Goiás

Bêbado, homem mata sogro e deixa namorada desfigurada, em fazenda de Senador Canedo

De acordo com a polícia, o homem foi detido por homicídio e dupla tentativa de homicídio.

Por Ton Paulo
23/04/2019, 08h55

Um crime chocante envolvendo tentativa e homicídio concretizado em família foi registrado na noite da última segunda-feira (22/4), numa zona rural de Senador Canedo, a 27 quilômetros de Goiânia. Depois de ingerir bebida alcoólica, um homem atacou com golpes de faca seus sogros e sua namorada, deixando o rosto dela desfigurado. O pai dela não resistiu aos ferimentos e acabou indo a óbito.

Conforme informações da Polícia Militar (PM), uma equipe do equipe do 27º BPM foi acionada por volta das 21h30 de ontem para atender a ocorrência que se passou na Fazenda Bom Sucesso, na zona rural de Senador Canedo.

De acordo com a corporação, Maycom Sullyvam Alves, de 27 anos, havia ingerido grande quantidade de bebida alcoólica quando iniciou um desentendimento com seus sogros e sua namorada, de 25 anos. Maycom desferiu vários golpes de facas na sogra, depois no sogro e por fim atacou a namorada. Com o ataque, o rosto da moça ficou desfigurado.

Em informações levantadas pelo Dia Online, o homem teria chegado à sede da fazenda também sob efeito de drogas quando começou a atacar os familiares da namorada que estavam no local.

Homem atacado pelo genro em fazenda de Senador Canedo foi a óbito

Após o ataque de fúria impulsionado pelo álcool por parte do homem, a sogra e a namorada foram conduzidas ao Cais Amendoeiras, no Parque das Amendoeiras, para atendimento médico. Já o sogro não resistiu aos ferimentos provocados por faca e morreu ainda no local do crime.

De posse das informações acerca da autoria, a PM fez diligências e encontrou o local onde Maycom estava escondido, no Bairro Recanto das Minas Gerais, em Goiânia. Ele foi detido e conduzido para o DP de Senador Canedo para providências legais.

Conforme os policiais, Maycom foi detido por homicídio e dupla tentativa de homicídio, logo após o cometimento do crime.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Menores são apreendidos suspeitos de matar homem por R$ 100, em Aragarças

O trio confessou o crime, ocorrido em 9 de dezembro de 2018. Se condenados, eles podem cumprir medida socioeducativa de no máximo três anos.
23/04/2019, 09h11

Três adolescentes foram apreendidos suspeitos de espancar e matar colega por suposto furto de drogas e de R$ 100. O crime ocorreu na madrugada do dia 9 de dezembro de 2018, em Aragarças, região Noroeste de Goiás, em frente a um motel. Eles foram detidos nesta segunda-feira (22/4), em cumprimento a um mandado de internação provisória. Câmeras de segurança registraram parte da ação criminosa.

Uelson da Silva Costa, de 37 anos, teria furtado de um dos menores drogas e uma quantia de R$ 100, enquanto bebiam juntos. Ao sentir falta do dinheiro, o adolescente comunicou outros dois colegas sobre o suposto furto e juntos saíram em procura da vítima.

Adolescentes confessam matar homem por suposto furto em Aragarças

Pelas imagens é possível ver que dois adolescentes, que chegam em bicicletas, começam a agredir Uelson, que tenta correr. Em seguida, um dos adolescentes arremessa um pedaço de concreto na vítima, que continua a correr. Fora do alcance das câmeras de segurança, os dois adolescentes que aparecem nas imagens e um outro, que seria o dono do suposto dinheiro furtado, concluem o crime.

Uelson morreu depois de ser espancado e esfaqueado. Veja parte da ação criminosa registrada pelo circuito de segurança de comércios locais:

Os adolescentes, todos de 17 anos, foram apreendidos nesta segunda-feira (22/4), quatro meses após o crime, em cumprimento a um mandado de internação provisória. De acordo com informações da Polícia Civil, eles confessaram participação no crime.

Os menores responderão por ato infracional análogo ao crime de homicídio. Se condenados eles podem cumprir medida socioeducativa de no máximo três anos.

Menores apreendidos

Até outubro do ano passado, a Delegacia Estadual de Apuração de Atos Infracionais (Depai) apreendeu 100 adolescentes envolvidos em casos graves, tais como homicídios, latrocínios, roubos, estupros, tráfico de drogas e associação criminosa, entre outros. Neste ano, mais de 30 já foram detidos pelos mesmos crimes, somente em Goiânia.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Casal é preso com games, armas e anabolizantes do Paraguai, em Anápolis

A mulher conduzia o veículo e os dois vinham do país fronteiriço trazendo enorme quantidade de contrabando.

