Goiás

Advogado de empresário de Goiânia diz que ele comprou Porsche antes do erro bancário

Segundo versão de seu advogado, Guilherme teria comprado o carro de um luxo uma semana antes do depósito equivocado em sua conta.

Por Ton Paulo
15/05/2019, 15h11

O empresário de Goiânia Guilherme Moreira, dono de um restaurante no Setor Marista e suspeito de comprar um Porsche após ser beneficiado com um erro do banco, foi ouvido hoje (15/5) numa delegacia da Polícia Civil. Segundo versão de seu advogado, Guilherme teria comprado o carro de um luxo uma semana antes do depósito equivocado em sua conta, e que em momento algum seu cliente tentou ficar com valores que não lhe pertenciam.

O empresário de 27 anos e proprietário do Restaurante Bienna, localizado no Setor Marista, em Goiânia, foi alvo de uma operação da Polícia Civil em abril deste ano. De acordo a polícia na época, Guilherme teria se aproveitado de um erro do Banco Safra, que depositou em sua conta, de forma equivocada, a quantia de quase R$ 19 milhões de reais. O suspeito, então, teria se apropriado de uma parte desse valor para adquirir o Porsche.

Entretanto, o advogado de Guilherme. Segundo Bruno Pena, o empresário comprou o carro uma semana antes do depósito errado, dando um sinal de R$ 20 mil reais. O restante seria pago à vista após a venda de parte de sua empresa. Como já habia a previsão de entrar o recurso na conta, proveniente desta venda, seus funcionários começaram a pagar as dívidas quando houve o depósito, entre elas o valor de R$ 280 mil para carro”, detalhou o advogado a um veículo local.

O advogado ainda afirmou que a versão pode ser corroborada pelas conversas mantidas pelo empresário em um App de mensagens instantâneas. Conversas essas que, conforme o advogado, já foram entregues em juízo. O delegado responsável pelo caso, Kleber Toledo, ainda não se manifestou após o depoimento.

Relembre o caso do empresário de Goi6ania que teria adquirido Porsche depois de receber dinheiro do banco indevidamente

No dia 25/4, a polícia deflagrou uma operação de busca e apreensão com o objetivo de reter um Porsche, veículo de luxo, adquirido por Guilherme Moreira. Isso porque um erro no sistema do Banco Safra S.A. ocorrido no ano passado resultou no envio indevido de dinheiro para a conta de centenas de clientes ao redor do Brasil, e o proprietário do Restaurante Bienna, localizado no Setor Marista, em Goiânia, foi um dos clientes do banco que teve crédito indevido em sua conta. Mas em vez de devolver, o empresário teria, segundo a polícia, usado os milhões que lhe foram creditados para comprar um Porsche, apreendido nesta manhã (25/4) pelos policiais.

De acordo com a Polícia Civil na ocasião, Guilherme percebeu no dia 27/12 do ano passado que havia sido creditada em sua conta mantida no Banco Safra S.A. a quantia de R$ 18.666.000,90 reais. O proprietário do estabelecimento especializado em carnes e que integra a cena gastronômica do Setor Marista, então, teria se apropriado de parte do valor e, com o intuito de esconder a verdadeira origem do dinheiro dado a ele por engano, tentou transferências eletrônicas por meio de internet banking que juntas somam R$ 1.129.794,58 reais. As transferências foram realizadas para a conta do pai, para outra conta da empresa mantida em outra instituição financeira e para outras.

Entretanto, conforme os policiais, as transferências não foram concretizadas, pois foi feito o bloqueio das operações. Porém, Guilherme conseguiu fazer uma transferência no valor de R$ 280.000,00 reais. Com o dinheiro, de acordo com a polícia, Guilherme teria comprado um Porsche modelo Boxster, 2.7, ano e modelo 2014, cor vermelha, veículo de luxo avaliado no mesmo valor da transferência.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Mulher é denunciada pela morte da filha, em Aparecida de Goiânia

Conforme a denúncia a mulher após o parto enrolou a criança em um lençol, colocou a menina em uma embalagem plástica com zíper e arremessou a filha contra a parede.
15/05/2019, 15h22

Kassya Regina da Silva foi denunciada pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) pela morte da filha recém-nascida, ocorrida na data do dia 24 de abril deste ano, dentro de sua residência, logo após dar à luz a menina, em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital.

