Goiás

Quadrilha usava grupos no Facebook para aplicar golpes, diz Polícia Civil de Goiás

A Operação Deu Ruim identificou 15 pessoas que atuavam como laranjas numa associação criminosa voltada para golpes na venda de veículos pela internet.

Por Ton Paulo
16/05/2019, 09h39

Após quatro meses de investigação, a Polícia Civil do Estado de Goiás, através da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (Dercc), deflagrou uma operação que tem como objetivo cumprir mandados de busca e apreensão e exclusão de 15 grupos no Facebook que eram usados para aplicar golpes na venda de veículos pela internet.

Segundo informações adiantadas pela polícia, a Operação Deu Ruim identificou 15 pessoas que atuavam como laranjas numa associação criminosa voltada para golpes na venda de veículos pela internet, além de identificar 15 grupos da rede social Facebook, através dos quais eram ofertados diversos ilícitos, como aluguel de contas bancárias para aplicação dos golpes.

Uma empresa fictícia chamada Ferrari Veículos anunciava de forma fraudulenta pela internet a oferta de diversos veículos para venda, apresentando valores atrativos aos interessados na compra. A empresa constava com sendo de Crixás, em Goiás. Entretanto, ela nunca existiu.

Após realizar transferências eletrônicas para garantir a compra dos carros anunciados, as vítimas dos criminosos percebiam que haviam caído em um golpe quando descobriam que a empresa Ferraria Veículos sequer existe fisicamente no endereço informado em Crixás, e os carros, com uma parte já paga, não lhe seriam entregues.

Grupos no Facebook eram usados para conseguir laranjas

De acordo com a polícia, foram identificadas 25 vítimas, e 15 laranjas, que teriam colaborado com a fraude ao ceder as contas bancárias para recebimento dos valores em dinheiro transferidos pelas vítimas. Os mandados de busca e apreensão contra esses foram cumpridos na manhã de hoje (16/5).

Além disso, a investigação também levou a 15 grupos da rede social Facebook, através dos quais diversos produtos de origem ilícita e prestação de serviços criminosos eram ofertados e contratados, tais como aluguel de contas bancárias, venda de cartões bancários e dinheiro falsos e venda de celulares certamente oriundos de furtos e roubos, dentre outros.

Quadrilha usava grupos no Facebook para aplicar golpes., diz Polícia Civil de Goiás
Foto: PC

A Polícia Civil representou judicialmente pela exclusão dos grupos, sendo o pedido atendido e os grupos excluídos. A polícia ressaltou ainda que os 15 grupos do Facebook possuíam mais de 1 milhão e 200 mil seguidores.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Fazendeiro de Araguapaz vira réu por uso irregular de agrotóxicos

Moradores da região chegaram a passar mal por causa do efeito da aplicação do veneno.

Por Ton Paulo
16/05/2019, 10h39

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) tornou réu um fazendeiro do município de Araguapaz, a 260 quilômetros de Goiânia, por dano ambiental. Conforme relatado na ação civil pública movida, o homem aplicava agrotóxicos de maneira ilegal numa lavoura de soja próxima a um bairro residencial. Moradores da região chegaram a passar mal por causa do efeito da aplicação do veneno.

A ação do MP-GO que tornou o fazendeiro Mário Bernardino de Souza réu determina que ele paralise imediatamente o cultivo da soja ou de qualquer outro tipo de lavoura que implique o uso de agrotóxicos na Fazenda Nossa Senhora Nazaré III, em Araguapaz, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. A liminar foi concedida pela juíza Marianna de Queiroz.

O órgão conta que, conforme requerido pelo promotor de Justiça Wessel de Oliveira, uma cópia dessa decisão está sendo encaminhada à Secretaria Municipal de Meio Ambiente e à Vigilância Sanitária de Araguapaz “para fins de fiscalização quanto a seu cumprimento, por meio de vistorias mensais até julgamento final do processo”.

Moradores da região de Araguapaz chegaram a passa mal com os agrotóxicos

Segundo relatado pelo promotor, Wessel de Oliveira, uma vistoria da Secretaria de Meio Ambiente na fazenda de Mário Bernardino, em janeiro deste ano, constatou a aplicação irregular de agrotóxicos em área próxima a bairro residencial da cidade. O laudo atestou ainda a aplicação irregular do produto em lavoura de soja, a menos de 13 metros do Setor Vila Nova, sendo sempre realizada à noite, sem a adoção de qualquer controle ambiental.

O MP-GO foi, então, informado que, em razão da atividade, os moradores estão passando mal, chegando reclamar na prefeitura mas, segundo eles, sem que ninguém tivesse tomado providências.

