Goiás

Padrasto bêbado mata com socos bebê de 1 ano, em Goiás

Homem tentou enganar os médicos, mas confessou que matou porque a criança chorava.
19/04/2019, 22h37

Padrasto, Gabriel Felizardo Silva, de 21 anos, mata enteada, uma bebê de 1 ano e três meses e é preso  após confessar ter agredido a criança com socos na manhã desta sexta-feira (19/4), em Santa Rita do Araguaia, em Goiás.

O caso ocorreu dentro da casa em que a criança morava com a mãe e o padrasto, que teria dito, inicialmente, que a bebê havia caído sozinha.

Na delegacia, em entrevista para uma rádio local, Gabriel assumiu que agrediu a menina porque ela chorava e não queria dormir.

A bebê foi levada a um hospital da cidade, mas devido à gravidade dos ferimentos, principalmente na cabeça, morreu.

O delegado de Mineiros, Júlio César Arana, informou ao Dia Online que as agressões ocorreram enquanto a mãe da criança dormia. “A mãe nos contou a primeira vez, mas ele foi confrontado e contou a verdade”, disse.

Quando foi acordada pelo marido, a moça foi com ele para o hospital, onde contou a versão da queda. O médico e enfermeiros estranharam que a criança tivesse caído da cama e chamaram os policiais.

Sob a orientação do delegado Júlio César Arana, os policiais, com a perícia, foram à residência do casal. Ali, viram sangue pelos cômodos.

A suspeita aumentou quando encontraram a camiseta do padrasto ensanguentada.

Padrasto que matou bebê diz que agiu sozinho, em Goiás

Diante das informações, o delegado Júlio César pediu para ouvir o padrasto, ao que ele confessou o crime. “Ele ainda disse que agiu sozinho”, complementa o delegado.

Gabriel bebeu durante a madrugada e, quando voltou para casa, viu que a criança não parava de chorar. Ele, então, conforme contou na delegacia, iniciou as agressões.

O padrasto bateu diversas vezes na nuca da bebê, que desmaiou e ficou caída no chão. Em seguida, o agressor acordou a mãe da criança com a história da queda.

Ao chegarem no hospital, souberam que a criança havia sofrido traumatismo craniano.

Para um repórter da Gazeta Mineiros Notícia, Gabriel contou que estava embriagado. “Eu estava tomando uma cerveja em casa, depois fui levar minhas primas embora, aí quando cheguei a criança estava no meio da sala chorando que não queria dormir. Eu coloquei ela pra dormir de novo, ela não quis. Aí eu peguei, me descontrolei e bati nela de mão fechada”, contou o padrasto.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Acidente em Cezarina deixa ambulância destruída e 4 feridos

A ambulância seguia do município de Mineiros para Goiânia e transportava um paciente que estava entubado.

Por Ton Paulo
20/04/2019, 08h57

Um acidente envolvendo uma ambulância e um caminhão foi registrado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) ma madrugada deste sábado (20/4), na BR-060, em Cezarina, a 70 quilômetros de Goiânia. A ambulância levava um paciente que estava entubado, a caminho do hospital, quando acabou colidindo com a traseira do caminhão. O acidente em Cezarina acabou deixando quatro pessoas feridas.

Conforme informações da PRF, o acidente ocorreu no KM 235 da BR-060, nesta madrugada. A corporação policial conta que tudo começou quando o veículo de resgate do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, Samu, que seguia do município goiano de Mineiros para Goiânia e levava um paciente que estava entubado, acompanhado de sua esposa, médico, de 36 anos e uma enfermeira, de 33, bateu na traseira de um autocarga que seguia no sentido Indiara a Cezarina.

Com o impacto da batida, os quatro passageiros tiveram ferimentos graves, foram socorridos por outras unidades do Samu e Corpo de Bombeiros e foram encaminhados para o Hospital Estadual de Urgências de Goiânia, o Hugo.

O motorista da ambulância, de 50 anos, ficou ileso, ele não soube explicar o motivo da colisão, mas adiantou que, inesperadamente, o autocarga apareceu repentinamente em sua frente e ele não conseguiu evitar o choque. Os dois motoristas envolvidos no acidente foram submetidos ao teste de bafômetro e nenhum deles estava alcoolizado.

A reportagem do Dia Online segue apurando para descobrir o estado dos feridos encaminhados para o Hugo, em Goiânia.

Acidente em Cezarina deixou ambulância com paciente entubado completamente destruída

A batida na traseira do caminhão na BR foi tão violenta que deixou a ambulância que levava o paciente entubado completamente destruída.

