Brasil

Ação retira lixo e protege espécies em águas costeiras de Ilhabela (SP)

Em 17 pontos, foi necessária a ação de mergulhadores para limpar o fundo do mar, poluído por latas, garrafas e resíduos de plásticos.
13/05/2019, 11h07

Uma parceria entre a iniciativa privada e o poder público vem garantindo a preservação de importantes espécies marinhas, como tartarugas, golfinhos e aves, no litoral de Ilhabela (SP). Nos últimos três meses, a ação Lixo Marinho já retirou duas toneladas de lixo flutuante ou submerso, que representam riscos para esses animais, em 31 costeiras da ilha.

Em 17 pontos, foi necessária a ação de mergulhadores para limpar o fundo do mar, poluído por latas, garrafas e resíduos de plásticos. Foram abordadas 239 embarcações para a entrega de sacolas ecológicas e folders educativos.

Quatro comunidades tradicionais – Castelhanos, Bonete, Ilha de Búzios e Ilha da Vitória – tiveram palestras sobre os impactos da poluição e o descarte correto do lixo.

Conforme o engenheiro ambiental Kelvin Teixeira, que atua no projeto, os mergulhadores têm papel importante no trabalho de limpeza, pois conseguem retirar plásticos, linhas e outros objetos depositados no fundo do mar e que podem afetar a vida marinha.

Tartarugas, peixes e golfinhos podem morrer após ingerir pedaços de plástico que se assemelham a águas-vivas, que fazem parte de sua dieta. Esses animais também são vítimas de redes ou linhas de pesca abandonadas no mar. “Recolhemos uma quantidade absurda de lixo, inclusive material de grande impacto na natureza, como pneus, colchões e isopor”, disse.

A ação Lixo Marinho e realizada pelo projeto Operação Praia Limpa, contratado pela prefeitura de Ilhabela com apoio institucional de empresas do setor privado e institutos ambientais.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Se apresenta à polícia homem que atropelou entregador de comida por App, em Goiânia

O homem disse à polícia que fugiu sem prestar socorro porque ficou com medo de "represálias dos populares".

Por Ton Paulo
13/05/2019, 11h27

O homem que fugiu após atropelar e matar um entregador de comida por App no setor Leste Universitário, em Goiânia, na última quinta-feira (9/5), se apresentou na delegacia de polícia na manhã desta segunda-feira (13/5). O motociclista se entregou três dias após a polícia divulgar o vídeo do ocorrido.

Conforme a Delegacia de Crimes de Trânsito (Dict), Alex de Souza Morais, de 21 anos, que atropelou e matou Guilherme Batista Pereira Araújo, de 27 anos, e fugiu sem prestar socorro, se apresentou na delegacia acompanhado de sua advogada e foi ouvido em Termo de Declarações, contando sua versão dos fatos.

De acordo a Dict, Alex contou que fugiu do local sem prestar socorro a Guilherme, após ter passado por cima dele com a motocicleta, porque ficou com medo de “represálias dos populares”.

A delegacia investigava o caso desde seu ocorrido, na quinta-feira. Um vídeo com imagens do momento em que Alex passa por cima de Guilherme com a motocicleta chegou a ser divulgado como ferramenta de auxílio de busca do paradeiro do autor do atropelamento.

Após ser ouvido na delegacia, Alex foi liberado.

Veja abaixo:

Relembre o caso do entregador de comida por App que morreu após ser atropelado

O acidente que ceifou a vida do jovem Guilherme Batista ocorreu por volta das 22h30 na Avenida Anhanguera, Setor Leste Universitário, em Goiânia. No ato de frear a motocicleta, o rapaz acabou sendo arremessado e foi atropelado por outro motociclista que vinha, que fugiu sem prestar socorro.

De acordo com informações da Dict na ocasião, Guilherme trafegava pela Rua A, sentido setor Vila Nova-Leste Universitário, via sinalizada com “Pare”, conduzindo a motocicleta Yamaha YBR preta.

No cruzamento com a Avenida Anhanguera, Guilherme percebeu a aproximação de uma outra motocicleta que trafegava pela Avenida Anhanguera, no sentido Centro. Por causa da aproximação do outro veículo, Guilherme acabou freando de forma brusca e, conforme a Dict, o freio dianteiro teria travado e seu corpo arremessado à frente. Nesse instante, o outro motociclista o atropelou, sem prestar socorro e sem permitir sua identificação.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

CDTC deve debater nesta terça a desobrigação do aumento da passagem de ônibus

Membros e reúnem pela primeira vez após reajuste da tarifa de R$ 4 para R$ 4,30; o novo valor está em vigor desde o último dia 19.
13/05/2019, 11h55

Uma reunião marcada para esta terça-feira (14/5), entre os 11 membros da Câmara Deliberativa dos Transportes Coletivos (CDTC), deve debater, entre outros assuntos relacionados a melhoria do transporte público em Goiás, a desoneração do aumento da passagem de ônibus. Esta será a primeira reunião do grupo após o aumento de 7,5%, que reajustou a tarifa de R$ 4 para R$ 4,30; o novo valor está em vigor desde o último dia 19.

De acordo com informações do presidente da Câmara, o prefeito de Trindade Jânio Darrot (PSDB), serão debatidos temas importantes como horários, limite de pessoas nos ônibus do transporte público e questões sobre uma possível greve dos servidores da Metrobus.

Também serão debatidas alternativas para a desobrigação do aumento da passagem de ônibus, uma vez que um novo reajuste é previsto para dezembro. “A questão da desoneração das tarifas, que nós podemos fazer isso de alguma forma, procurar uma maneira que nós tenhamos aí, outras linhas de fomento para não precisar de chegar todo ano e ter que repassar a inflação”, explicou Jânio Darrot em entrevista à Rádio Sagres.

Na reunião, os membros da CDTC também analisarão a criação que uma agência reguladora, que deve substituir a CDTC e a CMTC no sistema de gestão do transporte público de Goiânia e Região Metropolitana.

Aumento passagem de ônibus em Goiânia

Começou a valer no dia 19 de abril, em Goiânia e Região Metropolitana, o novo valor da passagem de ônibus. A tarifa que antes custava R$ 4 agora custa R$ 4,30. O reajuste de 7,5% foi aprovado em reunião d CDTC, ocorrida na última quarta-feira (17/4), no Paço Municipal.

O aumento da passagem foi aprovado por seis votos a dois, sendo estes dos representantes da Câmara Municipal de Goiânia e da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), vereador Lucas Kitão (PSL) e deputado Alysson Lima (PRB), respectivamente. Os dois parlamentares já haviam se manifestado contra o reajuste sem que fossem apresentados projetos de melhorias para o transporte público.

O cálculo para reajuste foi aprovado no dia 18 de março, em reunião do Conselho Regulador da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização dos Serviços Públicos (AGR). Desde então, a pauta seguia em análise por membros da CDTC. A reunião para aprovação do aumento chegou a ser adiada por duas vezes.

Via: Sagres Online 
Imagens: Folha Z 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Apreendidas em processos criminais, 250 armas são devolvidas às polícias de Goiás

As armas, oriundas de processos judiciais do âmbito criminal, serão devolvidas aos representantes da SSPG.

Por Ton Paulo
13/05/2019, 13h21

Acontece na tarde desta segunda-feira (13/5) a devolução de 250 armas institucionais para polícias de Goiás. As armas, oriundas de processos judiciais do âmbito criminal, serão devolvidas aos representantes da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás (SSPG).

A devolução das armas será feira pelo corregedor-geral da Justiça do Estado de Goiás, desembargador Kisleu Dias Maciel Filho, e acontecerá às 14h30 no Salão Nobre da Presidência do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, localizado no Setor Oeste, em Goiânia, próximo ao Bosque dos Buritis.

Conforme assessoria do Tribunal de Justiça, a devolução das armas, 250 ao todo, se dá como “forma de auxiliar as Polícias do Estado de Goiás assegurando que os trabalhos prestados em prol da segurança pública tenham maior efetividade”

As armas instituicionais, que não irão para a destruição, mas voltarão para o serviço operacional das corporações, estavam no Depósito Público do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás e são oriundas de processos judiciais do âmbito criminal. Inicialmente, o tenente-coronel Joneval Gomes de Carvalho Junior, assessor militar do TJGO, requereu à Corregedoria que oficiasse aos magistrados criminais atuantes no 1º grau de jurisdição e que possuem processos judiciais contendo armas de fogo pertencentes à corporação, autorização para que as armas fossem devolvidas às instituições.

