Economia

Ronaldo Caiado já tem "plano B" para recuperação econômica de Goiás

O chefe da Casa Civil, Anderson Máximo, confirmou que Ronaldo Caiado já tem um "plano B" caso o socorro financeiro prometido pelo Planalto venha a tardar.

Por Ton Paulo
14/05/2019, 08h28

Diante da pressão e da continuidade da crise financeira em Goiás, o governador Ronaldo Caiado (DEM) parece não estar mais disposto a contar somente com a ajuda prometida pelo Governo Federal para a recuperação do Estado. Em entrevista ao programa Contraditório da TV Metrópole na noite da última segunda-feira (13/5), o chefe da Casa Civil, Anderson Máximo, confirmou que o governo já tem um “plano B” caso o socorro vindo Planalto venha a tardar.

Apesar da confirmação por parte do Palácio do Planalto de que o chamado Pacote de Equilíbrio Fiscal (PEF) será finalmente lançado nesta semana, a medida de socorro financeiro aos Estados ainda precisa passar pelo crivo do Congresso Nacional.

O PEF, que recebeu do governo o apelido de Plano Mansueto (em referência ao secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida), prevê a concessão de empréstimos com garantia da União (nos quais o Tesouro cobre eventuais calotes) no valor R$ 13 bilhões por ano. Questionado se o governo de Goiás possuía um “plano B” ou uma “carta na manga” caso o auxílio federal demorasse a chegar, Anderson Máximo confirmou que a estratégia, nessa hipótese, é recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O chefe da Casa Civil, uma das principais pastas do governo, ainda declarou que a situação do Estado ainda é alarmante e que Caiado tem feito uma minuciosa análise dos contratos do Estado, “realizando enxugamentos onde devem ser realizados” como uma das formas de fazer caixa. Questionado sobre o polêmico projeto do governo que cortava o benefício do Passe Livre Estudantil de mais de 60 mil estudantes, Máximo simplesmente confirmou o recuo: “O projeto já foi retirado”.

Ronaldo Caiado demonstrou impaciência com o Governo Federal para auxílio na recuperação econômica do Estado

O alinhamento ideológico e a proximidade entre Ronaldo Caiado e o presidente Jair Bolsonaro parecem não ter surtido muito efeito na prática. Em entrevista na rádio Sagres730 no início do mês, Caiado revelou-se impaciente com a demora da União de enviar ao Congresso o projeto da Lei de Equilíbrio Fiscal dos Estados. O governador revelou que reclamou diretamente ao ministro Paulo Guedes sobre a questão, pedindo celeridade no socorro financeiro.

Isso porque o Governo Federal havia prometido enviar o projeto no início de abril para votação até  o fim do mês. Entretanto, a promessa não foi cumprida. O lançamento da medida só foi confirmado ontem (13/5) pelo Palácio do Planalto, mas precisará ser aprovado pelo Congresso Nacional para entrar em vigor.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Saúde de Goiás esclarece que não tem convênio vigente com a Santa Casa de Anápolis

Unidade anunciou suspensão dos serviços de urgência e emergência, a partir desta terça-feira (14/5), por falta de repasse Estadual.
14/05/2019, 09h58

Após a Santa Casa de Anápolis anunciar a suspensão dos serviços de urgência e emergência, a partir desta terça-feira (14/5), por falta de repasse do Estado, a Secretaria de Saúde de Goiás (SES-GO), explicou que não tem convênio vigente com a unidade de saúde. Portanto, na nota oficial, a pasta reforçou que “é inverídico alegar que a medida adotada pela entidade seja por falta de repasses estaduais.”

O comunicado da Santa Casa foi divulgado ontem (13/5), por meio do perfil oficial do ex-ministro das Cidades, Alexandre Baldy, no Twitter. “Informamos a todos que, por ausência de repasse Estadual, a partir das 00h de hoje 14 de maio de 2019 (terça-feira) a Santa Casa de Misericórdia de Anápolis nã atenderá os serviços de Urgência e Emergência. Salvo atendimento somente para gestantes e pacientes oncológicos”, diz o texto.

Na publicação do comunicado, o ex-deputado federal enfatizou que a paralisação dos serviços é uma “triste realidade” para todos os moradores da cidade. “Para todos os anapolinos terem conhecimento, a partir de meia-noite de hoje, 14 de maio, a Santa Casa de Anápolis, estará paralisando o atendimento de emergência e urgência na Santa Casa por falta de pagamento do Governo do Estado de Ronaldo Caiado. Triste realidade”, escreveu Baldy.

