Mundo

Ciclone Fani deixa ao menos 42 mortos na Índia e em Bangladesh

O saldo é muito menor do que os ciclones anteriores, segundo funcionários dos dois países.
05/05/2019, 16h44

Pelo menos 42 pessoas morreram na Índia e emBangladesh após a passagem do ciclone Fani, de acordo com um balanço das autoridades divulgadas neste domingo, 5.

No estado de Odisha, no leste da Índia, houve 29 mortes; em Bangladesh, foram 13. O saldo é muito menor do que os ciclones anteriores, segundo funcionários dos dois países.

O ciclone atingiu o estado de Odisha na sexta-feira, com ventos de quase 200 km/h, e foi perdendo força em direção a Bangladesh. Puri, uma cidade de peregrinação hindu, registrou 21 mortos, disse o chefe dos serviços de resgate do estado, Bishnupada Sethi. “Tentamos confirmar a identidade das vítimas, mas como as redes de comunicação estão danificadas, leva tempo”, disse Sethi à AFP.

O saldo em Bangladesh inclui seis pessoas que teriam morrido devido a um raio, disse Golam Mostofa à AFP. Milhares de árvores e torres de telecomunicações foram arrancadas. Muitas casas ainda estavam sem eletricidade neste domingo, pelo terceiro dia consecutivo.

Fani, que passou por áreas onde cerca de 100 milhões de pessoas vivem, foi a quarta tempestade do gênero a atingir a costa leste da Índia em três décadas. Geralmente tempestades tropicais ocorrem em outubro e novembro. Em 2017, o ciclone Ockhi deixou quase 250 mortos e mais de 600 desaparecidos nos estados de Tamil Nadu e Kerala. No final de 1999, o estado foi atingido por um superciclone que deixou cerca de 10 mil mortos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Vídeo mostra tentativa de abordagem e tiros na rua, em Aparecida de Goiânia

Durante a ação houve um disparo, porém ninguém ficou ferido.
05/05/2019, 18h53

Uma tentativa de abordagem no trânsito no início da tarde deste domingo (5/5) por pouco não terminou em tragédia, na Rua Fortaleza, no Jardim das Esmeraldas, em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital.

Toda confusão foi filmada por moradores de um condomínio da região. No vídeo é possível ver um veículo modelo Mercedes/BMW de cor preta e com placa de Brasília parado com a porta do lado do motorista aberta. Em seguida o condutor da BMW ao lado do carro com a arma em mãos e efetua um disparo no chão.

Na sequência é possível ver que o primeiro envolvido na confusão segue o caminho, o atirador volta para o seu carro e faz como se fosse atrás do outro veículo. Os moradores alegaram que ficaram assustados com a situação, devido ao disparo efetuado no meio da rua.

Atirador em tentou se passar por policial com disparo de arma de fogo e sirene ligada

No vídeo em questão é possível notar que na BMW, que é de Brasília, há o som de uma sirene tocando, como se fosse da polícia.

A equipe da Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) da área esteve no local e levantou outras informações. Conforme o levantado pela polícia, não há registros de que a BMW pertença a um policial militar ou civil do Estado de Goiás.

A polícia afirmou também que o disparo foi feito de uma pistola calibre 380 e que o crime é configurado por lei, como disparo em via pública. De acordo com a PM, apenas as investigações vão indicar se um policial de fora foi o responsável por tentar a abordagem e se era o proprietário da BMW que a conduzia ou alguma pessoa autorizada por ele.

Segundo as informações da PM, ninguém foi preso na ocorrência, e apesar do susto dos moradores da área com o tiro efetuado, não houve feridos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Professora é morta a facadas pelo filho comissário de voo

Antes de esfaquear a própria mãe, suspeito acertou a cabeça dela com um vaso de vidro.
06/05/2019, 00h37

A professora Lucia Elisa Sanchez, de 51 anos, foi morta a facadas pelo filho, o comissário de voo Victor Sanchez, de 32 anos, em São João da Boa Vista (SP) na tarde de domingo (5/5).

O suspeito, que trabalhou como comissário de voo da Latam, tentou enganar os policiais dizendo que o padrasto teria cometido o crime, mas confessou que esfaqueou a mãe porque ela não lhe emprestou o cartão de crédito.

De acordo com a Polícia Civil, o filho disse que surtou quando percebeu que a mãe não daria o cartão para ele comprar cocaína.

A informação foi publicada pelo G1 São Paulo, baseada, segundo a reportagem, pelo registro da Polícia Militar.

Segundo a PM, Victor foi preso no condomínio onde morava com a mãe.

Aos policiais, inicialmente disse que o namorado da mãe teria matado ela. Os policiais, no entanto, entraram no apartamento e viram, além do sangue ao redor do corpo da professora, roupas do jovem sujas no banheiro.

Câmeras de seguranças do condomínio não identificaram ninguém estranho entrando no prédio, segundo a PM.

Antes de esfaquear a mãe, ele acertou a cabeça dela com uma jarra de vidro.

Depois de matar professora a facadas, comissário de voo pegou o cartão de crédito para comprar drogas

Com a mãe ensanguentada, Victor ainda pegou o cartão bancário da mãe e foi a um posto de gasolina sacar dinheiro.