O promotor de Justiça Spiridon Nicofotis Anyfantis, que atua como substituto na 5ª Promotoria de Justiça da Comarca, protocolou a denúncia contra a mulher na última terça-feira (14/5). No documento o promotor relata que após o parto, Kassya enrolou a filha em um lençol, colocou a menina dentro de uma embalagem plástica com zíper, fechou a sacola e a jogou contra o muro da casa.

Após ser arremessada contra o muro a criança sofreu traumatismo cranioencefálico. O MPGO afirmou que depois de jogar a criança contra a parede, Kassya pegou a sacola na qual estava o corpo da menina e arremessou para o lote vizinho.

Família descobriu sobre o crime durante à tarde ao visitar a mulher

Os parentes de Kassya só descobriram sobre o crime no fim da tarde, após eles questionarem a mulher sobre a barriga e descobriram que ela teve a filha. No dia a mulher e a criança foram encaminhados ao hospital do município, entretanto os médicos que atenderam aos pacientes constataram que a menina chegou na unidade de saúde morta.

Para denunciar a mulher, o MPGO solicitou os antecedentes criminais de Kassya e a certidão do cartório, com as informações sobre possíveis práticas ilícitas cometidas pela ré. Além disso, o ministério pediu que o nome de Kassya seja incluído no Sistema Nacional de Informações Criminais (Sinic) com os dados do processo e que à Secretaria de Assistência Social de Aparecida de Goiânia providencie o acompanhamento psicológico para a família no Centro de Referência e Assistência Social (Cras) do município.

Via: MPGO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Senado aprova fim de carência de planos de saúde para emergência

Hoje a legislação define prazo de carência de 24 horas, para atendimentos de urgência e emergência; 300 dias, para parto; e 180 dias, para cirurgias.
15/05/2019, 15h30

Casos de urgência e emergência de beneficiários de planos de saúde podem ficar fora dos prazos de carência. A mudança está prevista no Projeto de Lei do Senado (PLS) 502/2017, aprovado na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) nesta quarta-feira (15). A iniciativa, da senadora Rose de Freitas (Pode-ES), também reduz para 120 dias o período de carência nas internações hospitalares.

Hoje a legislação define prazo de carência de 24 horas, para atendimentos de urgência e emergência; 300 dias, para parto; e 180 dias, para cirurgias. Apesar dos argumentos das operadoras de que a fixação de períodos de carência proteja as operadoras contra eventuais abusos e fraudes do consumidor, Rose argumenta que essa regra não pode inviabilizar o atendimento de saúde em circunstâncias excepcionais e imprevisíveis, que exijam solução imediata.

O relator, senador Mecias de Jesus (PRB-RR), considerou injustificável o plano de saúde não cobrir um problema de saúde que surja nas primeiras 24 horas do contrato e exija pronta intervenção médica.

“Retirar esse direito do usuário consumidor seria colocar em risco sua vida ou incolumidade física. Evidentemente, não se trata de permitir fraudes ao plano de saúde, que, no momento da contratação, poderá verificar se o potencial consumidor está em situação de urgência ou emergência previamente constituída”, explicou.

Como foi aprovado em caráter terminativo, caso não haja recurso da decisão da CAS, o projeto seguirá direto para a Câmara dos Deputados.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Professor denunciado por assédio em Colégio Militar de Anápolis é afastado

Educador foi afastado após o caso viralizar na internet.
15/05/2019, 15h37

Após uma aluna denunciar que estava sendo assediada por um professor do Colégio Estadual da Polícia Militar de Goiás Gabriel Issa, em Anápolis, o educador foi afastado do cargo pela direção do colégio. O caso é investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) do município. Conforme matéria veiculada em um jornal local, o caso ganhou repercussão após estudantes divulgarem a situação pela rede mundial de internet com a hashtag #QuemOmiteConsente.

Após receber a denúncia, a direção do Colégio publicou uma nota na última terça-feira (14/5) em seu Instagram oficial comunicando o afastamento do professor das funções. No início da semana a direção também havia se posicionado sobre o caso e afirmou na ocasião que o ocorrido foi repassado as autoridades competentes.

A escola afirmou ao periódico que a adolescente recebia mensagens de cunho sexual do professor. O educador, que não teve o nome revelado, afirmou em uma outra rede social que não usa a rede em que as mensagem foram trocadas com a menina há cerca de três anos e que vai provar que alguém se passou por ele.