Veja abaixo a postagem original:

Saúde de Goiás deve assinar convênio com a Santa Casa de Anápolis nos próximos dias

Ainda por nota, a SES-GO esclarece que um convênio com a Santa Casa nos próximos dias e, a partir desta assinatura, destinar verbas do estaduais para a unidade.

Leia o texto na íntegra:

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) esclarece que não possui convênio vigente com a Santa Casa de Misericórdia de Anápolis. A Santa Casa é uma instituição de regime jurídico privado, sem fins lucrativos, com gestão própria e conveniada ao município de Anápolis.

A SES-GO trabalha para assinar, nos próximos dias, um convênio com a Santa Casa e, a partir desta assinatura, destinar verbas do Estado para o local. É importante esclarecer que, diante da ausência de vínculo contratual entre as partes, é inverídico alegar que a medida adotada pela entidade seja por falta de repasses  estaduais.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Mais de 5 mil pessoas participam de assembleia sobre cortes na UFG

A reunião também contou com um abraço coletivo em volta do Centro de Cultura e Eventos Professor Ricardo do Freua Bufáiçal.

Por Ton Paulo
14/05/2019, 10h03

Convocada pela reitoria da instituição, uma assembleia de estudantes, professores e trabalhadores técnico-administrativos da Universidade Federal de Goiás (UFG) foi realizada na tarde da última segunda-feira (13/5) no Câmpus Samambaia, em Goiânia, para discutir e protestar contra o bloqueio de 30% do orçamento da universidade decretado pelo Ministério da Educação (MEC). De acordo com o reitor, mais de 5 mil pessoas marcaram presença para debater e se inteirar sobre os cortes na UFG.

A reunião também contou com um abraço coletivo em volta do Centro de Cultura e Eventos Professor Ricardo do Freua Bufáiçal, um ato simbólico contra o bloqueio orçamentário imposto pelo MEC a todas as universidades e institutos federais do Brasil, incluindo a UFG. O bloqueio também aconteceu na Educação Básica: ao menos R$ 2,4 bilhões que estavam previstos para investimentos em programas da educação infantil ao ensino médio foram bloqueados.

Na assembleia, o reitor da UFG, Dr. Edward Madureira, apresentou argumentos sobre a extrema importância das universidades públicas no Brasil. De acordo com ele, 60% dos alunos da UFG são de família de baixa renda, fato que contraria o argumento do governo de que a universidade é “composta pela elite financeira”. Ainda conforme o reitor, o bloqueio no orçamento da UFG foi de R$ 32 milhões, sendo R$ 27 milhões de verba de custeio e R$ 5 milhÕes na de investimento.

Reitor diz que com cortes na UFG, universidade não dura até o final do ano letivo

O reitor Dr. Edward Madureira disse em entrevista concedida à CBN no início do mês que, com o corte de 30% no orçamento da instituição anunciado pelo Ministério da Educação, “não há possibilidade de administrar a universidade e chegar ao final do ano letivo”.

Conforme o reitor na ocasião, a universidade entrou o ano no vermelho, e o corte que chega tornará inviável que a UFG mantenha suas atividades. “Nós já entramos em 2019 com déficit e esse corte de 30% é absolutamente inadministrável. Não há possibilidade de administrar a universidade e chegar ao final do ano letivo com um corte deste monte”, afirmou.

Madureira ainda disse que vai tentar mostrar ao governo que o corte é inviável e afirmou também que, em 2018, a UFG produziu mais de quatro mil novos artigos científicos, que foram publicados nas mais importantes revistas do mundo.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Professora é flagrada ao tentar entrar no presídio de Anápolis com anabolizantes na lancheira

Caso ocorreu nesta segunda-feira (13/5), no Centro de Inserção Social (CIS) Monsenhor Luís Ilc. Os produtos seriam repassados aos detentos do local.
14/05/2019, 11h19

Uma professora foi presa em flagrante ao tentar entrar non presídio de Anápolis com anabolizantes escondidos na lancheira. De acordo com informações da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), a droga seria repassada a detentos do local. O caso ocorreu nesta segunda-feira (13/5), no Centro de Inserção Social (CIS) Monsenhor Luís Ilc.

Ainda conforme a DGAP, a mulher de 33 anos, que não teve o nome revelado, estava com 27 ampolas de Durateston, um frasco de Decaland Depot, um pacote com pó ainda não identificado e com um tubo de desodorante com substância alterada. Ela havia passado pelo procedimento de revista pessoal, mas se recusou a realizar procedimentos habituais de revista em seus pertences. A educadora alegou que carregava apenas frutas em sua lancheira.