Wessel de Oliveira ressaltou não ter restado ao MP-GO outra medida a não ser propor a ação como objetivo de obrigar o réu a promover a recuperação da área degradada, evitando, assim, danos de mais proporções e que possam comprometer o abastecimento de água do município.

Via: MP-GO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Advogado é baleado ao tentar receber R$ 7 mil de honorários, em Anápolis

Ele, que foi atingido por cinco tiros, está internado no Huana e não corre risco de morte. Caso ocorreu na noite de ontem (15/5), no Conjunto Habitacional Filostro Machado Carneiro.
16/05/2019, 10h46

Um advogado criminalista foi baleado na noite desta quarta-feira (15/5), em Anápolis, ao tentar receber R$ 7 mil de honorários. Diego Sidney Azara Pereira, que foi atingido com ao menos cinco disparos, conseguiu acionar a Polícia Militar, que chamou o socorro. Ele está internado no Hospital de Urgências de Anápolis (Huana). Ao Dia Online, a unidade de saúde informou que a família não autoriza o repasse de informações sobre o estado de saúde do advogado.

Diego Sidney relatou à PM que, ao chegar no local marcado com um cliente, foi abordado por três homens. O caso ocorreu numa região afastada do Conjunto Habitacional Filostro Machado Carneiro, em Anápolis, na Região Metropolitana de Goiânia. No endereço, o advogado encontraria a tia do cliente, que está preso. A polícia acredita que ele tinha caído em uma emboscada, uma vez que na casa não há moradores.

Advogado baleado em Anápolis teria que receber R$ 7 mil de honorários

Conforme registro da ocorrência, Diego Sidney  teria ido ao local marcado receber cerca de R$ 7 mil de honorários. O dinheiro, referente a serviços prestados a um preso, seria entregue pela irmã do cliente. Apesar da informação, ainda é cedo afirmar que o crime tenha ligação com a dívida.

O homem foi atingido por cinco tiros, sendo no pescoço, braço, abdômen e nádegas. Os homens fugiram em seguida. Mesmo ferido, ele conseguiu acionar a Polícia Militar. Diego foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e levado ao Hospital de Urgências de Anápolis (Huana).

Estado de saúde

Em nota enviada ao Dia Online, a assessoria do Huana informou que a família não autoriza o repasse de informações a respeito de seu estado de saúde. Já de acordo com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção Anápolis Jorge Henrique Elias, o advogado não teve nenhum órgão vital atingido e não corre risco de morte.

Veja abaixo a nota publicada no perfil oficial do presidente da OAB Subseção Anápolis:

Prezados amigos, em atenção e esclarecimento às dezenas de telefonemas e mensagens recebidas desde a noite de ontem, informo a toda a sociedade Anapolina, em especial aos Advogados e Advogadas aqui militantes que, desde os primeiros instantes do lamentável fato ocorrido na noite de ontem com o Dr. DIEGO SIDNEY ÁZARA PEREIRA, estamos acompanhando todos os fatos, e, através da Portaria nº 1683/2019, instituímos uma Comissão Especial de Acompanhamento ao Inquérito Policial em referência (agradeço desde já a disponibilidade e presteza do Dr. Wallisson Pereira dos Santos, que presidirá esta Comissão).

Informo que o Dr. Diego, segundo informações preliminares, não está correndo mais risco de morte. Reitero que a OAB ANÁPOLIS não descansará enquanto não for dada rápida e justa solução ao caso e combaterá, incessante e intransigentemente, toda e qualquer ameaça à vida ou ato atentatório à profissão!

O caso será investigado pela Polícia Civil de Goiás (PCGO).

Imagens: Anápolis Notícias 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Prazo para inscrição no Enem 2019 termina nesta sexta-feira

Exame será aplicado em dois domingos consecutivos, 3 e 10 de novembro.
16/05/2019, 10h52

O prazo para fazer a inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 termina nesta sexta-feira, dia 17, às 23h59. A taxa de R$ 85 poderá ser paga até o dia 23 de maio.

O exame será aplicado em dois domingos consecutivos, 3 e 10 de novembro, e terá quatro provas objetivas com 45 questões cada uma sobre os seguintes temas: Linguagens e Códigos, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Matemática. Além disso, os alunos deverão fazer uma redação argumentativa de, no máximo, 30 linhas sobre o tema que será proposto.

No dia 3 de novembro, serão aplicados os testes de Linguagens e Códigos, Ciências Humanas e a Redação, com 5h30 de duração. No dia 10 de novembro, serão aplicados os testes de Ciências da Natureza e Matemática, com 5h de duração.

