Goiás

Carga de 600 quilos de queijo estragado apreendida na BR-153 iria para supermercados de Goiânia

A carga de 600 quilos de queijo estragado havia sido adquirida, segundo o dono, por R$ 7 mil reais e de acordo com ele seria usado para "alimentar porcos".

Por Ton Paulo
29/03/2019, 08h43

Uma carga de queijo apreendida pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na madrugada da última quinta-feira (28/3) na BR-153, em Uruaçu, chamou a atenção pelo péssimo estado em que se encontrava. A carga de 600 quilos de queijo estragado havia sido adquirida, segundo o dono, por R$ 7 mil reais e de acordo com ele seria usado para “alimentar porcos”. Entretanto, a PRF suspeita que o destino da carga seria outro.

Conforme informações da PRF, tudo começou quando agentes da corporação abordaram uma caminhonete Toyota Hilux que era conduzida por um jovem de 22 anos, e ao fiscalizar o veículo, a polícia encontrou uma carga de cerca de 600 quilos de queijo na carroceria da caminhonete, coberta por uma lona de plástico.

Ao examinar o laticínio , por não ser transportado em veículo refrigerado, os policiais perceberam que boa parte do produto exalava mau cheiro, com coloração atípica, deteriorado e com presença de mosquitos.

O amontoado de queijo na carroceria do veículo tinha apenas a lona de plástico no fundo, nada mais, estando exposto ao ambiente.

PRF suspeita que carga de queijo estragado apreendida na BR-153 seria distribuída em supermercados e panificadoras

Segundo o condutor do carro, ele havia comprado a mercadoria de pequenos proprietários da zona rural de Campinorte para alimentar porcos de criadores no município de Ceres, pela carga ele pagou cerca de R$ 7.000 reais.

Entretanto, a PRF suspeita que a carga seria distribuída para supermercados e panificadoras de Anápolis e Goiânia.

O homem foi preso e encaminhado à Delegacia de Polícia Civil em Uruaçu onde foi enquadrado em crime contra as relações de consumo humano.

A Vigilância Sanitária foi acionada e considerou o produto impróprio para o consumo humano.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Goiânia registra mais de seis mil casos de dengue; quatro mortes são confirmadas

Dois óbitos foram confirmados na capital, um em Turvânia e outro em Posse.
29/03/2019, 09h35

Nos três primeiros meses do ano, foram registrados em Goiânia 6.043 casos de dengue, sendo que duas mortes foram confirmadas na capital e duas no interior do estado (Turvânia e Posse). Segundo boletim informativo da Secretaria Estadual da Saúde de Goiás (SES-GO), divulgados no último sábado (23/3), ao todo, foram notificados em Goiás 33.540 casos, com confirmação de 14.071.

Ainda conforme o boletim, 34 mortes que podem ter sido causadas pela doença estão estão sob investigação. Os maiores números da doença se concentram na capital, Aparecida de Goiânia (3.804 casos) e Anápolis (2.397), ambas cidades da Região Metropolitana na capital.

Alerta contra dengue em Goiás

O Boletim, divulgado pela SES-SO, mostra que os casos notificados em 2019 diminuíram 10,60% em relação ao mesmo período de 2018. Mas os números ainda podem aumentar, pois, de acordo com o coordenador-geral de Combate ao Aedes, Marcello Rosa, a baixa pode estar relacionada ao não envio dos dados à SES-GO pelos municípios devido ao feriado prolongado de carnaval.

O coordenador alerta a população para a continuidade do cuidado em casa. “É fundamental que locais que possam ser transformados em criadouros do mosquito Aedes aegypti sejam eliminados rotineiramente”, reforça. Ainda de acordo com Marcello Rosa, este ano está em circulação, com predominância, o vírus sorotipo 2, que causa os casos mais graves da doença.

Cuidados

“Toda semana é fundamental que se faça uma boa inspeção do imóvel para identificar os possíveis focos do Aedes”, orienta Marcello. “O lixo deve ser descartado para a coleta da prefeitura e jamais descartado em lotes baldios ou em praças e logradouros públicos e privados”, alerta o coordenador.

Veja abaixo outras recomendações feitas pela Secretaria de Saúde de Goiás:

– Manter vasos sanitários, grelhas de banheiros desativados fechados;

– Manter recipiente de degelo atrás da geladeira limpo;

– Evitar baldes de limpeza com água guardada;

– Manter vedada a caixa d’água, assim como tampas de cisternas, fossas – inclusive os suspiros podem receber tela, para evitar entrada de mosquitos;

– Manter limpas as grelhas e calhas, bem como os bebedouros de animais, vasos de plantas e aparadores com areia.

Imagens: OPAS 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Taxa de desemprego sobe e fica em 12,4% em fevereiro

O percentual é maior que o do trimestre anterior (encerrado em novembro de 2018), que havia sido de 11,6%, mas menor que o resultado do trimestre encerrado em fevereiro do ano passado (12,6%).
29/03/2019, 09h46

A taxa de desemprego no país ficou em 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro deste ano, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) – Contínua, divulgada hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Rio de Janeiro.

