Brasil

Defesa Civil do Rio busca desaparecido no Morro da Babilônia

Vizinha das irmãs, Fernanda Brasil, que mora há 12 anos no Morro da Babilônia, disse que uma delas chegou a ser resgatada com vida.
09/04/2019, 16h11

A Defesa Civil do Rio de Janeiro trabalha, desde a manhã desta terça-feira (9), na busca de uma pessoa desaparecida após um deslizamento de terra que deixou duas pessoas mortas no Morro da Babilônia, comunidade no Leme, zona sul da cidade.

Segundo os moradores da comunidade, as vítimas já encontradas eram duas irmãs idosas, Doralice e Gerlaine do Nascimento, que moravam juntas, e a pessoa desaparecida é Gilson Cesar Cerqueira dos Santos, que morava com elas.

Vizinha das irmãs, Fernanda Brasil, que mora há 12 anos no Morro da Babilônia, disse que uma delas chegou a ser resgatada com vida. “São duas irmãs, moradoras antigas, crias do morro, mas as duas, infelizmente, vieram a óbito. Uma ainda conseguiu ser resgatada com vida, mas, pelo jeito que as encontraram – a dona Dora estava de cabeça para baixo, eles a tiraram e ela vomitou muito barro, não teve condições”, lembrou Fernanda.

Segundo Fernanda, antes da chegada dos bombeiros ao local, os moradores se mobilizaram para ajudar no resgate.Sem energia, e sem que a sirene tocasse para avisar sobre o risco de deslizamento, todos vieram para ajudar, contou Fernanda; “Foram os moradores que resgataram. A gente tem lideranças ótimas aqui no morro. O bombeiro depois chegou e começou o trabalho dele, a UPP [Unidade de Polícia Pacificadora] também botou a mão na massa. Não é obrigação deles, mas fizeram.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Rogério Caboclo assume a presidência da CBF prometendo independência

Segundo ele, sua gestão será baseada "em dois pilares, o da integridade e da eficiência".
09/04/2019, 16h48

Depois de mais de um ano como presidente de fato, Rogério Caboclo assumiu oficialmente na tarde desta terça-feira o comando do futebol brasileiro. Prometendo “total independência”, o paulista foi empossado novo presidente da CBF para um mandato de quatro anos. Em 2023, poderá tentar a reeleição.

Eleito em abril do ano passado após articulação de Marco Polo Del Nero, banido do futebol pela Fifa, Caboclo procurou nesta terça-feira mostrar isenção. “Quero deixar claro minha total independência, dentro dos limites estatutários, para fazer tudo aquilo que eu acredito”, afirmou o novo presidente da CBF, durante o discurso de posse. “Não vou tolerar nenhuma prática duvidosa”.

Reconhecendo o “forte desgaste” que a CBF passou nos últimos anos – um ex-presidente está preso nos Estados Unidos e outros dois não deixam o País receosos de terem o mesmo destino -, Caboclo disse que quer mudar o jogo. Segundo ele, sua gestão será baseada “em dois pilares, o da integridade e da eficiência”.

Rogério Caboclo também se definiu como um “inconformado” e disse que será aberto a críticas e a novas ideias. “Estas serão as duas marcas da minha gestão: a vontade de fazer mais e melhor e a abertura para que pessoas qualificadas participem das decisões da CBF, abrindo espaços relevantes para ex-jogadores”, prometeu.

APADRINHADO – O dirigente chegou à CBF em 2014 pelas mãos de Marco Polo Del Nero, que assumiria a presidência da entidade no ano seguinte, mas não terminaria o mandato. A função de Caboclo não era lidar diretamente com o futebol, mas sim colocar a gestão da entidade em ordem, como CEO.

Com o afastamento de Del Nero, o coronel Antônio Carlos Nunes de Lima – paraense que se tornara vice da CBF representando a região Sudeste após um acordo costurado junto a presidentes de federações estaduais – se tornou presidente. Mas nunca exerceu de fato a função. Quem comandou a entidade desde então foi o próprio Rogério Caboclo, responsável inclusive por renovar o contrato de Tite na seleção brasileira em julho do ano passado.