Para fazer a inscrição, acesse o site do Enem e siga as instruções. O prazo para pedidos de atendimento por nome social vai de 20 até 24 de maio.

A nota Enem poderá ser usada para concorrer a vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), instituições portuguesas e para participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Mudanças

A partir deste ano, os alunos contarão com um novo sistema de inscrição e que permitirá incluir uma foto. Os deficientes auditivos e visuais poderão indicar no ato da inscrição o uso de um aparelho auditivo ou de implante coclear. Além disso, todos os alunos terão os lanches revistados no dia da prova, e no final dos cadernos de questões haverá espaço para rascunho da redação e cálculos.

Imagens: Governo do Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Vândalos destroem canteiros em Aparecida de Goiânia; polícia civil investiga

Prefeitura pede ajuda da população na fiscalização e cuidados com os canteiros que passarem por revitalização.
16/05/2019, 11h51

Tornar a cidade mais agradável para se viver é um dos deveres da administração pública. E para isso, a Prefeitura de Aparecida de Goiânia, por meio da secretaria de Desenvolvimento Urbano, realiza a ação de embelezamento das ruas, canteiros centrais e rotatórias do município. O projeto de embelezamento começou pela Avenida Atlântica no Jardim Tropical, já passou pela Avenida Jataí no Jardim Bela Vista e chegou na Alameda do Almeida no Jardim Luz.

Mas devido a ação de vândalos e criminosos, este processo está se tornando caso de polícia. Isso porque a Polícia Civil investiga o furto de plantas, vasos, peças decorativas e atos de vandalismo ocorridos na Alameda do Almeida no Jardim Luz, em Aparecida de Goiânia. Foram furtados do local, na madrugada dos dias 2 e 4 de maio, bacias de cimento e carrinhos de mão de madeira usados na decoração da praça.

Crime contra patrimônio público é investigado em Aparecida de Goiânia

O crime contra o patrimônio público foi registrado em Boletim de Ocorrência no 5º Distrito Policial da cidade. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Urbano, Max Menezes, o prejuízo contra o patrimônio público é grande. “Estamos fazendo um trabalho de embelezamento da cidade, colocando vasos, preparando as avenidas, praças e canteiros públicos, conforme determinação do prefeito Gustavo Mendanha. Ficamos tristes quando deparamos com essa situação”, comentou.

Max Menezes ressalta que agora a Alameda está sem a decoração, pois o processo para aquisição de novos objetos de paisagismo ainda está em andamento para que seja realizada a reposição, o que gera mais gastos para o patrimônio público. Ele faz um apelo aos moradores que vivem próximos aos locais que estão sendo revitalizados para que ajudem na fiscalização e que denunciem qualquer ato de vandalismo ou furto.

“Precisamos da colaboração da comunidade para que nos ajude a fiscalizar e a denunciar tanto para a Guarda Civil Municipal quanto para a Polícia Militar quando flagrarem alguma atitude suspeita. Assim que iniciamos esse processo de embelezamento tivemos as flores da Avenida Atlântica furtadas e agora vasos e objetos de decoração também foram levados. Esses crimes contra o patrimônio público não podem ficar sem solução, pois quem perde é a população”, sublinhou.

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, o secretário anunciou que denunciaria o caso à polícia, o que foi feito e agora as imagens das câmeras de segurança dos prédios e comércios vizinhos ao canteiro da Alameda do Almeida estão sendo investigadas. “Nosso objetivo ao denunciar o crime é de que ele não fique impune e quem pague por ele seja o contribuinte. Ainda temos muito o que fazer pela cidade, mas é preciso que todos ajudem a cuidar destes espaços, pois também somos responsáveis pelo patrimônio do município”, salientou ele.

Embelezamento

O objetivo da Prefeitura é de deixar a cidade mais bonita e aconchegante para quem mora em Aparecida. A ação tem um custo mínimo pois os materiais usados são de reciclagem, como pedriscos, toras de madeira e pneus. O projeto conta com a implantação de caminhos de flores cercado por bolachas de madeira, floreiras feitas com cochos de madeira e caminho para passeio com os pedriscos, além da implantação das lixeiras ecológicas.

Vandalismo

A destruição de bens públicos é um dos atos infracionais tipificados como crime contra o patrimônio público e pode sujeitar o infrator a penas como multa ou detenção. Por isso a Prefeitura de Aparecida iniciou uma campanha de conscientização dos moradores e está pedindo ajuda para que os vândalos sejam identificados e punidos. As denúncias podem ser registradas anonimamente pelo telefone 3545-6040.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.