsificados, a fim de exigir delas o pagamento de quantias em dinheiro para que não fossem formalmente presas ou tivessem procedimento investigatório instaurado contra si.

Ao serem falsamente detidos pelos policiais civis e conduzidos para a delegacia, de acordo com informações do TJ-GO, os indivíduos, então, eram chantageados para pagarem quantias em dinheiro. Já os advogados cumpriam o papel de comparecer à delegacia para fingir defender os presos. Entretanto, esses mesmos advogados faziam parte da organização criminosa.

Por decisão da juíza Placidina Pires, da 6ª Vara Criminal de Goiânia, tiveram o cargo suspenso os policiais civis Luís Carlos de Melo, Ironilson Martins da Rocha, Elvis Carlos Pimentel Machado, Jurcelino Melo de Barros, Adriano André Gama de Resende, e os escrivães Márcia Rodrigues de Souza e Uallyson Nogueira Rodrigues.

Já os três advogados que fingiam defender as vítimas nas delegacias mas que na verdade faziam parte do esquema, Juliana Angélica de Lucena Ferraz, Jorge Carneiro Correia e Guaracy Alves De Ávila Branquinho, estão com o exercício profissional advocatício também suspenso, de acordo com a decisão da magistrada.

De acordo com magistrada, organização criminosa de advogados e policiais civis de Goiás era “infiltrada na polícia judiciária”

Conforme a magistrada destacou, as condutas supostamente praticadas “são graves, porquanto a organização criminosa ora denunciada, em tese, era bastante estruturada, ramificada e infiltrada na polícia judiciária, sendo que os denunciados possivelmente se utilizavam das dependências das Delegacias de Polícia, viaturas policiais e armas de fogo para facilitar a execução dos delitos, turbando a ordem pública e retirando a paz social”.

Ainda segundo os autos, os denunciados, supostamente, exigiam das pessoas conduzidas informações dos chefes do esquema, a fim de possibilitar novas exigências de vantagens indevidas, em quantias ainda mais vultosas.

Exposta com a Operação Arapuca, deflagrada pelo MP-GO, a suposta organização criminosa dos denunciados foi articulada entre março e julho do ano passado.

Polícia Civil disse que aguarda a comunicação da decisão judicial

Procurada pela reportagem do Dia Online, a assessoria da Polícia Civil de Goiás declarou, em nota, que aguarda a comunicação da decisão judicial, e que a mesma “será cumprida assim que a Polícia Civil for notificada”.

Já Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Goiás (OAB Goiás) também foi contatada e disse que um processo ético-disciplinar contra os acusados já foi instaurado, e que “reafirma seu compromisso com o devido processo legal”.

Confira a nota:

“A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO) informa que foi instaurado processo ético-disciplinar contra os acusados pela Operação Arapuca, inclusive com pedido de suspensão do direito de advogar. A seccional confirma que o processo segue seu rito ordinário, seguindo os termos do artigo 70 do Estatuto da Advocacia. A OAB-GO reafirma, por fim, seu compromisso com o devido processo legal, o contraditório, a ampla defesa e a irrestrita fiscalização da ética profissional.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Reajuste da passagem de ônibus em Goiânia será votado nesta terça-feira

Se aprovado o aumento, tarifa deve passar a custar R$ 4,30.
26/03/2019, 12h25

Está prevista para a tarde desta terça-feira (26/3), uma reunião com os vereadores e membros da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC), para votação do reajuste do preço da passagem de ônibus em Goiânia. O encontro estava marcado para a última quinta-feira (21/3), mas foi desmarcado pelo presidente da entidade e prefeito de Trindade, Jânio Darrot (PSDB).

Para o vereador Lucas Kitão (PSL), que confirmou a reunião, o aumento da tarifa pode prejudicar os usuários do transporte público.”Mais uma vez estamos mobilizando todos os vereadores de Goiânia e a população para impedir o reajuste da tarifa. A reunião havia sido cancelada para que fossem realizadas discussões sobre a qualidade do transporte, mas a pauta de hoje já é sobre a votação do reajuste”, afirmou.

Cálculos para aumento da passagem de ônibus são aprovados

No último dia 18, os cálculos de reajuste da tarifa foram aprovados em uma reunião do Conselho Regulador da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização dos Serviços Públicos (AGR). Esses cálculos devem ser analisados pela CDTC e se aprovados, a passagem pode custar até R$ 4,30. Atualmente, a tarifa do transporte público custa R$ 4,00.

Em entrevista a uma rádio local, o presidente da CDTC reforço que se reuniria o mais rápido possível com os prefeitos de Goiânia, Iris Rezende (MDB), de Aparecida de Goiânia Gustavo Mendanha (MDB) e de Senador Canedo, Divino Lemes (PSD) para discutir uma melhor ação para o transporte coletivo.

Deputados protocolam documento contra aumento da passagem de ônibus

Na manhã de ontem (25/3), um grupo de deputados protocolou, junto ao Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), um requerimento contra o aumento da passagem de ônibus em Goiânia e na Região Metropolitana. A promotora Leila Maria de Oliveira deve avaliar a proposta.

A promotora afirmou que tem em mãos várias ações para barrar o aumento da passagem, e que elas estão caminhando conforme os tramites processuais. “Acredito que possa ter um entendimento entre o legislativo, o executivo e o judiciário. Então vamos analisar o requerimento dos deputados e procurar o melhor caminho”, afirmou Leila Maria.

Imagens: Diário de Goiás 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.