Professor denunciado por assédio em Colégio Militar de Anápolis é afastado
Foto: Reprodução

Caso viralizou nas redes sociais e uma campanha com a hashtag #QuemOmiteConsente foi criada para divulgar os casos

Após a denúncia da aluna contra o professor, o caso viralizou nas redes sociais com várias pessoas entre estudantes e ex-alunos da escola ao compartilhar publicações com a hashtag #QuemOmiteConsente, criticando o comportamento do educador. Além dos comentários que foram gerados nas redes sociais, uma campanha também está rolando no Instagram com a hashtag #QuemOmiteConsente.

Dia Online entrou em contato com a Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) em busca de um posicionamento sobre o caso que em nota afirmou que é de responsabilidade da Secretaria Estadual de Educação (SEDUC) qualquer esclarecimento sobre o tema. A reportagem entrou em contato com a Seduc que por meio de nota informou que vai ser aberto o processo de sindicância, para apurar a veracidade das denúncias e que caso seja comprovado o assédio sexual, vai ser instaurado um processo administrativo contra o professor.

Confira a nota

“Em relação à denúncia de assédio sexual envolvendo um professor e uma aluna do Colégio Estadual da Polícia Militar de Goiás (CEPMG) Gabriel Issa, em Anápolis, a Secretaria Estadual de Educação de Goiás (Seduc) esclarece que será aberta uma sindicância, sob a responsabilidade da Gerência de Processo Administrativo Disciplinar, para averiguar os fatos e se houver veracidade na denúncia será instaurado um Processo Administrativo (PAD) contra o professor. Como medida de segurança para todos os envolvidos e para que a apuração dos fatos ocorra dentro da normalidade, a Seduc já afastou o professor da unidade escolar onde lecionava.”

Via: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Secretária da Economia de Goiás vai à reunião em Brasília para evitar "guerra fiscal"

A ida da secretária da Economia à reunião ocorre depois que São Paulo deu início a uma "guerra fiscal" com redução de ICMS do querosene.

Por Ton Paulo
15/05/2019, 16h11

A Secretaria de Estado da Economia anunciou hoje (15/5) a ida da titular da pasta, Cristiane Schmidt, à uma reunião extraordinária do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) amanhã (16/5), em Brasília, para discutir a tributação do querosene de aviação. A ida da secretária da Economia à reunião ocorre depois que São Paulo deu início a uma “guerra fiscal” com redução de ICMS do querosene. Conforme informações adiantadas, proposta dos Estados de Paraná e Distrito Federal é de limitar a alíquota do ICMS em 7%.

De acordo com a Secretaria, existem convênios no Conselho que autorizam a redução da carga tributária para zero ou 3%, e a intenção da secretária da Economia é debater o tema para buscar um consenso. Ainda segundo a Secretaria da Economia, recentemente, São Paulo reduziu a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do querosene de aviação de 25% para 12% para incentivar voos regionais, o que foi visto por alguns Estados como início de uma “guerra fiscal”.

Daí a necessidade, de acordo com a secretaria goiana, de discutir o tema na reunião como forma de buscar um acordo.

A reunião do Confaz está prevista para começar às 9h e, após o almoço, está na agenda a realização da reunião do Comitê de Secretários Estaduais da Fazenda (Comsefaz), com a participação da secretária Cristiane Schmidt.

Proposto pelo Estado de Goiás, o convênio 13408 também será discutido no Confaz com o objetivo de manter a redução da base de cálculo de 3% nas saídas interestaduais para o gado proveniente da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride) e destinado ao abate em Brasília. O convênio atual venceu em 30 de abril e a intenção é prorrogá-lo até 31 de julho deste ano.

Secretária da Economia de Goiás quer se reunir com secretários de outros Estados

A Secretaria da Economia também adiantou que a Schmidt tem planos de discussão com os vizinhos de Goiás.

Na próxima semana, dia 22/5, a secretária da Economia pretende reunir os secretários de Fazenda da região Centro-Oeste mais os de Minas Gerais e do Tocantins, em Goiânia, para debater a equalização da carga tributária de vários segmentos econômicos. Na relação estão energia elétrica, comunicação, combustíveis, bebidas (cerveja e refrigerante), cigarros e a indústria e o atacado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.