Diante disso, segundo o diretor da Unidade Prisional (UP), Leonardo Rodrigues, foi realizado o Procedimento Operacional Padrão (POP), no qual a agente prisional plantonista fez a verificação da lancheira, onde foram encontradas, em um compartimento escondido, as ampolas de anabolizantes.

Professora é presa em flagrante com anabolizantes no presídio de Anápolis

Após o flagrante, a direção da UP, pertencente à 1ª Regional Prisional Metropolitana da DGAP, colocou os produtos à disposição das autoridades policiais competentes para as devidas providências, conforme a lei. A professora foi conduzida à Delegacia da Polícia Civil da cidade, onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante. Ela responderá com base no artigo 273 do Código Penal Brasileiro, que dispõe sobre o tráfico de drogas.

Segundo a DGAP, o caso será apurado também internamente por meio de procedimentos administrativos. Em texto, a diretoria reforça que o “rigor na segurança penitenciária no estabelecimento responde às determinações do Governo do Estado, em consonância com as políticas de gestão da Secretaria de Segurança Pública e DGAP.”

Susto no presídio de Anápolis

No início deste mês, um caminhão desgovernado invadiu o muro do Centro de Inserção Social (CIS) Monsenhor Luís Ilc. Inicialmente caso foi tratado como uma tentativa de fuga, mas hipótese foi descartada após apuração. Apesar do susto, ninguém se feriu.

De acordo com informações colhidas no local, o motorista teria deixado o caminhão estacionado em uma rua próxima à unidade, mas o veículo perdeu o freio, desceu pela via e invadiu o muro da unidade prisional, localizada no bairro Jardim das Américas.

O buraco no muro foi tapado pelos próprios presos. Em nota, a DGAP informou que todas as medicas cabíveis para segurança na unidade foram tomadas.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Prefeita de Santo Antônio da Barra é alvo de inquérito por nepotismo

Conforme o inquérito, a gestora teria contratado sua sobrinha, cunhada e até mudado o filho de cargo dentro da Prefeitura.

Por Ton Paulo
14/05/2019, 12h05

Um inquérito civil público foi instaurado recentemente pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) para investigar a contratação de parentes da prefeita do município de Santo Antônio da Barra, a 190 quilômetros de Goiânia, em cargos do Executiva. Conforme o inquérito, a gestora teria contratado sua sobrinha, cunhada e até mudado de cargo o filho dentro da Prefeitura.

A promotora de Justiça Renata Dantas de Morais e Macedo, responsável pelo caso, requereu informações e relatórios, devendo ser indicada a relação de servidores investidos em cargos de direção e de assessoramento por parte da prefeita Sirleide Ramos (MDB), e que recebam “função gratificada e os contratados temporariamente que sejam marido ou mulher, companheiros ou parentes em linha reta, colateral ou por afinidade, até terceiro grau da chefe do Executivo ou de servidor que ocupe cargo de direção ou chefia na prefeitura, ou de vereadores”.

A listagem solicitada pelo promotoria, de acordo com o MP-GO, deve conter dados pessoais dos servidores, grau de parentesco, bem como as informações profissionais da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investida em cargo de direção ou chefia com quem possui parentesco, cargo que ocupa e se é servidor efetivo ou comissionado.

Anteriormente, o MP-GO havia recomendado que fossem exonerados três parentes da prefeita contratados na Prefeitura. Gustavo Ramos Ferreira, filho da prefeita, Hilda Ferreira da Silva, cunhada, e Nilma Alves de Oliveira, sobrinha, ocupavam, respectivamente, os cargos de superintendente de Gabinete, superintendente de Assessoria e assessora de Publicidade e Marketing.

Chefe de Gabinete da prefeita de Santo Antônio da Barra disse que recomendação foi seguida

Procurada pela reportagem do Dia Online, a chefia de Gabinete da prefeita Sirleide declarou que a recomendação feita anteriormente pelo Ministério Público foi seguida. Conforme o chefe de Gabinete, a cunhada e a irmã da prefeita foram exoneradas dos cargos onde eram comissionadas.

Já Gustavo, filho da prefeita Sirleide, foi retornado ao cargo de origem para o qual tinha havia sido aprovado em concurso público.

A prefeita não foi localizada para comentar o assunto.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.