Veja o vídeo feito pelos agentes da Polícia Rodoviária Federal que mostra o estado em que ficou o veículo de socorro após o acidente na BR-060, em Cezarina.

.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

França: coletes amarelos protestam pelo 23º final de semana consecutivo

Vários protestos estão planejados em Paris e outras cidades, completando o vigésimo terceiro fim de semana do movimento contra a desigualdade e a liderança do presidente Emmanuel Macron.
20/04/2019, 09h08

Os manifestantes franceses de colete amarelo estão marchando novamente neste sábado para lembrar ao governo que a reconstrução da Catedral de Notre Dame, devastada pelo fogo na última segunda-feira (15), não é o único problema que o país precisa resolver.

Vários protestos estão planejados em Paris e outras cidades, completando o vigésimo terceiro fim de semana do movimento contra a desigualdade e a liderança do presidente Emmanuel Macron.

Um grupo quer marchar sobre o palácio presidencial apesar da presença policial maior do que o habitual. Outro objetivo é mostrar o luto de colete amarelo sobre o incêndio de Notre Dame, mantendo a pressão sobre Mácron.

Muitos manifestantes ficaram profundamente entristecidos pelo incêndio no monumento nacional. Ainda assim, muitos estão zangados com os US$ 1 bilhão em doações para a reconstrução de Notre Dame, despejados de magnatas franceses, enquanto suas próprias demandas permanecem em grande parte não atendidas e eles lutam para sobreviver. Fonte: Associated Press.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Brasileira do basquete que vendeu prata olímpica pelo filho pede ajuda ao governo

Claudia se tornou aluna de Direito e quer desenvolver um projeto de assistência jurídica para famílias que precisam de tratamento médico no exterior.
20/04/2019, 09h59

Em 2016, a ex-jogadora de basquete Claudia Pastor iniciou uma campanha nas redes sociais para conseguir recursos para o tratamento de seu filho, Maurílio. O problema eram crises diárias em que quase perdia a consciência e não sabia onde estava. Ela decidiu leiloar a medalha de prata que havia conquista nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, ao lado de Paula e Hortência.

Arrecadou R$ 35 mil, contou com a ajuda de amigos – esportistas e anônimos – e conseguiu os cerca de R$ 100 mil que precisava para a cirurgia na França. Aos 16 anos, o menino está praticamente curado. Claudia se tornou aluna de Direito e quer desenvolver um projeto de assistência jurídica para famílias que precisam de tratamento médico no exterior.

Resumidamente, essa é a trajetória recente dessa ex-pivô de 47 anos, sorridente e que disfarça a altura de 1,90m sempre com sapatos rasteiros. Mas alguns detalhes da história merecem mais atenção. O primeiro é a doença de Maurílio.

Durante anos, o garoto passou por médicos, psicólogos, neurologistas e psiquiatras. Nenhum dele soube dizer a origem das crises. A resposta veio da Unicamp. O nome correto da doença é Hamartona Hipotalâmico. É um tumor benigno no hipotálamo, uma das mais importantes estruturas do sistema nervoso central e responsável pelo controle das emoções e comportamento. Desde pequeno, o menino sentia um mal-estar, rigidez muscular e confusão no raciocínio. Isso acontecia umas três vezes por dia. “Não sentia nenhuma dor, mas perdia minha consciência e perguntava: mãe, onde estou?”, diz o adolescente.

Artur Malzyner, oncologista e consultor científico da Clínica de Oncologia Médica (Clinonco), explica que a doença é rara e pode ser tratada clinicamente. “A cirurgia é delicada, pois envolve uma área de difícil acesso no cérebro”, explica o especialista. “Depois da cirurgia, eu me sinto uma pessoa normal. Antes, não andava sozinho e tinha medo de acontecer alguma coisa”, diz Maurílio.

A MEDALHA QUE SE FOI – Cláudia Pastor não tinha recursos financeiros para a cirurgia, que deveria ser realizada na França. Em 2016, o país era um dos poucos que oferecia a cirurgia robótica, ideal para corrigir o tumor em um local delicado como o hipotálamo.

Para custear a viagem, ela fez um leilão da medalha de prata que havia conquistado na Olimpíada de 1996. “A medalha foi arrematada por R$ 35 mil. Mas o valor agregado por ela foi muito maior que esse, pois as pessoas se envolveram e se sensibilizaram”, conta.

Claudia conseguiu R$ 100 mil necessários para a cirurgia. “Não sinto falta da medalha. Eu fiz o que tinha de fazer. Não me arrependo Faria novamente”, conta a ex-atleta.