Nesta nova – e oficial – gestão, Caboclo terá oito vice-presidentes. Desses, quatro foram vices de Marco Polo Del Nero: Fernando Sarney (Maranhão), Gustavo Feijó (Alagoas), Marcus Vicente (Espírito Santo) e o coronel Nunes (Pará), que acabou assumindo a presidência. Além dos quatro, compõem a nova diretoria Antônio Aquino Lopes (Acre), Castellar Guimarães (Minas Gerais), Ednaldo Rodrigues (Bahia) e Francisco Novelletto (Rio Grande do Sul).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Setor Campinas possui importância histórica para Goiânia

O Setor Campinas já foi considerado como município de Goiás, atualmente representando um dos principais polos comerciais da cidade e do estado.
09/04/2019, 17h44

Goiânia é uma cidade bem jovem quando comparada a outras gigantes do país, mas nem por isso deixa de ter boas histórias para contar. O que muita gente não sabe, principalmente os mais jovens, é que a história da nova capital goiana começou lá atrás, antes mesmo de estas terras ganharem o nome que conhecemos atualmente. Tudo começou com o Setor Campinas, que por sinal, já foi considerado um município de Goiás, sabia disso? No entanto, com a ideia de transferir a capital, a região acabou perdendo sua soberania de ser chamada de cidade e foi simplesmente integrada ao município que ainda estava nascendo.

Mas vale lembrar que isso não significa que o lugar deixou de ser importante, pelo contrário! Com 208 anos de existência, é reconhecido atualmente como um dos principais polos comerciais de Goiânia, sendo que muitos ainda consideram a região como uma grande “mãe” da capital. Ao longo dos anos, o Setor Campinas acabou perdendo suas características bucólicas e se desenvolveu de forma surpreendente. Boa prova disso é o trânsito intenso encontrado por ali, classificado como um dos mais movimentados da cidade.

Conhecendo a história do Setor Campinas, em Goiânia

Setor Campinas em Goiânia
Foto: Reprodução

O movimento em Campinas teve início por conta da mineração. Diversos mineradores começaram a sair da cidade de Pilar de Goiás na esperança de encontrar ouro às margens do ribeirão Anicuns, já que naquele período havia muito areia branca por ali.

Entretanto, ninguém conseguiu encontrar nada realmente valioso no local, ocasionando apenas em frustração. Por outro lado, os garimpeiros começaram a construir suas moradias por estas terras, ainda nas primeiras décadas do século 19, por volta de 1810.

Inicialmente chamada de “Arraial de Campinas”, o aniversário do setor é comemorado no dia 8 de julho, que provavelmente foi a data em que desbravadores de Minas Gerais e também de outras regiões do estado chegaram por lá.

E foi em 1853 que o local foi categorizado como “freguesia”, já que passou a fazer parte da antiga Vila de Bonfim, conhecida nos dias de hoje como Silvânia. Já em 1907 alcançou o título de “vila” e, sete anos depois, foi finalmente denominado como “município brasileiro do estado de Goiás”. Bem, o restante da história já é de se imaginar, não é mesmo? Conforme mencionado anteriormente, o local foi novamente integrado e passou a fazer parte de Goiânia.

Atualmente, o Setor Campinas é bastante conhecido por abrigar intenso comércio especializado e popular, com lojas encontradas principalmente ao longo das Avenidas 24 de Outubro e Anhanguera. Para se ter noção de sua vasta importância econômica, a região arrecada aproximadamente 74% de impostos da cidade.

Conhecendo as principais atrações do Setor Campinas, em Goiânia

1 – Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Setor Campinas em Goiânia
Foto: Reprodução

Mais conhecida como Basílica de Campinas, se encontra pertinho de uma das praças mais bonitas de Goiânia, com um lindo jardim. De fácil acesso, foi inaugurada em 1949, apelidada carinhosamente de “Conventão”.

Com ampla estrutura e um projeto arquitetônico realmente encantador, não é à toa que a igreja é uma das principais atrações do Setor Campinas, não apenas para os católicos e religiosos, mas também para todos que se encantam pela história da região. Vale a pena conhecer! Clique aqui para mais informações sobre a paróquia.