Por Ton Paulo
23/04/2019, 10h38

Um casal que transportava video games, munições, armas e anabolizantes do Paraguai foi preso na madrugada desta terça-feira (23/4) numa rodovia que corta Anápolis, a 55 quilômetros de Goiânia. A mulher conduzia o veículo e os dois vinham do país fronteiriço trazendo enorme quantidade de contrabando.

A prisão foi feita pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-060 e, segundo a corporação, a mulher, de 24 anos, conduzia um Toyota Corolla e tinha como passageiro um homem, de 29 anos.

Ainda conforme a PRF, durante o patrulhamento da rodovia, agentes policiais pararam o carro para fiscalizações de rotina ao perceberem que o veículo estava com defeitos no sistema de iluminação. Entretanto, não sabiam que descobririam ainda mais transgressões além da iluminação defeituosa.

Quando checaram as bagagens do casal, os policiais encontraram grande quantidade de produtos contrabandeados do Paraguai (país muito procurado para compra de itens para revenda ilegal). Havia com eles duas pistolas, dezenas de munições, diversos eletroeletrônicos e cerca de 800 anabolizantes escondidos em meio às roupas dentro de malas e mochilas.

Um dos eletroeletrônicos apreendidos era um video game Xbox One S, cujo preço numa loja brasileira e com nota fiscal varia entre R$ 1.200 a 1.500 reais.

Homem disse que armas e anabolizantes do Paraguai seriam revendidos em Brasília

Após a prisão do casal, o homem informou aos policiais que o contrabando adquirido no Paraguai seria revendido a particulares em Brasília.

Além das pistolas, das munições e dos anabolizantes (cerca de 800 frascos), o casal também levava diversos celulares, fones de ouvido, pen drives e outros acessórios e aparelhos da área de informática.

O homem também informou aos policiais que adquiriu os produtos em Ciudad Del Este, que fica no Paraguai. A ocorrência foi encaminhada à Polícia Federal em Anápolis.

Veja o vídeo do momento da prisão e da contagem dos itens apreendidos, frutos de contrabando do Paraguai:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

MP exige que seja aberta licitação para serviço de mototáxi em Goiânia

Processo para abertura de licitação segue desde de 2013, de acordo com ação civil pública.
23/04/2019, 11h28

A Justiça determinou que a Prefeitura de Goiânia realize licitação para serviço público de mototáxi na capital. O pedido foi feito pelo Ministério Público de Goiás (MPGO) e acolhido pela juíza Jussara Cristina Louza. A determinação foi dada no dia 21 de janeiro deste ano, mas só divulgada nesta terça-feira (23/4).

De acordo com o documento, o município deve declarar também a nulidade do Decreto n° 1.072/2008, que regulamenta a Lei nº 8.622/ 2008, e altera o Regulamento do Serviço de Mototáxi, por sua ilegalidade, como apontado pelo promotor de Justiça Fernando Krebs.

A ação foi proposta em 2016, mas de acordo com o MP-GO, as investigações sobre o tema tiveram início em 2013, quando foi recomendado à Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) de Goiânia para que licitasse o serviço de mototáxi no prazo de 90 dias. Na ocasião, foi destacado que desde 2001 não se realizava processo licitatório para o serviço na capital. Na data, constavam no sistema municipal cerca de 1.300 autorizações.

Segundo MP, pedido de licitação de mototáxi em Goiânia segue desde 2013

Nesta ação civil pública com pedido liminar, a MP reforçou que em 2016 uma segunda recomendação foi encaminhada à Prefeitura, mas novamente não atendida sob a alegação de que o serviço é regido por lei, que institui o sistema de transporte e prestação de serviços de motocicletas, sendo que o meio que o respaldava era a autorização, motivando a propositura da ação, em que também requereu a declaração incidental de inconstitucionalidade de leis e decretos relativos ao serviço, por usurpação da competência legislativa da União pelo município.

Diante disso, a magistrada considerou “procedente a presente ação civil pública para determinar que o requerido promova a licitação para o serviço público de mototáxi neste Município, bem como para declarar a nulidade do Decreto nº 1072/2008, por sua manifesta ilegalidade.” A sentença está sujeita ao duplo grau de jurisdição.

Via: MPGO MPGO 
Imagens: Bahia.ba 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

UEG desviou mais de 50% dos recursos do Pronatec em 2018, diz CGE

De acordo com o órgão, 17 maiores beneficiários do alto escalão da UEG receberam, juntos, R$ 1,29 milhão do Pronatec em 2018.

Por Ton Paulo
23/04/2019, 12h37

Divulgado na última segunda-feira (22/4), o relatório resultante da inspeção feita pela Controladoria-Geral do Estado de Goiás (CGE-GO) na Universidade Estadual de Goiás (UEG) revelou que a cúpula da instituição desviou 53,4% dos recursos federais do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, o Pronatec, só em 2018. De acordo com o documento, a UEG recebeu quase R$ 9 milhões do programa no ano passado, mas apenas metade desse valor teve o destino correto (estudantes e trabalhadores de baixa renda). A outra metade foi gasta de forma irregular, com apoio administrativo e membros do alto escalão da universidade.