RETRIBUIÇÃO – Após a cura do filho, Claudia voltou a estudar. Hoje, ela está no terceiro ano de Direito do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal), no câmpus Americana. Um de seus projetos pretende retribuir, de certa forma, o apoio que teve para a cirurgia de Maurílio.

Com a ajuda da universidade, ela vai desenvolver um projeto para que tratamentos médicos no exterior, como esse que ela vivenciou com o filho, possam ser garantidos e custeados pelo Estado. Hoje, as ações que pedem reembolso ou ajuda do poder público não conseguem êxito. “Essa é uma área nova no Brasil. Devemos começar o projeto no ano que vem”, planeja o professor Flávio Rossi, coordenador da Pós-graduação MBA Gestão em Americana.

“Tive a oportunidade de ter uma medalha olímpica e poder realizar a cirurgia do meu filho. Muitas famílias não têm essa oportunidade”, diz Claudia.

AUGE FOI EM ATLANTA-1996 – A ex-pivô Claudia Maria Pastor teve uma carreira curta, mas marcante. Ela começou a jogar basquete em 1987, aos 16 anos, idade tardia para quem quer se tornar profissional. Mas ela conseguiu. Atuou no basquetebol paulista, principalmente em Campinas. O auge de sua carreira foi na Olimpíada de 1996.

A seleção chegou à Atlanta como campeã mundial, título conquistado dois anos antes na Austrália. A equipe contava com “Magic” Paula, Hortência, Janeth, Leila e Alessandra. Completavam a equipe Adriana, Cíntia Tuiú, Claudia, Branca, Marta, Roseli e Silvinha.

Na época, a equipe de Miguel Ângelo da Luz chegou à disputa da medalha de ouro invicta, após vitórias sobre Canadá, Rússia, Japão, China, Itália, Cuba e Ucrânia. Na decisão contra as norte-americanas, as brasileiras não resistiram ao maior poderio do adversário. O placar foi 111 a 87 (69 a 54 no primeiro tempo).

“Um dos maiores objetivos de qualquer atleta é jogar em uma Olimpíada. Participar do evento e trazer de lá um símbolo de vitória não têm preço. É gratificante”, diz Claudia, que encerrou a carreira precocemente, aos 26 anos, em função de uma grave lesão no joelho esquerdo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Jaguatirica é encontrada em quintal de residência no centro de Quirinópolis

A mulher notou o bicho em cima de uma árvore quando andava pelo quintal de casa, em Quirinópolis.

Por Ton Paulo
20/04/2019, 11h12

Uma moradora do município de Quirinópolis, a 290 quilômetros de Goiânia, tomou um baita susto na tarde da última sexta-feira (19/4), feriada de Semana Santa. Numa caminhada pelo quintal de sua casa, no centro da cidade, a mulher notou um animal estranho em cima de uma árvore, grande demais para ser um gato e que fazia um barulho que também não pertencia a um felino doméstico. Tratava-se nada mais do que uma jaguatirica.

Assustada, a mulher correu e chamou seu filho para verificar se realmente se trava do bicho que eles suspeitavam, suspeita essa que foi confirmada. Eles, então, acionaram o Corpo de Bombeiros através do número 193.

Jaguatirica é encontrada em quintal de residência no centro de Quirinópolis
Jaguatirica na árvore em Quirinópolis / Foto: Corpo de Bombeiros

Ao chegarem ao local informado, por volta das 17h de ontem, os bombeiros constataram realmente ser uma jaguatirica aninhada no topo da árvore. Eles, então, começaram o procedimento padrão de salvamento de animais selvagens. O cabo Leonardo, ao Dia Online, disse que foram usados instrumentos específicos para ocorrências assim. “Nós usamos uma ferramenta chamada cambão, que é uma espécie de vara com laço de corda na ponta. Com ele a gente impede que o animal seja ferido e que ele machuque alguém”, explica.

O bombeiro ainda informou que o animal era do tipo “filhotão”- ainda filhote mas em transição para a idade adulta.

Jaguatirica de Quirinópolis teve estado de saúde avaliado e solto na natureza

O cabo Leonardo, do Corpo de Bombeiros, conta que é um procedimento padrão, em ocorrências de salvamento de animais selvagens, sempre avaliar o estado de saúde do bicho antes de soltá-lo. “Nós sempre costumamos verificar se o animal está ferido ou doente, porque em caso positivo, nós o encaminhamos para tratamento veterinário”, diz.

Como a jaguatirica resgatada estava em perfeito estado de saúde, ela foi solta em seu habitat natural, numa zona de matar de Quirinópolis – de onde, provavelmente, ela veio.

Veja o vídeo do momento em que o bicho é solto na mata:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.