Telefone para contato: (62) 3533-5310

Endereço: R. Rio Grande do Sul, S/N – Praça Santo Afonso, Goiânia – GO, 74001-970

2 – Estádio Antônio Accioly

Setor Campinas em Goiânia
Foto: Reprodução

Mais uma das principais atrações do Setor Campinas, em Goiânia, o estádio pertence ao Atlético Clube Goianiense, sediando suas partidas em campeonatos regionais e contra outras equipes de pequeno porte em campeonatos nacionais.

Fato é que o estádio acabou passando por momentos bem ruins e chegou até mesmo a ser demolido e abandonado, no entanto, em um ato de reestruturação, o Atlético conseguiu voltar a ativa e o Antônio Accioly foi reconstruído em 2005, sendo que sua última reforma foi em 2018. Atualmente possui capacidade para 10.501 espectadores.

Telefone para contato: (62) 3292-3132

Endereço: Av. Perimetral, 921 – St. Campinas, Goiânia – GO, 74520-110

3 – Praça Joaquim Lúcio

Setor Campinas em Goiânia
Foto: Reprodução

A praça é um dos maiores símbolos do Setor Campinas, representando uma memória viva da região. Nascida antes mesmo da inauguração de Goiânia, se encontra na Avenida 24 de Outubro e faz uma homenagem ao coronel goiano Joaquim Lúcio.

O principal atrativo da praça é o pequeno coreto que se encontra por ali, um charme. Mas além disso, ainda é possível encontrar um busto do coronel, jardins bem cuidados e encantadores, e alguns quiosques para você matar a fome enquanto aprecia a vista e as sombras do ambiente. Se você ainda não conhece, vale a pena!

Endereço: Praça Joaquim Lúcio, s/n – St. Campinas, Goiânia – GO, 74515-020

4 – Mercado Municipal de Campinas

Setor Campinas em Goiânia
Foto: Reprodução

Não há como falar sobre o Setor Campinas sem mencionar seu Mercado Municipal. Por ali é possível encontrar de tudo um pouco, com excelente variedade em produtos alimentícios, temperos e utensílios. Tudo é vendido fresquinho e você sempre encontra qualidade, representando um bom lugar para fazer suas compras! Clique aqui e confira um pouquinho mais sobre os produtos que você pode encontrar!

Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 7h às 18h / sábado, das 6h30 às 15h

Telefone para mais informações: (62) 3088-0968

Endereço: Av. São Paulo, 361 – St. Campinas, Goiânia – GO, 74510-020

5 – Biblioteca Municipal Cora Coralina

Setor Campinas em Goiânia
Foto: Reprodução

A Biblioteca Municipal Cora Coralina funciona atualmente no prédio do antigo Palace Hotel, no Setor Campinas, em Goiânia. O projeto arquitetônico do local conta com traços no estilo art déco, que marcou as primeiras construções da capital.

Em uma homenagem a Cora Coralina, o acervo do local oferece cerca de 23 mil livros para todos os interesses, representando um marco do setor, sendo ainda bastante frequentado por diversas pessoas.

Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 7h30 às 21h

Telefone para mais informações: (62) 3524-1975

Endereço: Av. 24 de Outubro, 120 – St. Campinas, Goiânia – GO, 74505-010

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

MPGO investiga abertura de créditos suplementares por José Eliton que prejudicaram pagamento do Bolsa Universitária, em Goiás

OVG ficou como credora e valor total com a anulação do empenho para o pagamento da Bolsa chega a R$ 46.383.507,82.
09/04/2019, 18h49

Foi instaurado na tarde desta terça-feira (9/4) um inquérito civil público que investiga o cancelamento de empenhos feitos através de atividades suplementares do orçamento pelo ex-governador do Estado, José Eliton (PSDB), que prejudicaram o pagamento do programa Bolsa Universitária.

A ação é do Ministério Público de Contas do Estado de Goiás e foi protocolada na 57ª Promotoria de Justiça de Goiânia. O promotor de Justiça Fernando Krebs, demonstrou que em sua gestão, José Eliton criou uma situação na qual a obrigação financeira permaneça sem que tenha dinheiro em caixa, o que vai contra a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Segundo o Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), o ex-governador abriu crédito suplementar para o Fundo Financeiro do Regime Próprio de Previdência do Servidor de R$ 9,5 milhões. Conforme o MPGO, dois dos créditos suplementares foram destinado a Secretaria da Fazenda (Sefaz) e totalizam o equivalente a R$ 255.018.541,68 e outro que beneficiou o Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE) de R$ 16 milhões.

