19/dez/2018

Crítica: “Bird Box”, da Netflix, traz Sandra Bullock em um suspense tenso e envolvente

É sempre um deleite assistir filmes com histórias pós-apocalípticas. Existe não apenas um fascínio do ser humano pelo fim do mundo, como também o cenário é rico em possibilidades ao abrir brechas para imaginar situações diversas e trabalhar a tensão da catarse de inúmeros jeitos. Já tivemos diversos filmes do estilo e alguns se destacam como obras excepcionais que utilizam com maestria as ferramentas narrativas cinematográficas para construir histórias envoltas de simbolismos, desespero e pura emoção. “A Estrada”, “Ao Cair da Noite”, “Eu Sou a Lenda”, e mais recente, “Um Lugar Silencioso”, são alguns ótimos exemplos.

“Bird Box” – ou “Caixa de Pássaros” na tradução – é adaptado do livro de sucesso escrito por Josh Malerman e traz semelhanças com o já citado “Um Lugar Silencioso”, como, por exemplo, a ameaça monstruosa, o ambiente apocalíptico e a relevância de um dos sentidos para a ação da criatura. Ainda não li a obra literária, mas como filme, o longa dirigido por Susanne Bier (ganhadora do Oscar de Melhor Filme Estranhando por “Em Um Mundo Melhor”) é um exercício eficiente de suspense que entende a importância de trabalhar a percepção do público e não entregar com facilidade o ouro.

Na trama, o mundo é atacado por criaturas que fazem emergir o pior medo de cada pessoa através da visão levando-as ao suicídio. Para sobreviver é necessário vendar os olhos e não enxergar de maneira alguma. Acompanhamos Malorie (Sandra Bullock) e sua luta pela sobrevivência com duas crianças em uma jornada para chegar a um lugar seguro.

Da mesma maneira que o suspense dirigido por John Krasinski trabalha o som como principal elemento narrativa de uma frenética luta por sobrevivência, onde a simples emissão sonora é capaz de levar a morte, em “Bird Box” enxergar é o maior inimigo. Apesar da trama seguir caminhos previsíveis, o desenvolvimento é instigante e realizado com exímio domínio pela diretora Susanne Bier. Existe tensão, emoção e interesse pelos personagens, e é um grande certo a escolha de nunca mostrar os monstros ou explicar de onde vieram. Eles apareceram. Ponto. Estão lá e a luta pela sobrevivência é o fio condutor que faz de “Bird Box” um suspense decente e bastante envolvente.

Parte da qualidade do filme também se coloca no carisma de seu elenco. É imprescindível atores de peso e talentosos para encabeçar projetos assim. Pode não ser uma receita infalível, mas geralmente ajuda, e muito, no envolvimento do público com a história e na identificação com os personagens. E carisma Sandra Bullock tem sobra, e é talentosa para o drama. O mesmo deve ser dito para os ótimos John Malkovich, Sarah Paulson, Danielle Macdonald, Tom Hollander, Trevante Rhodes e as excelentes crianças Julian Edwards e Vivien Lyra Blair.

Enfim, “Bird Box” é uma ótima pedida para quem procura um filme engajante, tenso e emocionante.

Bird Box-EUA

Ano: 2018 – Dirigido por: Susanne Bier

Elenco: B.D. Wong, Sandra Bullock, Sarah Paulson

Sinopse: Em um mundo pós-apocalíptico, Malorie (Sandra Bullock) e seus filhos precisam chegar em um refúgio para escapar do Problema, criaturas que ao serem vistas fazem pessoas se tornarem extremamente violentas. De olhos vendados para nao serem afedaos, a família segue o curso de um rio para chegar à segurança.

Assista ao trailer de “Bird Box – Caixa de Pássaros” a seguir: