Mundo

Guerrilha da Venezuela recebe míssil portátil

A Venezuela comprou 5 mil unidades desde 2010 e o país é de longe o maior usuário da América Latina.
13/05/2019, 09h10

A ameaça é leve, fácil de usar e eficiente – qualquer veículo aéreo que se desloque pelo espaço na distância entre 500 metros e 5,2 km, na altitude entre 10 metros e 3,5 mil metros, corre o risco de ser abatido bem depressa pelo míssil russo SA-24, o Igla-S, carregado com uma ogiva de 1,2 quilo de alto explosivo. A arma é portátil, para ser disparada por um homem só.

A Venezuela comprou 5 mil unidades desde 2010 e o país é de longe o maior usuário da América Latina. Agora, na hora da crise do regime de Nicolás Maduro, ameaçado por uma intervenção militar internacional, ele está repassando um número desconhecido de conjuntos de disparadores e de “agulhas” – como são chamados os mísseis finos e longos – para guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN), da Colômbia, que se refugiam desde 2017 em 12 dos 23 Estados venezuelanos. A informação circula entre os serviços de inteligência de Brasil e EUA, a partir de fontes colombianas.

Autoridades da Defesa do regime de Maduro contestam a informação. Um dos líderes guerrilheiros, Israel Ramírez, disse, em vídeo gravado em Havana, que não há cooperação entre chavismo e ELN. Mas não é o que sustenta o general Luis Navarro, comandante colombiano, segundo o qual os rebeldes, “ou certo número deles”, receberam instrução de combate para uso do Igla-S.

A negativa da Venezuela é interpretada pelo analista Pedro Scarpa, ex-pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos da Universidade Militar Bolivariana, como “um artifício para justificar um ataque contra uma aeronave estrangeira. Se lançado pelo ELN, descaracterizaria o envolvimento da tropa regular venezuelana – e permitiria criar dúvida quanto à obtenção, por um desvio de estoque”.

O conceito do míssil foi apresentado na Rússia em 1972, entrou em produção em 1981 e é adotado, em três versões, por cerca de 30 países – o Brasil, entre eles. Desenhado para ser apoiado no ombro, o sistema pesa pouco mais de 17 quilos.

Um visor digital lateral e mais dois sensores acoplados fazem a localização do alvo em aproximação. Sinais claros de cor, vibração e barras indicam a sequência para o disparo e, quase como em um videogame, a exatidão do enquadramento. É o suficiente. O preço varia segundo dispositivos opcionais, mas pode custar entre US$ 60 mil e US$ 90 mil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

PSDB de Goiás diz que corte no CRER é "dano irreparável" para a saúde pública

Na última semana, o CRER perdeu pelo menos três especialidades que atendiam cerca de 140 pacientes que estão agora com a situação indefinida.

Por Ton Paulo
13/05/2019, 10h05

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) divulgou uma nota de repúdio, no último domingo (12/5), onde chama os cortes feitos pelo governo Caiado no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER) de “grave retrocesso social”. Pela página do Facebook do PSDB de Goiás, o partido ainda diz que as demissões recentemente feitas e o corte no CRER, que é referência no país, constituem “dano irreparável para a saúde pública de Goiás”.

A nota, publicada no Facebook do diretório estadual do partido tucano, tem um tom duro de crítica e diz que medida de Caiado, através de novo contrato assinado para o CRER com a Organização Social (OS) responsável, “fere os interesses da população”. Veja abaixo a íntegra da nota:

“O desmonte que o Governo do Estado atualmente promove no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer) representa um grave retrocesso social e um dano irreparável para a saúde pública de Goiás. O PSDB posiciona-se contra mais essa medida que fere os interesses da população.

Por determinação do governo, o Crer acaba de perder três especialidades médicas: musicoterapia, reumatologia e psiquiatria. A decisão exclui do atendimento 140 pacientes com incapacidades ou sequelas.

O novo contrato assinado com o Governo do Estado pela da Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (Agir), organização social (OS) que gerencia o Crer, prevê cortes drásticos de recursos e metas dobradas, o que impossibilita a continuidade de atendimentos fundamentais para a população.

O PSDB continuará em constante mobilização da sociedade na defesa de instituições que prestam serviços essenciais voltados para a saúde e o bem-estar dos cidadãos.”

Corte no CRER teria vindo após renovação de contrato com a OS

Na última semana, o CRER perdeu pelo menos três especialidades que atendiam cerca de 140 pacientes que estão agora com a situação indefinida. Os alvos foram a Musicoterapia, Reumatologia e Psiquiatria).

As demissões dos profissionais das áreas teriam sido realizadas depois de uma revisão do contrato do Estado com a Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (Agir), OS que gere o CRER. O novo contrato, renovado em abril, prevê diminuição de verba e meta dobrada.

Em nota divulgada, o CRER afirmou que “as adequações promovidas no corpo clínico do hospital não guardam nenhuma relação com a renovação do contrato de estão, mas sim uma decisão dos profissionais em não manter o vínculo celetista com a instituição”.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Suspeito de sete homicídios é preso ao fugir pela contramão na BR-040, em Luziânia

Os crimes dos quais é acusado ocorreram em abril deste ano, na região de Valparaíso de Goiás.
13/05/2019, 10h27

Um jovem de 24 anos, suspeito de cometer sete homicídios, foi preso depois de tentar fugir da Polícia Rodoviária Federal (PRF) pela contramão na BR-040, em Luziânia, cidade goiana localizada no Entorno do Distrito Federal. Os crimes, todos cometidos no mês de abril, ocorreram na região de Valparaíso de Goiás.

A prisão do suspeito foi realizada na manhã de sábado (11/4). O carro em que ele estava havia sido roubado no último dia 9, também em Luziânia; uma menor de 15 anos, que estava com ele no veículo, foi apreendida. Segundo informações da corporação, a perseguição começou quando os policiais realizavam abordagens na altura do quilômetro 14 da BR-040, momento em que foram informados que um veículo com ocorrência de roubo/furto estava se aproximando da fiscalização.

Ao tentarem abordar o carro, modelo GM/Corsa Wind, o motorista não obedeceu a ordem de parada dos policiais, invadiu o canteiro central e transitou mais de um quilômetro pela contramão. Durante a perseguição policial, o condutor invadiu o canteiro central mais de uma vez, mas em seguida abandonou o veículo às margens da rodovia. Os dois ocupantes tentaram fugir a pé, mas foram alcançados pelos policiais momentos depois.

Jovem é suspeito de cometer sete homicídios em 30 dias

Conforme levantamento da PRF do Distrito Federal, o motorista, que não teve o nome revelado, tinha um mandado de prisão em aberto, que foi expedido em abril deste ano, em razão de uma das mortes das quais é acusado. Aos 24 anos, ele é suspeito de pelo menos sete homicídios ocorridos na região do Valparaíso de Goiás, somente no mês passado.

Ainda de acordo com a corporação, o homem, conhecido pela sua extrema frieza, era procurado pela justiça e por todas as forças policiais do entorno do Distrito Federal. Ele foi preso e encaminhado para o Centro Integrado de Operações de Segurança (CIOPs) de Luziânia.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Ação retira lixo e protege espécies em águas costeiras de Ilhabela (SP)

Em 17 pontos, foi necessária a ação de mergulhadores para limpar o fundo do mar, poluído por latas, garrafas e resíduos de plásticos.
13/05/2019, 11h07

Uma parceria entre a iniciativa privada e o poder público vem garantindo a preservação de importantes espécies marinhas, como tartarugas, golfinhos e aves, no litoral de Ilhabela (SP). Nos últimos três meses, a ação Lixo Marinho já retirou duas toneladas de lixo flutuante ou submerso, que representam riscos para esses animais, em 31 costeiras da ilha.

Em 17 pontos, foi necessária a ação de mergulhadores para limpar o fundo do mar, poluído por latas, garrafas e resíduos de plásticos. Foram abordadas 239 embarcações para a entrega de sacolas ecológicas e folders educativos.

Quatro comunidades tradicionais – Castelhanos, Bonete, Ilha de Búzios e Ilha da Vitória – tiveram palestras sobre os impactos da poluição e o descarte correto do lixo.

Conforme o engenheiro ambiental Kelvin Teixeira, que atua no projeto, os mergulhadores têm papel importante no trabalho de limpeza, pois conseguem retirar plásticos, linhas e outros objetos depositados no fundo do mar e que podem afetar a vida marinha.

Tartarugas, peixes e golfinhos podem morrer após ingerir pedaços de plástico que se assemelham a águas-vivas, que fazem parte de sua dieta. Esses animais também são vítimas de redes ou linhas de pesca abandonadas no mar. “Recolhemos uma quantidade absurda de lixo, inclusive material de grande impacto na natureza, como pneus, colchões e isopor”, disse.

A ação Lixo Marinho e realizada pelo projeto Operação Praia Limpa, contratado pela prefeitura de Ilhabela com apoio institucional de empresas do setor privado e institutos ambientais.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Se apresenta à polícia homem que atropelou entregador de comida por App, em Goiânia

O homem disse à polícia que fugiu sem prestar socorro porque ficou com medo de "represálias dos populares".

Por Ton Paulo
13/05/2019, 11h27

O homem que fugiu após atropelar e matar um entregador de comida por App no setor Leste Universitário, em Goiânia, na última quinta-feira (9/5), se apresentou na delegacia de polícia na manhã desta segunda-feira (13/5). O motociclista se entregou três dias após a polícia divulgar o vídeo do ocorrido.

Conforme a Delegacia de Crimes de Trânsito (Dict), Alex de Souza Morais, de 21 anos, que atropelou e matou Guilherme Batista Pereira Araújo, de 27 anos, e fugiu sem prestar socorro, se apresentou na delegacia acompanhado de sua advogada e foi ouvido em Termo de Declarações, contando sua versão dos fatos.

De acordo a Dict, Alex contou que fugiu do local sem prestar socorro a Guilherme, após ter passado por cima dele com a motocicleta, porque ficou com medo de “represálias dos populares”.

A delegacia investigava o caso desde seu ocorrido, na quinta-feira. Um vídeo com imagens do momento em que Alex passa por cima de Guilherme com a motocicleta chegou a ser divulgado como ferramenta de auxílio de busca do paradeiro do autor do atropelamento.

Após ser ouvido na delegacia, Alex foi liberado.

Veja abaixo:

Relembre o caso do entregador de comida por App que morreu após ser atropelado

O acidente que ceifou a vida do jovem Guilherme Batista ocorreu por volta das 22h30 na Avenida Anhanguera, Setor Leste Universitário, em Goiânia. No ato de frear a motocicleta, o rapaz acabou sendo arremessado e foi atropelado por outro motociclista que vinha, que fugiu sem prestar socorro.

De acordo com informações da Dict na ocasião, Guilherme trafegava pela Rua A, sentido setor Vila Nova-Leste Universitário, via sinalizada com “Pare”, conduzindo a motocicleta Yamaha YBR preta.

No cruzamento com a Avenida Anhanguera, Guilherme percebeu a aproximação de uma outra motocicleta que trafegava pela Avenida Anhanguera, no sentido Centro. Por causa da aproximação do outro veículo, Guilherme acabou freando de forma brusca e, conforme a Dict, o freio dianteiro teria travado e seu corpo arremessado à frente. Nesse instante, o outro motociclista o atropelou, sem prestar socorro e sem permitir sua identificação.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.