Ofício circular determina prestação de informações sobre armas aptas para devolução às polícias de Goiás

Ainda segundo informações da assessoria, “o pleito do assessor militar do TJGO obteve parecer favorável do juiz Donizete Martins de Oliveira, auxiliar da CGJGO, e acolhimento por parte do corregedor-geral, que determinou expedição de ofício circular a todos os magistrados do Estado atuantes na esfera criminal do primeiro grau de jurisdição”.

As orientações do ofício são para que os magistrados prestassem as informações devidas sobre as armas de fogo aptas à devolução para as instituições policiais.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Bens de secretário e servidor de Trindade são bloqueados pelo MPGO

Com aval do secretário, servidor usou funcionários públicos para construir uma casa e reformar outra residência no município.
13/05/2019, 13h55

O juiz Eder Jorge decretou o bloqueio total de R$ 434.562,00 das contas do secretário de Infraestrutura, Trânsito e Transporte de Trindade, Edmar Antônio Alves, mais conhecido como Coquinho, e do coordenador executivo de Pavimentação Asfáltica do município Diogo de Paula Silveira. O pedido de bloqueio foi feito pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO). Conforme o órgão das contas do secretário o valor bloqueado é equivalente a R$ 241.018,15; enquanto de Diogo bloqueio é de cerca de R$ 193.543,85.

A liminar que determinou o bloqueio dos bens foi acolhida após uma ação civil pública por improbidade administrativa, movida pela promotora de Justiça, Patrícia Adriana Ribeiro Barbosa, da 5ª Promotoria de Trindade. Conforme o órgão, o bloqueio do valor é estimado nos danos causados aos cofres públicos de R$ 5.619,82. Uma das determinações na ação foi a aplicação de multa conforme estabelecido na lei de improbidade administrativa de R$ 187.924,02 para Diogo e R$ 235.398,33 para o secretário.

O magistrado em sua decisão afirmou que caso os valores não cheguem ao montante total, que seja decretada a indisponibilidade dos bens imóveis em nome dos requeridos e também autorizou o bloqueio dos veículos dos envolvidos.Segundo o MPGO, a ação foi protocolada devido a utilização de funcionários públicos e máquinas do município para benefício próprio do então superintendente executivo de Operações da Secretaria, cargo que Diogo de Paula Silveira ocupou em 2018.

Servidor que teve bens bloqueados usou funcionários e maquinário da Prefeitura em benefício próprio para construção de uma casa e reforma de outra

Bens de secretário e servidor de Trindade são bloqueados pelo MPGO
Foto: Reprodução

De Acordo com o órgão a denúncia foi de que o servidor estava usando mão de obra e maquinário do município para construção de uma casa no Setor Monte Cristo e reforma de outro imóvel em seu nome no Setor Sol Dourado.

Durante as investigações o MPGO enviou as informações levantadas no inquérito à Prefeitura de Trindade, que acabou com a exoneração de Diogo do cargo de Superintendente, todavia em janeiro de 2019, o servidor foi nomeado para o cargo de coordenador executivo de Pavimentação Asfáltica.

O MPGO ouviu durante as investigações depoimentos de diversas testemunhas que confirmaram as denúncias. Além do bloqueio determinado pelo MPGO, Diogo é investigado em duas circunstâncias distintas por ter recolhido parte do salário dos servidores e de assédio moral.

O órgão após levantar todas as informações determinou o bloqueio dos bens e pediu a condenação dos réus por improbidade administrativa, com ressarcimento integral dos danos causados e perda da função pública, além da suspensão dos direitos políticos de três a cincos anos e pagamento de multa com valor 20 vezes maior da remuneração do agente e proibiu a contratação com o poder público e receber benefícios por intermédio desta.

Via: MPGO 
Imagens: MPGO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.