Conforme constatado pelos dados da CGE, a UEG recebeu R$ 8,99 milhões do Pronatec e utilizou R$ 8,65 milhões em despesas com pessoal. Desse total, R$ 4,8 milhões (53,4%) foram gastos com 248 pessoas do apoio administrativo, incluídos o reitor e membros da alta direção da Universidade; R$ 2,3 milhões (26,1%) pagos a 324 professores e R$ 1,4 milhão (16,5%) repassado a 4.192 alunos.

O Pronatec, programa que utiliza recursos federais, tem como foco principal ampliar a oferta de educação profissional e tecnológica por meio de programas, projetos e ações de assistência técnica e financeira, cujos objetivos são atender prioritariamente estudantes, trabalhadores e beneficiários de programas federais de transferência de renda, tais como o Bolsa-Família. Entretanto, de acordo com a CGE, o que se nota é que na UEG os recursos foram utilizados em sua maioria para bancar um pequeno número de pessoas da área administrativa, enquanto a área-fim do programa recebeu a menor parte.

A inspeção foi feita ao longo do mês de março, e o relatório assinado e divulgado ontem.

CGE revela que 17 servidores da UEG receberam, juntos, R$ 1,29 milhão de recursos desvirtuados

Pelo levantamento da CGE, apenas os 17 maiores beneficiários de apoio administrativo do Pronatec na UEG receberam juntos, em 2018, R$ 1,29 milhão, que corresponde a 26,8% do total gasto com pessoal. De acordo com o relatório, houve a distribuição de bolsas a profissionais de apoio administrativo, sem a apresentação de critérios de escolha e definição dos valores individuais dessas bolsas, em cifras substancialmente superiores às praticadas na área federal.

Como exemplo, o reitor Haroldo Reimer e o pro-reitor Marcos Antônio Cunha receberam R$ 97,5 mil no ano e a chefe de Gabinete recebeu R$ 96,6 mil, enquanto resolução do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) estipula que o máximo que o bolsista poderia receber seria R$ 48 mil para os dois primeiros e de R$ 42,2 mil para a última. Esses valores correspondem aos bolsistas que exercem carga horária semanal máxima de 20 horas dedicadas ao programa. “Essa discrepância se repete em boa parte dos profissionais administrativos contratados”, diz o órgão.

Ao Dia Online, um assessor da CGE disse que é normal parte dos recursos serem destinados para apoio administrativo, mas “o que se viu foi um grande desvirtuamento de recursos, que não foram aplicados onde deveriam“.

O relatório com os dados da inspeção e recomendações para adequação à legislação federal foi encaminhado à UEG, que deve informar a CGE sobre as providências tomadas. A CGE também repassará hoje (23/4) o relatório para o Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra a Administração Púbica (Decarp), para conhecimento e medidas cabíveis. Por se tratar de verbas da União, será encaminhado também para o Tribunal de Contas da União, Ministério da Educação e Polícia Federal.

UEG se manifesta e diz que “haverá pagamento de bolsas apenas para professores e alunos” até o final da análise do processo

Procurada pela reportagem do Dia Online, a UEG se manifestou por meio de nota. A instituição disse que até que o departamento jurídico da Universidade analise todo o processo da CGE, o pagamento do Pronatec será feito apenas a professores e alunos.

A instituição disse ainda que “nenhum dos nomes citados faz parte do rol de servidores com funções no Pronatec/2019 da Universidade”. Confira a nota abaixo:

“A Universidade Estadual de Goiás informa que recebeu da Controladoria Geral do Estado (CGE) diversas orientações a respeito do oferecimento de cursos pelo Pronatec. As medidas foram seguidas de imediato e estão em vigor no oferecimento MédioTec/2019.

O Pronatec/2019 oferece à comunidade 16 cursos MédioTec para estudantes do ensino médio da rede pública de 15 cidades. São 400 estudantes matriculados. As atividades administrativas estão sendo desenvolvidas de acordo com as demandas, tanto na Administração Central da UEG, quanto nos Câmpus. 

Até que o departamento Jurídico da Universidade analise todo o processo, haverá pagamento de bolsas apenas para professores e alunos. Uma instrução normativa contendo a lista dos profissionais do apoio administrativo, bem como uma série de modificações, também está em análise pela Gerência Jurídica da UEG. 

A UEG informa ainda que nenhum dos nomes citados faz parte do rol de servidores com funções no Pronatec/2019 da Universidade e que desde o final de março já foi designado um novo coordenador geral para o Programa. O Pronatec da UEG deste ano foi reestruturado e está menor, apenas oferecendo cursos MedioTec.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.