Para o G1, o delegado de plantão Sérgio Ferreira do Carmo disse o suspeito não tinha passagens pela polícia. Ele era, contudo, dependente químico e passou por tratamento por três vezes.

“Ele contou que tinha cheirado cocaína na noite anterior e na manhã deste domingo ele não tinha dinheiro. Ele então resolveu matar a mãe para pegar o cartão bancário dela e conseguir dinheiro para comprar droga”, disse o delegado.

Ainda conforme o delegado disse ao G1, após matar a mãe, o jovem limpou o sangue, foi ao posto, sacou o dinheiro e abasteceu o carro.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Morre criança que foi atropelada e arrastada pela rua em Caldazinha

A pequena Kauane Vitória, de 1 ano e 8 meses, estava internada em Goiânia depois de ser atropelada e arrastada por 15 metros, em Caldazinha.

Por Ton Paulo
06/05/2019, 08h01

Após ser atropelada e arrastada por cerca de 15 metros no município de Caldazinha, a 28 quilômetros de Goiânia, no início da noite do último domingo (5/5), a pequena Kauanny Vitória, de apenas 1 ano e 8 meses, veio a óbito na madrugada desta segunda-feira (6/5). Ela estava internada no Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia, e não resistiu aos ferimentos.

O acidente que matou Kauanny Vitória, que tinha menos de 2 anos de idade, aconteceu na Rua João Nascimento, no centro de Caldazinha. Conforme a Polícia Militar (PM), a mãe de Kauanny, ao abrir o portão de casa, não percebeu que a criança saiu e correu para o meio da rua.

Ainda conforme informações da PM, o motorista de um carro de passeio, que vinha pela rua, não conseguiu frear e atingiu a pequena Kauanny em cheio. O veículo acabou arrastando a criança por cerca de 15 metros. O motorista do carro fugiu sem prestar socorro à criança.

Kauanny foi internada no Hugol, e sua morte foi confirmada na madrugada desta segunda-feira.

Criança atropelada e arrastada em Caldazinha foi levada de helicóptero para Goiânia

Conforme informações adiantadas por um jornal local,  uma equipe da PM composta pelo Sargento Cavalcante e o Soldado Gouveia passava pelo local quando o atropelamento ocorreu e conseguiu socorrer a criança.

Os militares levaram a criança em estado grave para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Senador Canedo, na região metropolitana de Goiânia, onde recebeu ali ela recebeu os primeiros socorros. Logo em seguida, o helicóptero dos bombeiros foi acionando e encaminhou a criança para o Hugol.

Em nota, a Polícia Civil disse que o caso será investigado pela Delegacia de Senador Canedo, e que o inquérito já foi instaurado. A polícia também confirmou o início das diligências.

Via: Mais Goiás 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Vence nesta segunda-feira prazo para regularizar título de eleitor em Goiás

Dos 100.988 eleitores goianos em situação irregular, apenas 3.417 atualizaram seus dados. Com o título cancelado, o eleitor perde direitos como obter passaporte e se inscrever em concurso público.
06/05/2019, 08h02

O prazo para regularização do título de eleitor junto à Justiça Eleitoral encerra-se nesta segunda-feira (6/5), de acordo com a Resolução do TSE nº 23.594/2018. A partir de hoje, os eleitores que faltaram aos últimos três pleitos eleitorais consecutivos terão seus títulos cancelados. Segundo o Código Eleitoral, sem o título, o eleitor perde direitos como obter passaporte, se inscrever em concurso público, e, em caso de servidores públicos, de receber salários.

Em Goiás, dos 100.988 votantes que estavam em situação irregular, de acordo com lista do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO), apenas 3.417 atualizaram seus dados; número equivale a 3,36%. Só na capital, cerca de 40 mil títulos podem ser cancelados. Confira a lista aqui (arquivo PDF).

Como regularizar o título de eleitor

Para regularizar o título, o eleitor goiano precisar ir ao cartório eleitoral ou posto de atendimento para emitir a guia de pagamento da multa, munido dos seguintes documentos:

  • Documento com foto
  • Título de eleitor ou e-Título
  • Comprovante de votação (caso o eleitor tenha comparecido às eleições)
  • Comprovante de justificativa (caso o eleitor já tenha justificado sua ausência)

Segundo o TRE-GO, em alguns casos, a guia para pagamento poderá ser emitida pela internet, pelo link http://www.tse.jus.br/eleitor/servicos/titulo-de-eleitor/quitacao-de-multas. Após o pagamento, o eleitor deve se dirigir ao cartório eleitoral para efetuar a baixa no sistema. Caso seja necessária alguma alteração no cadastro, o serviço pode ser feito no mesmo atendimento.

No caso de pessoas com dificuldade para votar, seja por deficiência ou problemas de locomoção, o eleitor ou algum parente deve ir a um cartório eleitoral e comprovar essa dificuldade. Um processo será aberto e o caso analisado por um juiz. Se constatada a impossibilidade, o eleitor ficará quite com a Justiça Eleitoral para as próximas eleições.

Já para os votantes que estão fora do país, a justificativa da ausência poder ser feita até 30 dias depois que retornarem ao país, mas se o nome constar na lista de títulos que podem ser cancelados, é necessário que a justifica chegue ao cartório eleitoral até o dia 6 maio.

Imagens: UOL 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.