O percentual é maior que o do trimestre anterior (encerrado em novembro de 2018), que havia sido de 11,6%, mas menor que o resultado do trimestre encerrado em fevereiro do ano passado (12,6%).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Menino que morreu à espera de leito no Hospital Materno Infantil é velado, em Goiânia

O corpo de Diogo, que tinha Síndrome de Down, deve ser sepultado às 15 horas no Cemitério Jardim da Saudade.
29/03/2019, 09h48

A família do menino Diogo Soares Carmo, de apenas 5 anos, vela o corpo dele na manhã desta sexta-feira (29/3), no Jardim Guanabara I, em Goiânia. Diogo morreu na tarde de ontem (29) aguardando um leito no Hospital Materno Infantil.

O corpo de Diogo, que tinha Síndrome de Down, deve ser sepultado às 15 horas no Cemitério Jardim da Saudade.

A história do menino repercutiu nas redes sociais por causa de um vídeo em que ele aparece aguardando, no colo da mãe, em um dos corredores do hospital, como você pode ler aqui.

Gritos de desespero após os últimos suspiros do filho de cinco anos fizeram até funcionários e funcionárias do Hospital  ir às lágrimas.

Faltavam cinco minutos para as 14h quando o coraçãozinho do menino parou de bater.

Segundo nota do hospital, o menino e a mãe chegaram à unidade às 3h da madrugada do dia 28 de março (quinta-feira).

A criança passou pela Classificação de Risco e classificado como ficha amarela.

Depois de esperar, foi atendido por médico Pediatra e iniciados os procedimentos terapêuticos e diagnósticos. “Conforme amplamente divulgado e informado o HMI encontra-se em superlotação constante”, assume o hospital, em nota.

Sem leito, a criança permaneceu nas cadeiras com a mãe, recebendo o tratamento prescrito e aguardando vaga. Porém, o quadro da menino foi piorando. E a mãe com a criança no colo, sem saber o que fazer.

Preocupada, a mãe chamou médicos e enfermeiros, que levaram a criança para a temida sala de reanimação. Os médicos tentaram, mas não foi possível fazer com que o coraçãozinho voltasse a bater. E a criança morreu.

Morte de criança emocionou funcionárias do Hospital Materno Infantil, em Goiânia

“Eu não aguentei e chorei muito”, conta uma enfermeira sob anonimato.

Vídeos gravados por outros pacientes da unidade mostram o momento que a criança está no colo da mãe e ela cuidando dele. Em seguida, as imagens mostram a mãe desesperada, sendo amparada por outras mães.

Menino de cinco que morreu no corredor Hospital Materno Infantil é velado, em Goiânia

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

MP-GO recomenda que prefeito Iris Rezende demita presidente da CMTC

A promotora do MP-GO citou "conflito entre os interesses das empresas estatais e os político-partidários" para pedir a exoneração do presidente da CMTC, que também preside o Partido Trabalhista Cristão (PTC).

Por Ton Paulo
29/03/2019, 11h07

Em documento remetido recentemente ao prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), o Ministério Público de Goiás (MP-GO) recomendou ao chefe do Executivo que o atual presidente da Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) seja exonerado. De acordo com o MP-GO, a nomeação do gestor ao cargo violou a lei que dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, e a exoneração seria necessária para evitar “conflito entre os interesses das empresas estatais e os político-partidários”.

Segundo o próprio MP-GO, a recomendação ao prefeito Iris Rezende Machado é a de que a exoneração de Fernando Olinto Meirelles, presidente da CMTC e também do diretório regional do Partido Trabalhista Cristão (PTC), deve ser feita no prazo de cinco dias.

No documento enviado ao prefeito, a promotora de Justiça Villis Marra, que atua em Goiânia na defesa do patrimônio público, destaca que a nomeação do gestor ao cargo violou a Lei n° 13.303/16, que dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias. Isso porque, segundo a assessoria do MP-GO, Fernando é presidente regional de partido político e delegado de convenção nacional, o que é proibido pela norma, na parte que veda a nomeação de diretores que façam parte de estrutura decisória de partido político, devendo ainda ser respeitado o lapso de 36 meses entre o exercício da função decisória e a nomeação ao cargo de administrador de empresa estatal.

De acordo com a promotora, tais vedações “são necessárias para evitar o conflito entre os interesses das empresas estatais e os político-partidários ou corporativos dos dirigentes de agremiações partidárias, dos representantes classistas, dos titulares de mandatos no Legislativo ou cargos não efetivos no Executivo, que são de livre nomeação”. Ela avalia ainda a nomeação nos cargos citados “frequentemente se expõem às imposições políticas”.

Presidente da CMTC, que também preside partido político, ignorou alerta da Procuradoria, diz MP-GO

A promotora ressaltou ainda que o exercício do cargo de presidente da estatal por pessoa que tem a função de direção de partido político também viola o princípio da moralidade pública, o que, inclusive, já foi alertado pela Procuradoria de Contas do Município, mas, ainda assim, Fernando Olinto não acatou a manifestação, “o que denota dolo na sua conduta, já que insiste na irregularidade”.

Fernando Olinto Meirelles preside, além da CMTC (desde 2017), o diretório do Partido Trabalhista Cristão (PTC) em Goiás.

Procurada pela reportagem do Dia Online, a assessoria da CMTC prometeu um posicionamento sobre o caso.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.