Abertura dos créditos cancelou empenho para pagamento da Bolsa Universitária

Com a abertura dos créditos suplementares para o TCE e a para a Secretaria, foi necessário cancelar quatro pagamentos do Fundo de Proteção Social do Estado de Goiás (Protege Goiás), mais precisamente do programa Bolsa Universitária da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) de aproximadamente R$ 43.518.243,70 e ao anular a liquidação do empenho valor chega a quantia de R$ 46.383.507,82, com a OVG como credora.

O MPGO ao instaurar o inquérito questiona o cancelamento e a anulação das dotações feitas pelo ex-governador, pois o mesmo não tem liberdade para praticar tais atos para quitar com outras obrigações, não pela falta de recursos e sim pela questão do orçamento destinado para aquela ação.

Caso comprovada a prática ilícita pelo ex-gestor de Goiás, a mesma pode ser enquadrada como ato de improbidade administrativa praticada por José Eliton.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Caiado entrega relatório de contas de 2018 ao TCE, em Goiânia

Entre as despesas não empenhadas pelo governo passado estão R$ 1,248 bilhão do pagamento de pessoal, R$ 396 milhões de despesas de custeio e R$ 38 milhões de investimentos.
09/04/2019, 20h22

O relatório de contas do Executivo Estadual referente ao exercício do ano de 2018 foi entregue nesta terça-feira (9/4) pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), ao presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Celmar Rech, em Goiânia. O documento contêm dados de todos os poderes e órgãos da administração direta e indireta, dividido em Gestão Orçamentária, Financeira, Patrimonial e Fiscal. Segundo os dados levantados pelo governo estadual, o déficit do orçamento chega a R$ 3,023 bilhões.

Conforme divulgado pelo governo estadual, o relatório apresentado hoje ao presidente do TCE, foi feito sem maquiagem e faz uma radiografia completa das finanças de Goiás. “Entregamos o documento para mostrar para as pessoas que não é preciso insistir na tese de que estamos falando de problemas, de crise, e estamos indignados com o fato de termos recebido o Estado na situação em que ele se encontra hoje”, explicou Caiado.

Durante coletiva ao entregar o relatório o governador comparou a situação com um paciente internado com pneumonia, pois “não posso simplesmente dizer para ele ir para casa, por que é apenas uma gripe”. O governador afirma que quem não cumpre com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem que pagar por crime de responsabilidade.

Déficit apontado pelo relatório de contas da gestão passada é de R$ 3,023 bilhões

Conforme o levantamento feito do orçamento referente ao ano passado, os números mostram um déficit de R$ 1,341 bilhão, com uma arrecadação de R$ 24,466 bilhões representando um aumento de 8,8% em comparação com 2017. Em despesas empenhadas foi registrado R$ 25,807 bilhões o que mostra um aumento de 13,24% em comparação com o ano anterior.

O relatório ao juntar os dados de arrecadação e gastos pela gestão anterior, mostra que existe um déficit de R$ 3,023 bilhões. Entre as despesas não empenhadas pelo governo passado estão R$ 1,248 bilhão do pagamento de pessoal e R$ 396 milhões de despesas de custeio e R$ 38 milhões de investimentos.

Segundo os dados divulgados pela atual gestão quando analisado a questão financeira do Estado do ano de 2018, os quais estão discriminados como restos a pagar, ou seja, despesas que foram empenhadas e liquidadas e que não foram pagas, o valor é de R$ 1,952 bilhão, que é equivalente ao mesmo valor registrado em 2017 com um total de R$ 1,75 bilhão.

Vale ressaltar que a gestão passada encerrou o ano com um crescimento de 1,26% em comparação com 2017, ao cumprir metas fiscais, com um total de R$ 21,298 bilhões, medido pelo indicador da receita, especificado pela LRF.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.